“Puro preconceito! Vem de brinde com a bola!”: o tabu da (homo)sexualidade em uma equipe de futsal feminino

Autores

  • Juliana Gomes Jardim Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil.
  • Mauro Betti Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Departamento de Educação Física, Bauru, SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p249-262

Palavras-chave:

Heteronormatividade, Gênero, Mulheres, Esportes, Experiência Educativa, Etnografia

Resumo

Este trabalho objetivou compreender as experiências educativas de praticantes de futsal feminino, com foco nas questões relativas ao gênero e à sexualidade, uma vez que o futebol ainda é um território de hegemonia dos homens. Para tal, realizou-se um estudo etnográfico com atletas de uma equipe universitária do interior paulista. Os resultados evidenciaram que as participantes sofreram uma série de discriminações ao longo de suas trajetórias na modalidade, associados às suas expressões de gênero e orientações sexuais. Diante da força coercitiva da heteronormatividade, a equipe fazia da homossexualidade um tabu. Concluiu-se que estas mulheres, simultaneamente, reproduziam e contestavam valores e atitudes relacionadas aos gêneros e sexualidades normativos. Por fim, evidenciou-se que o futsal assumia tal importância em suas vidas que as experiências vivenciadas constituíam parte de suas subjetividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Daolio J. Cultura, educação física e futebol. Campinas: Editora da Unicamp; 1997.

Daolio J. As contradições do futebol brasileiro. In: Carrano PCR, organizador. Futebol: paixão e política. Rio de Janeiro: DP&A; 2000. p. 29-44.

Damatta R. Esporte na sociedade: um ensaio sobre o futebol brasileiro. In: Damatta R, organizador. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke; 1982. p. 19-42.

Dicionário Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Objetiva; 2009.

Larrosa-Bondía J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Rev Bras Educ. 2002; 19: 20-28.

Dewey J. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. São Paulo: Nacional; 1979.

Teixeira A. Educação como reconstrução da experiência. In: Dewey J. Vida e educação. São Paulo: Nacional; 1959. p. 1-30.

Broens MC, Andrade EB, Pilan FC. A noção de fluxo contínuo da experiência: contribuições de Dewey para a ciência cognitiva. Cognitio. 2008;5:25-32.

Rockwell E. La experiência etnográfica: historia y cultura en los procesos educativos. Buenos Aires: Paidós; 2009.

Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

Goellner SV, Reppold Filho AR, Fraga AB, Mazo JZ, Stigger MP, Molina Neto V. Pesquisa qualitativa na educação física brasileira: marco teórico e modos de usar. Rev Educ Fís UEM. 2010;21:381-410.

Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2003.

Furlan CC, Santos PL dos. Futebol feminino e as barreiras do sexismo nas escolas: reflexões acerca da invisibilidade. Motrivivência. 2008;20:28-43.

Goellner SV. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e invisibilidades. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2005;19:143-151.

Capitânio AM. Mulher, gênero e esporte: a análise da auto-percepção das desigualdades [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte; 2005.

Borges CNF, Lopes SM, Alves CA, Alves FP. Resiliência: uma possibilidade de adesão e permanência na prática do futebol feminino. Movimento. 2006;12:105-131.

Rubio K, Simões AC. De espectadoras a protagonistas: a conquista do espaço esportivo pelas mulheres. Movimento. 1999;2:50-56.

Goellner SV. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Rev Pensar Prática. 2005;8:85-100.

Mourão L. Representação social da mulher brasileira nas atividades físico-desportivas: da segregação à democratização. Movimento. 2000;13:5-18.

Devide FP, Osborne R, Silva ER, Ferreira RC, Saint Clair E, Nery LCP. Estudos de gênero na educação física brasileira. Motriz J Phys Ed. 2011;17:93-103.

Kessler CS. “Entra aí pra completá”: narrativas de jogadoras de futsal feminino em Santa Maria - RS [dissertação]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas; 2010.

Silveira R. Esporte, homossexualidade e amizade: estudo etnográfico sobre o associativismo no futsal feminino [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física; 2008.

Knijnik JD. Femininos e masculinos no futebol brasileiro [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia; 2006.

Franzini F. Futebol é “coisa pra macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Rev Bras Hist. 2005;25:315-328.

Moraes EV. As mulheres também são boas de bola: histórias de vida de jogadoras baianas (1970-1990) [tese]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Faculdade de História; 2012.

Dornelles PG; Molina Neto V. O ensino do futebol na escola: a perspectiva das estudantes com experiências positivas nas aulas de educação física em turmas de 5ª a 7ª séries. In: Kunz E, organizador. Didática da educação física 3: futebol. Ijuí: Unijuí; 2005. p. 89-132.

Freitas LL. de. Futebol feminino: análise dos discursos dos sujeitos envolvidos em uma competição infantil entre escolas públicas em João Pessoa [dissertação]. João Pessoa (PB): Universidade Federal da Paraíba, Faculdade de Educação; 2003.

Miskolci R. Um saber insurgente ao Sul do Equador. Rev Periodicus. 2014;1:43-67

Downloads

Publicado

2021-07-15

Como Citar

Jardim, J. G. ., & Betti, M. . (2021). “Puro preconceito! Vem de brinde com a bola!”: o tabu da (homo)sexualidade em uma equipe de futsal feminino. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 35(2), 249-262. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p249-262

Edição

Seção

Artigos