Percepção subjetiva sobre criatividade: visão de árbitros e técnicos de Ginástica Rítmica

Autores

  • Priscila Raquel Tedesco da Costa Trevisan Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Departamento de Educação Física, Laboratório de Estudos do Lazer, Rio Claro, SP, Brasil.
  • Gisele Maria Schwartz Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Departamento de Educação Física, Laboratório de Estudos do Lazer, Rio Claro, SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p321-341

Palavras-chave:

Ginástica, Criatividade motora, Esporte, Arbitragem

Resumo

Este estudo qualitativo investigou os parâmetros de julgamento na percepção subjetiva sobre criatividade, na visão de árbitros e técnicos da modalidade Ginástica Rítmica. Para tanto, além de pesquisa bibliográfica, uma pesquisa exploratória contemplou a percepção de árbitros e técnicos desse esporte acerca da criatividade e seu envolvimento no desenvolvimento e julgamento dessa capacidade em âmbito competitivo. Como instrumento para coleta de dados, uma entrevista semiestruturada, a partir de questões elaboradas especificamente para esse estudo, foi aplicada individualmente a uma amostra intencional, selecionada por conveniência, composta por 14 participantes de ambos os sexos, sendo 05 árbitros de GR, com faixa etária entre 23 e 46 anos e experiência de 04 a 22 anos e, 09 técnicos de GR, com idades também entre 23 e 46 anos e tempo de prática de 06 a 20 anos. Todos foram atuantes em competições nacionais na vigência do ciclo olímpico 2013 a 2016. Os dados analisados descritivamente por meio da Técnica de Análise de Conteúdo apontam que esses participantes evidenciaram a criatividade como a capacidade de expressar o novo, o diferente, de forma extraordinária, perfeita e adequada às exigências desta modalidade. Por ter sua importância percebida subjetivamente, esses entrevistados salientaram a relevância do potencial criativo para enriquecer aspectos expressivos, artísticos e técnicos nas performances das atletas. O julgamento da criatividade em âmbito competitivo, ainda que não represente um quesito diretamente estabelecido nos códigos, é realizado de forma subjetiva, sendo esta percebida como um todo coeso, de teor artístico sobre o que é expresso nas séries, considerando, tanto elementos de Dificuldade, quanto de Execução. Esses dados contribuem para novas reflexões, ampliando a compreensão das relações existentes entre criatividade, esporte e arbitragem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Harris A. Creativity and education. London: Springer, 2016.

Baer J. Creativity doesn’t develop in a vacuum. In: Barbot B, editor. Perspectives on creativity development: new directions for child and adolescent development. San Francisco: Spring, 2016. p. 9-20.

Simões J, Fernando C, Lopes H. Creativity in Physical Education. J Curr Res Sci. 2016;4:125-9.

Kaufman JC. Creativity 101.New York: Springer Publishing Company, 2016.

Wechsler SM, Nunes MFO, Schelini PW, Ferreira AA, Pereira DAP. Criatividade e inteligência: analisando semelhanças e discrepâncias no desenvolvimento. Estudo Psicol. 2010;15:243-50.

Samulski DM, Noce F, CostaVT. Principais correntes de estudo da criatividade e suas relações com o esporte. Movimento. 2001;7:57-66.

Memmert D, Baker J, Bertsch C. Play and practice in the development of sport-specifi c creativity in team ball sports. High Ability Stud. 2010;21:3-18.

Temme D, Temme T, Ercenk-Heimann D. The problem of strategies of volitional control of movement for movement quality and movement creativity.6. International TGFU Conference and 10 dvs Sportspiel Symposium Meets; 2016; Cologne, GER. Abstracts. Res Quart Exerc Sport. 2016;87(Suppl 1):95-6.

Memmert D. Fostering young talents: the case of tactical creativity. 6. International TGFU Conference and 10 dvs Sportspiel Symposium Meets; 2016; Cologne, GER. Abstracts. Res Quart Exerc Sport. 2016;87(Suppl1):56.

Brikman L. A linguagem do movimento corporal. 3a. ed. rev. São Paulo: Summus; 2014.

Sternberg RJ, Lubart TI. The concept of creativity: prospects and paradigms. In: Sternberg RJ, editor. Handbook of creativity. New York: Cambridge University Press, 1999. p. 3-16.

Lubart, TI. Psicologia da criatividade. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Trevisan PRTC. A expressão da criatividade na dança [dissertação]. Rio Claro (SP): Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Departamento de Educação Física, 2010.

Mohamed SHF. Effect of motor improvisation on motor creativity and vanillylmandelic acid (VMA) in rhythmic exercises in girls at Faculty of Physical Education. JASS. 2015;5:118-125.

Vidal A. La dimensión artística de la Gimnasia Ritmica Deportiva: análisis del conjunto como acontecimento coreográfico. Cuaderno Técnico-Pedagógico. La Coruña: Centro Galego de documentacion e edicións deportivas; 1997.

Coellho JE. Inserção dos meninos no universo cultural da Ginástica Rítmica: pesquisa-ação na Federação Riograndense de Ginástica [tese]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, 2016.

Toledo E, Antualpa K. The appreciation of artistic aspects of the Code of Points in Rhythmic Gymnastics: an analysis of the last three decades. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2016;30:119-131.

Amengual M, Lleixà T. La creatividad motriz em gimnasia rítmica deportiva em edad escolar. Rev Intern Med Cienc Actividad Fís Deporte. 2011;11:548-63. Disponível em: http://cdeporte.rediris.es/revista/revista43/artcreatividad233.pdf.

Cavalcanti LMB, Porpino KO. O sofrimento e a dor como constituintes da beleza esportiva: reflexões para a educação. Holos. 2015;5:401-413.

Ávila-Carvalho MLT. Ginástica Rítmica de alto rendimento desportivo: estudo de variáveis do desempenho na especialidade de conjuntos [tese]. Porto (POR): Universidade do Porto, Faculdade de Desporto, 2012.

Robin JF, Santos SB. Ginástica: um jogo de regras. In: Schiavon LM, Bortoleto MAC, Numemura M, Toledo E, organizadores. Ginástica de alto rendimento. Várzea Paulista: Fontoura, 2014. p. 151-170.

Bardin L.Análise de conteúdo. 6a. ed. Lisboa (PO): Edições 70, 2011.

Silva AH, Fossá MIT. Análise de Conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Rev Eletr. 2015;17:1-14.

Huber GL, Gürtler L. AQUAD 7 manual: the analysis of qualitative data. Tübingen: Softwarevertrieb Günter Huber; 2013.

Oliveira KS, Wechesler SM. Indicadores de criatividade no desenho da fi gura humana. Psicol Ciênc Profissão. 2016;36:6-19. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v36n1/1982-3703-pcp-36-1-0006.pdf.

Tibeau CCPM. Concepções sobre criatividade em atividades motoras. Rev Bras Ciênc Mov. 2002;10:33-42. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/447/473.

Boaventura PLB. Possibilidades de transformação da Ginástica Rítmica em esporte-conteúdo nas aulas de Educação Física escolar. Cad Formação RBCE. 2014;5:45-55. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/cadernos/article/view/2050/993.

Pereira HCMC. Ginástica Rítmica: um conserto para o corpo [dissertação]. Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, 2014.

Cavalcanti LMB. Beleza e poder na Ginástica Rítmica: reflexões para a Educação Física [dissertação]. Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 2008.

Fédération Internationale de Gymnastique. 2013 - 2016 Code of Points - Rhythmic Gymnastics - FIG; 2015. Disponível em: http://www.fig-gymnastics.com/publicdir/rules/fi les/rg/RG%20CoP%202013-2016%20valid%201st%20January%202015_e.pdf.

Frutuoso AS, Diefenthaeler F, Vaz MA, Freitas CR. Lower limb asymmetries in rhythmic gymnastics athletes. Int J Sports Phys Ther. 2016;11:34-43. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4739046/.

Silva LMF, Porpino KO. Esporte como experiência estética e educativa: uma abordagem fenomenológica. Holos. 2014;5:64-80. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2557/pdf_96.

Huggins M. O olhar esportivo: para uma virada visual na história do esporte - documentando arte e esporte. Recorde: Rev Hist Esporte. 2014;7:1-40. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Recorde/article/view/1322/1223.

Debien PB. Monitoramento da carga de treinamento na Ginástica Rítmica: efeitos no estado de recuperação, perfil hormonal, resposta imune e desempenho físico [dissertação]. Juiz de Fora (MG): Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação Física e Desportos, 2016.

Bortoleto MAC. O caráter objetivo e o subjetivo da Ginástica Artística [dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, 2000.

Lourenço MRA, Barbosa-Rinaldi IP. O conjunto na Ginástica Rítmica. In: Schiavon LM, Bortoleto MAC, Nunomura M, Toledo E, organizadores. Ginástica de alto rendimento. Várzea Paulista: Fontoura, 2014. p.43-64.

Santos JB, Toledo E, Reis PF, Moro ARP, Gomes AC. Perfil postural de atletas de ginástica rítmica na faixa etária de 10 a 19 anos no estado de São Paulo. Rev Bras Prescrição Fisiol Exerc. 2016;10.395-404. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/987.

Ávila-Carvalho MLT, Silva CPLS, Lebre E. O conteúdo dos exercícios de competição em Ginástica Rítmica. In: Schiavon LM, Bortoleto MAC, Nunomura M, Toledo E, organizadores. Ginástica de alto rendimento. Várzea Paulista: Fontoura, 2014. p. 107-130.

Fédération Internationale de Gymnastique. 2017 - 2020 Code of Points - Rhythmic Gymnastics - FIG, 2017. Disponível em: http://www.fig-gymnastics.com/publicdir/rules/fi les/rg/RG_CoP%202017-2020_updated%20with%20Errata_February%202017_e.pdf.

Debien PB, Noce F, Debien JBP, Costa VT. O stress na arbitragem de Ginástica Rítmica: uma revisão sistemática. Rev Educ Fís UEM. 2014;25:489-500. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/refuem/v25n3/1983-3083-refuem-25-03-00489.pdf

Russell K. Desafios da ginástica: uma visão de 50 anos de experiência como técnico e em ensino. In: Schiavon LM, Bortoleto MAC, Nunomura M, Toledo E, organizadores. Ginástica de alto rendimento.Várzea Paulista: Fontoura, 2014. p. 25-41. Russell K. Desafi os da ginástica: uma visão de 50 anos de experiência como técnico e em ensino. In: Schiavon LM,

Bortoleto MAC, Nunomura M, Toledo E, organizadores. Ginástica de alto rendimento.Várzea Paulista: Fontoura,

p. 25-41.

Moraru A, Memmert D, Kamp J. Motor creativity: the roles of attention breadth and working memory in a divergent doing task. J Cognitive Psychol. 2016;28:1-12. Disponível em: https://www.dshs-koeln.de/fileadmin/redaktion/institute/kognitions_und_sportspielforschung/publikationen/paper/moraru_2016_motor-creativity.pdf.

Domínguez A, Pereira MPD, Vidal AM. The evolution of motor creativity during primary education. J Human Sport Exerc. 2015;10:583-91. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14198/jhse.2015.102.05.

Downloads

Publicado

2021-07-15

Como Citar

Trevisan, P. R. T. da C. ., & Schwartz, G. M. . (2021). Percepção subjetiva sobre criatividade: visão de árbitros e técnicos de Ginástica Rítmica. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 35(2), 321-341. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p321-341

Edição

Seção

Artigos