Predição do baixo desempenho motor por meio de indicadores antropométricos em crianças de oito a 10 anos

Autores

  • Raísa Carvalho da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
  • Geraldo Jose Ferrari Junior Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
  • Fernando Luiz Cardoso Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
  • João Otacilio Libardoni dos Santos Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.
  • Érico Pereira Gomes Felden Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
  • Thaís Silva Beltrame Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p353-362

Palavras-chave:

Habilidade motora, Pontos de corte, Indicadores antropométricos, Criança

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar a capacidade preditiva e possíveis pontos de corte dos indicadores antropométricos na predição do baixo desempenho motor em ambos os sexos. Participaram do estudo 350 escolares (186 meninas e 164 meninos) com idades de oito a 10 anos. Fizeram parte da pesquisa três escolas, sendo duas escolas públicas e uma escola privada localizadas na cidade de Manaus-AM. Os indicadores antropométricos avaliados foram: Índice de Massa Corporal (IMC), Circunferência de Cintura (CC) e Razão Cintura Estatura (RCEst), e para avaliar as tarefas motoras foram utilizados os instrumentos Movement Assessment Battery for Children – Second Edition (MABC-2) e Körperkoordination Test für Kinder (KTK). A curva Receiver Operating Characteristic (ROC) foi utilizada para estimar a capacidade preditiva dos indicadores antropométricos (IMC, CC e RCEst), apontando o melhor ponto de corte para a predição do baixo desempenho motor. Foi possível verificar capacidade preditiva dos indicadores antropométricos no somatório dos quocientes motores no instrumento KTK na amostra geral (p<0,001) e quando a amostra foi estratificada por sexo, houve capacidade preditiva pelo indicador IMC em meninos e meninas (p=0,006 e p=0,012, respectivamente), da mesma forma para o indicador CC (p=0,012 e p<0,001, respectivamente).
O indicador antropométrico RCEst apresentou capacidade preditiva apenas para o sexo feminino (p<0,001). Já no MABC-2 não foram encontradas diferenças significativas. Os indicadores antropométricos (IMC, CC e RCEst) possuem capacidade preditiva em algumas tarefas do KTK, porém não apresentaram predição para o baixo desempenho motor no MABC-2. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Kiphard E, Schilling F. Body coordination test for children. Weinheim: Beltz Test GmbH; 2007.

Henderson SE, Sugden DA, Barnett AL. Movement assessment battery for children: Psychological Corporation London; 1992.

Ulrich DA. The test of gross motor development-3 (TGMD-3): Administration, scoring, and international norms. Spor Bilimleri Dergisi. 2013;24(2):27-33.

D’Hondt E, Deforche B, Gentier I, De Bourdeaudhuij I, Vaeyens R, Philippaerts R, et al. A longitudinal analysis of gross motor coordination in overweight and obese children versus normal-weight peers. Intern J Obesity. 2013;37(1):61.

Jarus T, Lourie-Gelberg Y, Engel-Yeger B, Bart O. Participation patterns of school-aged children with and without DCD. Res Develop Dis. 2011;32(4):1323-31.

Gallahue DL, Ozmun JC, Goodway JD. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos: AMGH Editora; 2013.

de Souza MS, Spessato BC, Valentini NC. Habilidades motoras fundamentais e as possíveis relações com níveis de atividade física, estado nutricional e sexo. ACTA Bras Mov Hum. 2014;4(1):41-51.

Santos MMdA, Ribeiro SML, Pellegrini AM, Rocha PRH, Hiraga CY. Crianças com dificuldades motoras apresentam baixos níveis de aptidão física? Motriz. 2012:748-56.

Zanella LW, Bandeira PFR, de Souza MS, Valentini NC. Há associação entre o desempenho motor e estado nutricional de escolares? Conexões. 2015;13(2):136-48.

Souza MSd, Spessato BC, Valentini NC. Percepção de competência motora e índice de massa corporal influenciam os níveis de atividade física. Rev Bras Cienc Mov. 2014;22(2):78-86.

Engel‐Yeger B, Hanna Kasis A. The relationship between developmental co‐ordination disorders, child’s perceived self‐efficacy and preference to participate in daily activities. Child Care Health Develop. 2010;36(5):670-7.

Liu T, Breslin CM. The effect of a picture activity schedule on performance of the MABC-2 for children with autism spectrum disorder. Res Quarterly Exerc Sport. 2013;84(2):206-12.

da Silva J, Beltrame TS. Indicativo de transtorno do desenvolvimento da coordenação de escolares com idade entre 7 e 10 anos. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;35(1).

Silman A, Cairney J, Hay J, Klentrou P, Faught BE. Role of physical activity and perceived adequacy on peak aerobic power in children with developmental coordination disorder. Hum Mov Sci. 2011;30(3):672-81.

D’Hondt E, Deforche B, Gentier I, Verstuyf J, Vaeyens R, Bourdeaudhuij I, et al. A longitudinal study of gross motor coordination and weight status in children. Obesity. 2014;22(6):1505-11.

Melo MM, Lopes VP. Associação entre o índice de massa corporal e a coordenação motora em crianças. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2013:7-13.

Martins D, Maia J, Seabra A, Garganta R, Lopes V, Katzmarzyk P, et al. Correlates of changes in BMI of children from the Azores islands. Int J Obesity. 2010;34(10):1487.

Valentini N, Ramalho M, Oliveira M. Movement Assessment Battery for Children-2: Translation, reliability, and validity for Brazilian children. Res Develop Dis. 2014;35(3):733-40.

Alvarez BR, Pavan AL, Petroski E. Alturas e comprimentos. Antropometria. 2003;2:59-71.

Cole TJ, Bellizzi MC, Flegal KM, Dietz WH. Establishing a standard definition for child overweight and obesity worldwide: international survey. BMJ. 2000;320(7244):1240.

Cole TJ, Flegal KM, Nicholls D, Jackson AA. Body mass index cut offs to define thinness in children and adolescents: international survey. BMJ. 2007;335(7612):194.

Lopes L, Santos R, Moreira C, Pereira B, Lopes VP. Sensitivity and specificity of different measures of adiposity to distinguish between low/high motor coordination. J Pediatria. 2015;91(1):44-51.

de Deus RKBC, Bustamante A, Lopes VP, Teixeira A, da Silva RMG, Maia JAR. Modelação longitudinal dos níveis de coordenação motora de crianças dos seis aos 10 anos de idade da Região Autônoma dos Açores, Portugal. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2010;24(2):259-73.

Guedes MS, Neto JLC. Avaliação da coordenação motora em crianças e adolescentes com deficiência auditiva: uma revisão sistemática de estudos brasileiros. Conexões. 2015;13(3):114-30.

Berleze A, Haeff ner LSB, Valentini NC. Desempenho motor de crianças obesas: uma investigação do processo e produto de habilidades motoras fundamentais. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2007;9(2):134-44.

Lemos LFC, de David AC, Mota CB. Equilíbrio postural: correlações com desempenho motor e variáveis antropométricas em crianças de 4 a 10 anos de idade. Saúde Des Hum. 2016;4(1):27-36.

Teixeira CS, Alves RF, Pedroso FS. Sistema estomatognático postura e equilíbrio corporal. Salusvita. 2010;29(2):69-81.

Luz LG, Seabra A, Padez C, Duarte JP, Rebelo‐Gonçalves R, Valente‐dos‐Santos J, et al. Perímetro de cintura como mediador da influência da maturação biológica no desempenho de coordenação motora em crianças. Rev Paulista Pediatria. 2016;34(3):352-8.

D’Hondt E, Deforche B, De Bourdeaudhuij I, Lenoir M. Childhood obesity affects fine motor skill performance under diff erent postural constraints. Neurosci Lett. 2008;440(1):72-5.

Lubans DR, Morgan PJ, Cliff DP, Barnett LM, Okely AD. Fundamental movement skills in children and adolescents. Sports Med. 2010;40(12):1019-35.

Downloads

Publicado

2021-08-18

Como Citar

Silva, R. C. da ., Ferrari Junior, G. J. ., Cardoso, F. L. ., Santos, J. O. L. dos, Felden, Érico P. G. ., & Beltrame, T. S. . (2021). Predição do baixo desempenho motor por meio de indicadores antropométricos em crianças de oito a 10 anos. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 35(2), 353-362. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p353-362

Edição

Seção

Artigos