Ações educativas para promoção de atividade física por meio do agente comunitário de saúde: limitações e potencialidades

Autores

  • Erik Vinicius de Orlando Dopp Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Núcleo de Atividade Física, Esporte, e Saúde, Rio Claro, SP, Brasil.
  • Wedson Guimarães Nascimento Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Núcleo de Atividade Física, Esporte, e Saúde, Rio Claro, SP, Brasil.
  • Ana Elisa Messetti Christofoletti Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Núcleo de Atividade Física, Esporte, e Saúde, Rio Claro, SP, Brasil.
  • Priscila Missaki Nakamura Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Núcleo de Atividade Física, Esporte, e Saúde, Rio Claro, SP, Brasil. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Muzambinho, MG, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p363-373

Palavras-chave:

Educação em saúde, Atividade física, Limitações, Potencialidades, Agentes Comunitários de Saúde

Resumo

Objetivou-se investigar limitações e potencialidades existentes a partir de uma ação educativa direcionada à Agentes Comunitários de Saúde para promoção de atividade física em adolescentes. A proposta foi pautada em um curso presencial com 12 módulos, baseado no Programa Geração Movimento. Para as coletas de dados, foi utilizado o relato de experiência, grupo focal e acompanhamento da intervenção por meio do diário de campo. Foi realizada triangulação de dados do conteúdo apresentado e análise de conteúdo a partir da pré análise dos dados, a exploração do material (codificação) e o tratamento dos resultados (categorização). Foram identificadas três categorias, sendo ambiente de trabalho: referente aos achados ligados ao ambiente de trabalho e seus fatores estruturais, burocráticos e de cunho administrativo, evidenciando maior número de limitações; Saberes e formação: referente ao processo de formação dos agentes acerca de conteúdos e da experiência, que apresentaram as maiores potencialidades para as ações; E por fim, ações de educação em saúde: baseando na influência do ambiente de trabalho sobre as práticas, referente a possibilidades
encontradas nas ações de educação em saúde realizadas, por meio de fatores acerca da comunidade e ações desenvolvidas na equipe. Os benefícios apresentados dizem respeito ao aprimoramento do conhecimento dos profissionais envolvidos, em relação ao aconselhamento e a oportunidade de tomadas de iniciativas na comunidade de atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Heal. 2020;4(1):23-35.

Granger E, Di Nardo F, Harrison A, Patterson L, Holmes R, Verma A. A systematic review of the relationship of physical activity and health status in adolescents. Eur J Public Health. 2017;27(2):100-6.

Becker L, Gonçalves P, Reis R. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2016;21(2):110.

Santos LPGS, Fracolli LA. O Agente Comunitário de Saúde: possibilidades e limites para a promoção da saúde. Rev Esc Enferm USP. 2010 Mar;44(1):76-83.

Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde. Ambiente Ativo [Internet]. São Paulo; 2015 [citado 25 jun 2019]. Disponível em: http://www.each.usp.br/gepaf/?page_id=527&lang=pt.

Universidade Federal de Santa Catarina. Projeto Vida Ativa Melhorando a Saúde - VAMOS [Internet]. Santa Catarina; 2016 [citado 25 mai 2019]. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/viewFile/25473/23199.

Benedetti TRB, Schwingel A, Salomão L, Gomez R, Chodzko-Zajko W. Programa “VAMOS” (Vida Ativa Melhorando a Saúde): da concepção aos primeiros resultados. Rev Bras Cineantropometria Desenvolv Hum. 2012;14(6):723-37.

Brasil. Portaria No 198/GM de13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2004; 284:99-119.

Brasil. Ministério da Saúde. Trabalho, Educação e Qualificação [Internet]. Brasília; 2013 [citado 18 jun 2019]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/trabalho-educacao-e-qualificacao/gestao-da-educacao/qualificacao-profissional/40695-politica-nacional-de-educacao-permanente-pneps.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? [Internet]. 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/dezembro/13/Politica-Nacional-de-Educacao-Permanente-em-Saude.pdf.

Costa EF, Andrade DR, Garcia LMT, Ribeiro EHC, Santos TI, Florindo AA. Avaliação da efetividade da promoção da atividade física por agentes comunitários de saúde em visitas domiciliares. Cad Saúde Pública. 2015; 31(10): 2185-2198.

Santos AM, Nóbrega, IKS, Assis MMA, Jesus SR, Kochergin CN, Bispo Júnior JP, et al. Desafios à gestão do trabalho e educação permanente em saúde para a produção do cuidado na estratégia saúde da família. Rev APS. 2015;18(1):39-49.

Sá TH, Velardi M, Florindo AA. Limites e potencialidades da educação dos trabalhadores de saúde da família para promoção da atividade física: uma pesquisa participativa. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2016;30(2):417-426.

Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística. IBGE Cidades [Internet]. Brasília; 2019 [citado 18 jan 2019]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/rio-claro/panorama.

Programa Geração Movimento. Geração movimento. Rio de Janeiro: Instituto Coca Cola, organizador. 2017. p. 1-200. v. 1

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 25. ed. rev. atual. Petrópolis: Vozes, 2007. 108 p.

Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. 244 p.

Bardin L, Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004. 223 p.

Benites LC, Nascimento JV do, Milistetd M, Farias GO. Análise de conteúdo na investigação pedagógica em educação física: estudo sobre estágio curricular supervisionado. Mov. 2015;22(1):35.

Caregnato RC Aquino MR. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto. Enferm. 2006;15(4):679-684.

Freitas LM, Coriolano-Marinus MWDL, Lima LS de, Ruiz-Moreno L. Formação dos agentes comunitários de saúde no município de Altamira (PA), Brasil. ABCS Heal Sci. 2015;40(3).

Garcia ACP, Lima RCD, Galavote HS, Coelho APS, Vieira ECL, Silva RC, et al. Agente comunitário de saúde no Espírito Santo: do perfil às atividades desenvolvidas. Trab Educ Saúde. 2016;15(1):283-300.

Saliba N, Garbin C, Silva F, Prado R. Agente comunitário de saúde: perfil e protagonismo na consolidação da atenção primária à saúde. Cad Saúde Coletiva. 2011;19(3):318-26.

Pedraza DF, Santos I. Perfil e atuação do agente comunitário de saúde no contexto da Estratégia Saúde da Família em dois municípios da Paraíba. Interações Campo Gd. 2017;18(3):97.

Hérick de Sá T. Construção e avaliação de um programa educativo para a promoção de atividade física junto a Equipes de Saúde da Família. Curso de Nutrição em Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo; São Paulo, 2011.

Cardoso FA, Cordeiro VRN, Lima DB, Melo BC, Menezes RNB, Moulaz ALS et al. Capacitação de agentes comunitários de saúde: experiência de ensino e prática com alunos de Enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011;64(5):968-973.

Godoi BB, Alfradique BM, Domingos GP, Brugiolo IF, Louise V, Pessoa S, et al. Capacitação de Agentes Comunitárias de Saúde no Município de Diamantina. Rev Ciência Extensão. 2018;14(1):54-69.

Maia Brasil EG, Amorim DU, Queiroz MVO. Atuação do agente comunitário de saúde no cuidado ao adolescente: Propostas educativas. Adolesc Saude. 2013;10(3):28-35.

Nogueira RP, Silva FB, Ramos ZDVO. A vinculação institucional de um trabalhador “sui generis”: o agente comunitário de saúde. IPEA Texto para discussão. 2000;(735).

Nascimento EPL, Correa CRS. O agente comunitário de saúde: formação, inserção e práticas. Cad Saúde Pública. 2008; 24(6):1304-1313.

Downloads

Publicado

2021-07-15

Como Citar

Dopp, E. V. de O. ., Nascimento, W. G. ., Christofoletti, A. E. M. ., & Nakamura, P. M. . (2021). Ações educativas para promoção de atividade física por meio do agente comunitário de saúde: limitações e potencialidades. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 35(2), 363-373. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i2p363-373

Edição

Seção

Artigos