Efeitos do treinamento funcional sobre a capacidade funcional de cardiopatas isquêmicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2023e37195223

Palavras-chave:

Exercício físico, Desempenho físico funcional, Doenças cardiovasculares, Reabilitação cardíaca

Resumo

O objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos do treinamento funcional (TF) na capacidade funcional (CF) de pacientes de um programa de reabilitação cardíaca (PRC) fase 3. A amostra foi composta por 13 pacientes de ambos os sexos, com idade entre 54 e 81 anos, que obtiveram progressão da fase 2 para a fase 3 em um PRC da cidade de Santa Maria/RS. O TF ocorreu 2 vezes por semana (45 minutos cada sessão) e possuiu duração total de 6 meses (48 sessões), com cada sessão contendo uma parte de aquecimento (5 minutos de caminhada), exercícios funcionais (3 séries de 6 a 7 exercícios, dispostos de forma circular) e desaquecimento (5 minutos de exercícios de flexibilidade e relaxamento). Para as avaliações, foram aplicados os testes Shuttle Run, Tandem Walk Test e o Teste de Caminhada de 6 Minutos, antes do início e após as 48 sessões de TF. Após as reavaliações, foi observado um aumento significativo no desempenho do teste Shuttle Run, enquanto nos testes Tandem Walk Test e Teste de Caminhada de 6 Minutos houve a manutenção do desempenho. É possível concluir que o TF pode promover o incremento da CF de pacientes cardiopatas por meio do aumento da agilidade, assim como manter os níveis de equilíbrio dinâmico e resistência aeróbica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Mundial da Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde. Doenças cardiovasculares. Brasília: OPAS-BR, 2017.

Herdy AH, López-Jiménez F, Terzic CP, et al. Diretriz sulamericana de prevenção e reabilitação cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2014;103:1-31.

Carvalho T, Cortez AA, Ferraz A, Nóbrega ACL, et al. Diretrizes de reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Arq Bras Cardiol. 2006;86:74-82.

Moraes RS, Nóbrega ACL, Castro RRT, et al. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2005;84:431-40.

Ghorayeb N, Stein R, Daher DJ, et al. Atualização da diretriz em cardiologia do esporte e do exercício da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte - 2019. Arq Bras Cardiol. 2019;112:326-68.

Rosa RC. Breve nota sobre o treinamento funcional: visão geral, objetivo e metodologia [dissertação de especialização]. Goiás: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2012.

Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica. 4a ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

Hunsicker, Paul A, Reiff, Guy G. American Alliance for Health Physical Education Recreation: youth fitness test manual - Revised Edition. Washington DC: AAHPER Publications-Sales, 1976.

Pitanga FJG. Testes, medidas e avaliação em educação física e esportes. 4ª ed. São Paulo: Phorte, 2005.

Rooks DS, Kiel DP, Parsons C, Hayes WC. Self-Paced Resistance training and walking exercise in communitydwelling older adults: effects on neuromotor performance. J Gerontol Ser A, Biol Sci Med Sci. 1997;52:161-68.

Hausdorff JM, Nelson ME, Kaliton D, Layne JE, Nuernbenger UM, Singh MA. Etiology and modification of gait instability in older adults: a randomized controlled trial of exercise. J Appl Physiol. 2001;90:2117-29.

Jones J, Rikli R. Measuring functional fitness of older adults. J Active Aging. 2002;1:24-30.

Rodrigues SL, Mendes HF, Viegas CAA. Six minutes walk test: study of the effect of learning in chronic obstructive pulmonary disease patients. J Bras Pneumol. 2004; 30:121-25.

Borg G. Escalas de Borg para a dor e esforço percebido. Barueri: Manole, 2000.

Campos MA, Neto BC. Treinamento funcional resistido: para melhoria da capacidade funcional e reabilitação de lesões musculoesqueléticas. Rio de Janeiro: Revinter, 2004.

Original A, Cotchi H, Muela S, Bassan R, Serra SM. Benefícios da reabilitação cardíaca. Rev Bras Cardiol. 2011;24:241-50.

Santos G, Resende-Neto AG, Cruz AS, et al. Efeitos o treinamento funcional em atividades da vida diária de idosas fisicamente ativas. Motricidade. 2019;15:145-53.

Resende-Neto A. Efeitos dos treinamentos funcional e tradicional sobre a aptidão física e qualidade de movimento de idosas sedentárias [dissertação]. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2017.

Resende-Neto A, Andrade BCO, Santos GV, et al. Influência do treinamento funcional sobre a aptidão física de idosas ativas. Corpoconsciência. 2018;22:49-57.

Bittner V, Weiner DH, Yusuf S, et al. Prediction of mortality and morbidity with a 6-minute walk test in patients with left ventricular dysfunction. SOLVD Investigators. J Am Med Ass. 1993;270:1702-7.

Downloads

Publicado

2023-02-28

Como Citar

Petry, T., Rodrigues, D. R., Barbosa, I. M., Oliveira, J. M. S. de, Franzoni, L. T., & Santos, D. L. dos. (2023). Efeitos do treinamento funcional sobre a capacidade funcional de cardiopatas isquêmicos. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 37, e37195223. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2023e37195223

Edição

Seção

Artigos