Formação inicial e profissional do professor de Educação Física na Educação Infantil: significados de uma residência docente

Autores

  • Marcos Vilas Boas Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.
  • Osvaldo Luiz Ferraz Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2023e37210129

Palavras-chave:

Residência docente, Formação profissional, Professor reflexivo, Estudante-professor, Professor de Educação Física

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar os significados que estudantes-professores de um curso de licenciatura em Educação Física do município de São Paulo atribuem a experiência de uma residência docente na sua formação profissional. Participaram 10 estudantes do 5º e 6º semestres, que cursaram as disciplinas de Educação Física na Educação Infantil I e II. Utilizou-se entrevista com grupo focal (n=5) para a coleta de dados. Empregou-se a Análise de Conteúdo Temático Categorial como referência de análise da estrutura interna das categorias e suas relações. Emergiram 4 categorias da análise dos dados. A análise dos resultados aponta que a experiência desta residência docente foi significativa para a formação profissional dos estudantes-professores à medida que entrelaçavam os aprendizados advindos das disciplinas universitárias às situações e problemas vivenciados na escola campo. Ainda, identifica-se a importância da construção de uma base de conhecimentos profissionais que possibilite ao estudante-professor, frente às demandas que a prática profissional impõe, mobilizar conhecimentos para uma ação contextualizada, permitindo a (re)construção da prática para uma ação que está por vir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Tardif M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes; 2018.

Diniz-Pereira JE. A epistemologia da experiência na formação de professores: primeiras aproximações. Rev Bras Pesqu Formação Docente. 2010;2(2):83-93.

Brasil. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação - PNE. Lei Nº 13.005. Brasília, DF; 2014. [citado 10 dez 2018]. Disponível em: https://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014

Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para Formação de Professores - Resolução nº2, de 1º de julho de 2015. Brasília, DF; 2015.

Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física - Resolução nº 6, de 18º de dezembro de 2018. Brasília, DF; 2018.

Pimenta SG. Formação de professores: identidade e saberes da docência. 6. ed. São Paulo: Cortez; 2008. Capítulo 1, Saberes pedagógicos e atividade docente; p.15-34.

Zeichner KM. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educ. 2010;35(3):479-504.

Ferraz OL. Universidade na escola: a formação em educação física na educação infantil em contato com o ambiente escolar. [tese de livre-docência]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte; 2017. 133p.

Benites LC, Souza Neto S, Hunger D. O processo de constituição histórica das diretrizes curriculares na formação de professores de Educação Física. Educ Pesq. 2008;34(2):343-60.

Borges C. A formação docente em Educação Física em Quebec: saberes espaços, culturas e agentes. Trajetória e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. XIV ENDIPE. Porto Alegre (RS): 2008: 147- 174.

Souza Neto S, Cyrino M, Borges C. O Estágio Curricular Supervisionado como Lócus Central da Profissionalização do Ensino. Rev Port Educ. 2019;32(1):52-72.

Nóvoa A. Entre a formação e a profissão: ensaio sobre o modo como nos tornamos professores. Currículo Front. 2019;19(1)198-208.

Zeichner KM. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa; 1993.

Shön D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa A, Organizador. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote; 1992. p.77-91.

Pimenta SG. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: Pimenta SG, Ghedin E, organizadores. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez; 2012. p. 20-62.

Brookfield SD. Becoming a critically reflective teacher. San Francisco: Jossey-Bass; 1995.

Alarcão I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 4. ed. São Paulo: Cortez; 2005.

Libâneo JC. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: Pimenta SG, Ghedin E, Organizadores. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez; 2012. p.63-93.

Martins, RLDR, Tostes LF, Mello AS. Educação infantil e formação docente: análise das ementas e bibliografias de disciplinas dos cursos de educação física. Movimento. 2018;24(3):705-20.

Pinto RN. A formação de professores para a educação infantil: desafios para a universidade. Pensar Prática. 2001;4:135-48.

Rangel-Betti IC, Galvão Z. Ensino reflexivo em uma experiência no ensino superior em educação física. Rev Bras Ciênc Esporte. 2001;22(3)105-16.

Lacerda CG, Costa MB. Educação física na educação infantil e o currículo da formação inicial. Revi Bras Ciênc Esporte. 2012;34(2)327-41.

Martins RLDR, Barbosa RFM, Mello AS. Educação física e educação infantil: o estado do conhecimento sobre a formação docente. Arq Bras Educ Fís. 2018;1(1)136-56.

Denzin N, Lincoln YS. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Netz SR, Tradução. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

Morgan DL. Focus group as qualitative research. Newbury Park: Sage; 1988.

Nóvoa A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cad Pesq. 2017;47(166):1106-1133.

Marques ACTL, Pimenta SG. É possível formar professores sem os saberes da pedagogia?: uma reflexão sobre docência e saberes. Rev Metalinguagens. 2015;3: 135-56.

Perrenoud, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2001.

Garíglio JA. O papel da formação inicial no processo de constituição da identidade profissional de professores de educação física. Rev Bras Ciênc Esporte. 2010;32(2-4):11-28.

Souza Neto S, Sarti FM, Benites LC. Entre o ofício de aluno e o habitus de professor: os desafios do estágio supervisionado no processo de iniciação à docência. Movimento. 2016;22(1):311-24.

Iza DFV, Benites LC, Sanches Neto L, Cyrino M, Ananias EV, Arnosti RP, et al. Identidade docente: as várias faces da constituição do ser professor. Rev Eletrônica Educ. 2014;8(2)273-92.

Nóvoa A. Formação de Professores e Profissão Docente. Lisboa: Dom Quixote; 1992.

Santos NZ, Almeida FQ, Bracht V. Vida de professores de educação física: o pessoal e o profissional no exercício da docência. Movimento. 2009;15(2):141-65.

Moletta AF, Teixeira FA, Folle A, Nascimento JV, Farias GO, Marinho A. Momentos marcantes do Estágio Curricular Supervisionado na formação de professores de Educação Física. Pensar Prática. 2013;16(3):715-30.

Huberman M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: Nóvoa A, organizador. Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto; 2000. p. 31-61.

Garíglio JA, Reis CG. A dupla vulnerabilidade profissional de professores de Educação Física iniciantes. Currículo sem Fronteiras. 2017;17(2):398-432.

Pimenta SG, Anastasiou, LGC. Docência no Ensino Superior. 2. Ed. São Paulo: Cortez; 2005.

Brasil. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC; 2018. [citado 10 out 2019]. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Garanhani MC. A educação física na escolarização da pequena infância. Pensar Prática. 2002;5:106-22.

Basei AP. A educação física na educação infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança. Rev Iberoamericana Educ. 2008;47(3):1-12.

Guirra FJS, Prodócimo E. Trabalho corporal na educação infantil: afinal, quem deve realizá-lo? Motriz. 2010;16(3):708-13.

Buss-Simão M. Educação física na educação infantil: compartilhando olhares e construindo saberes entre a teoria e a prática. Cad Formação RBCE. 2011;2(1): 9-21.

Buss-Simão M, Fiamoncini L. Educação física na educação infantil: refletindo sobre a possibilidade de trabalho com projetos. Pensar Prática. 2013;16(1):1-319.

Ayoub E. Narrando experiências com a educação física na educação infantil. Rev Bras Ciênc Esporte. 2005;26(3):143-58.

Tonietto MR, Garanhani MC. A cultura infantil e a relação com os saberes da educação física na escola. Movimento. 2017;23(2):517-28.

Marcon D, Graça ABS, Nascimento JV. O conhecimento do contexto na formação inicial em Educação Física. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2013;27(4):633-45.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

Vilas Boas, M., & Ferraz, O. L. (2023). Formação inicial e profissional do professor de Educação Física na Educação Infantil: significados de uma residência docente. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 37, e37210129. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2023e37210129

Edição

Seção

Artigos