Testemunhos de um Trauma Cultural Contemporâneo: Aylan Kurdi e os Deslocamentos Migratórios

Autores

  • Eda Nagayama Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9060.v15isupl.p29-38

Palavras-chave:

Trauma Cultural. Refugiados. Migrantes. Testemunho

Resumo

Os deslocamentos migratórios em direção à Europa são aqui vistos como trauma cultural de uma contemporaneidade líquida, nos termos do sociólogo Zygmunt Bauman. Dentre os mais de um milhão de migrantes em 20151 , somente um menino curdo adquiriu notoriedade, justamente por sua morte: Aylan Kurdi. A imagem de seu corpo afogado em uma praia nas cercanias de Bodrum, Turquia, foi globalmente divulgada, replicada e reapropriada. A releitura da foto original pelo artista chinês Ai Weiwei é investigada como possibilidade de enfrentamento do traumático, ação de chamamento contra o esquecimento e a negação de uma responsabilidade humanitária e moral

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eda Nagayama, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

doutoranda na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2016-09-21

Como Citar

Nagayama, E. (2016). Testemunhos de um Trauma Cultural Contemporâneo: Aylan Kurdi e os Deslocamentos Migratórios. Revista De Cultura E Extensão USP, 15(supl.), 29-38. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9060.v15isupl.p29-38

Edição

Seção

Artigos