Perdas extremas em mercados de risco

Autores

  • Ronaldo A Arraes Universidade Federal do Ceará; CAEN; Programa de Pós-Graduação em Economia
  • Alane S Rocha Universidade Federal do Ceará; Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade; Departamento de Administração

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000300003

Palavras-chave:

Risco Financeiro, Distribuição dos Valores Extremos (TVE), Valor em Risco (VaR), Perdas Extremas

Resumo

Neste artigo, infere-se sobre a distribuição de valores extremos de uma variável aleatória representada pelas severas perdas diárias em investimentos financeiros. A Teoria dos Valores Extremos (TVE) fundamenta a modelagem de eventos gravosos raros, com expressivas conseqüências econômicas associadas a probabilidades muito pequenas de ocorrerem. Uma das grandes preocupações, na análise de riscos, é desenvolver técnicas para prever essas ocorrências excepcionais. Assim, as caudas das distribuições desses eventos raros são importantes para o estudo do risco, tornando a TVE uma ferramenta de grande valia para a estimação mais acurada do risco dessas perdas elevadas. Investigou-se, neste trabalho, a estimação de perdas máximas esperadas para séries financeiras, empregando-se: i) métodos tradicionais, que utilizaram todos os dados amostrais para analisar a variável aleatória em questão e ii) a metodologia dos Valores Extremos, particularmente a da Distribuição Generalizada dos Valores Extremos (DGVE), que utilizou apenas um conjunto de máximos amostrais para a estimação das perdas máximas esperadas. Concluiu-se que os métodos tradicionais subestimaram as perdas esperadas, sobretudo nas proximidades dos limites das caudas das distribuições, e que a DGVE mostrou-se bem mais eficiente na previsão dessas perdas extremas nas séries analisadas: Ibovespa, Merval, Dow Jones.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Como Citar

Arraes, R. A., & Rocha, A. S. (2006). Perdas extremas em mercados de risco . Revista Contabilidade & Finanças, 17(42), 22-34. https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000300003

Edição

Seção

naodefinida