A Governança Corporativa Influencia a Eficiência das Empresas Brasileiras?

Autores

  • Igor Bernardi Sonza Universidade Federal de Santa Maria; Departamento Multidisciplinar
  • Gilberto de Oliveira Kloeckner Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Programa de Pós-Graduação em Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1519-70772014000200005

Resumo

O conflito de interesses entre executivos e proprietários é uma questão amplamente difundida na academia, já documentada em 1932 por Berle e Means, trazendo à tona o clássico conflito de interesses entre agente e principal discutido pela Teoria da Agência. A premissa por trás da governança corporativa é que as pessoas que estão dentro das corporações não necessariamente agem visando o melhor para os provedores de fundos. Partindo deste pressuposto, o trabalho em questão visa verificar a influência dos aspectos de governança corporativa na eficiência das empresas de capital aberto brasileiras. O estudo une técnicas de otimização estática através de Análise Envoltória de Dados (DEA) para identificar a eficiência das empresas de capital aberto, com Dados em Painel para identificar a influência da governança corporativa na eficiência das empresas. Os dados foram coletados manualmente dos relatórios 20-F da Security Exchange Commission (SEC) das empresas brasileiras que possuem American Depositary Receipts (ADRs), já que a base de dados não está disponível, no Brasil, de uma forma completa. Grande parte das hipóteses foi confirmada, evidenciando as condições particulares das finanças corporativas no Brasil no que tange a Governança Corporativa. A incipiência do mercado de capitais brasileiro é percebida em várias análises, ressaltando que o histórico do sistema corporativo brasileiro é um dos limitantes da eficiência das empresas. As condições que prevalecem são: (i) alta sobreposição propriedade-direção; (ii) conselhos de administração de baixa efetividade; (iii) em grupos familiares, os papéis dos acionistas, dos conselhos e da direção não são bem definidos; (iv) existe pouca clareza quanto à relação benefício-custo da boa governança; (v) baixa eficácia dos conselhos de administração; e (vi) indícios de conflitos de interesses, relativizados por incentivos explícitos e implícitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2014-05-01

Como Citar

Sonza, I. B., & Kloeckner, G. de O. (2014). A Governança Corporativa Influencia a Eficiência das Empresas Brasileiras? . Revista Contabilidade & Finanças, 25(65), 145-160. https://doi.org/10.1590/S1519-70772014000200005

Edição

Seção

Artigos