Valores culturais e estilos de aprendizagem dos operadores da contabilidade do setor público brasileiro frente ao processo de adoção das normas internacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.144322

Palavras-chave:

Adoção das IPSAS, Dimensões culturais, Estilos de aprendizagem, Operadores da contabilidade, Comunidade Epistêmica

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar os valores culturais e estilos de aprendizagem dos operadores da contabilidade, que formam a comunidade epistêmica da adoção das IPSAS no Brasil. Utilizou-se a teoria dos valores culturais de Hofstede (1980) e a aprendizagem experiencial de Kolb (1984) na formatação do questionário. Obteve-se uma amostra de 426 respondentes de todos os estados brasileiros. A comunidade epistêmica envolvida no desenho ou ensino das normas (normatizadores) e na operação e adoção (executores federal, estadual e municipal) apresentam valores culturais de distância hierárquica equilibrada, coletivismo, feminilidade, baixa aversão à incerteza e alta orientação de longo prazo. O estilo de aprendizagem é diferente entre executores contábeis nos níveis federal e estadual, quando comparados com o nível municipal. Enquanto no primeiro grupo (federal e estadual) os executores utilizam reflexões abstratas, os executores do segundo grupo (municipal) são propensos a ter um aprendizado baseado em experiências concretas e casos práticos. Na prática das organizações públicas devem ser realizados treinamentos com diferentes concepções de aprendizagem, incluindo as iniciativas de disseminação das IPSAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antipova, T., & Bourmistrov, A. (2013). Is Russian public sector accounting in the process of modernization? An
analysis of accounting reforms in Russia. Financial Accountability & Management, 29(4), 442-478. DOI:
https://doi.org/10.1111/faam.12021

Antonello, C. S., & Schmidt Godoy, A. (2010). A encruzilhada da aprendizagem organizacional: uma visão
multiparadigmática. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 14(2). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/
S1415-65552010000200008

Argyris, C., & Schön, D. (1978). Organizational learning: a theory of action perspective. Reading, Massachusetts:
Addison-Wesley.

Brasil. (2016). Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Avanços Recentes e Perspectivas da
Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade do Setor Público. Brasília: MF/STN.

Benito, B., Brusca, I., & Montesinos, V. (2007). The harmonization of government financial information systems:
the role of the IPSASs. International Review of Administrative Sciences, v. 73, n. 2, p. 293-317. DOI: https://
doi.org/10.1177/0020852307078424

Brusca, I., & Condor, V. (2002). Towards the harmonisation of local accounting systems in the international
context. Financial Accountability & Management, v. 18, n. 2, p. 129-162. DOI: https://doi.org/10.1111/1468-
0408.00148

Cerqueira, T. C. S. (2000). Estilos de aprendizagem em universitários. Belo Horizonte: Cuatiara, v. 34.

Christiaens, J., Vanhee, C., Manes-Rossi, F., Aversano, N., & Van Cauwenberge, P. (2015). The effect of IPSAS
on reforming governmental financial reporting: An international comparison. International Review of
Administrative Sciences, v. 81, n. 1, p. 158-177. DOI: https://doi.org/10.1177/0020852314546580

Diniz, J. A., Silva, S. F. S., Costa Santos, L., & Martins, V. G. (2015). Vantagens da Implantação das IPSAS na
Contabilidade pública brasileira: análise da percepção dos membros do GTCON. Revista de Educação e
Pesquisa em Contabilidade (REPeC), v. 9, n. 3. DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v9i3.1226

Gray, S. J. (1988). Towards a theory of cultural influence on the development of accounting systems internationally. Abacus, v. 24, n. 1, p. 1-15.

Hamann, E. V. (2011). Influência cultural sobre os estilos de aprendizagem dos estudantes de Ciências Contábeis do Distrito Federal: um estudo empírico sobre as abordagens de Hofstede e Kolb. 123 f. Dissertação, Programa
Multi-institucional e Inter-regional de Pós-graduação em Ciências Contábeis, UnB/UFPB/UFRN, Brasília.

Hofstede, G. (1980/1986). Culture’s consequences: international differences in work-related values. London: Sage
Publications.

Hofstede, G. (2001). Culture’s consequences: comparing values, behaviors, institutions, and organizations across
nations. 2. ed. London: Sage Publications.

International Federation of Accountants. (1996). Responding to an increasing demand for accountability in the
public sector. New York: IFAC Quarterly.

Jorge, S. M. F. (2003). Local government accounting in Portugal in comparative-international perspective.
Ph. D Thesis, Department of Accounting and Finance, Birmingham Business School, The University of Birmingham, Birmingham.

Kolb, D. A. (1971). Individual learning styles and the learning process. Massachusetts: Sloan School of
Management.

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey:
Prentice-Hall, Englewood Cliffs.

Kolb, D. A. (1999). Learning style inventory. Version 3. Boston: TRG Hay/McBer.

Kolb, A. Y., & Kolb, D. A. (2005). Learning styles and learning spaces: enhancing experiential learning in higher
education. Academy of Management Learning & Education, v. 4, n. 2, p. 193-212. DOI: http://dx.doi.
org/10.5465/AMLE.2005.17268566

Loo, R. (2004). Kolb’s learning styles and learning preferences: is there a linkage? Educational Psychology, v. 24,
n. 1, p. 99-108. DOI: https://doi.org/10.1080/0144341032000146476

Pina, V., & Torres, L. (2003). Reshaping public sector accounting: an international comparative view. Canadian
Journal of Administrative Sciences/Revue Canadienne des Sciences de l'Administration, v. 20, n. 4, p. 334-
350. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1936-4490.2003.tb00709.x

Pina, V., Torres, L., & Yetano, A. (2009). Accrual accounting in EU local governments: one method, several approaches. European Accounting Review, v. 18, n. 4, p. 765-807. DOI: https://doi.org/10.1080/09638180903118694

Radebaugh, L. H., & Gray, S. J. (1997/2002). International Accounting and Multinational Enterprises. 4. ed. New
York: John Wiley & Sons.

Rodrigues, I. (2010). Cultura e desempenho de equipes de projetos globais: um estudo em empresas multinacionais brasileiras. Tese (Doutorado em Contabilidade) (Doutorado em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Tung, R. (2008). The cross-cultural research imperative: the need to balance cross-national and intra-national
diversity. Journal of International Business Studies, v. 39, p. 41-46. DOI: https://doi.org/10.1057/palgrave.
jibs.8400331

Weffort, E. F. J. (2005). O Brasil e a harmonização contábil internacional: influências dos sistemas jurídico
e educacional, da cultura e do mercado. São Paulo: Atlas, 231 p. Tese (Doutorado em Controladoria e
Contabilidade) – Departamento de Contabilidade e Atuária, FEA-USP

Downloads

Publicado

2019-05-06

Como Citar

Silva Neto, A. F. da, & Silva, J. D. G. da. (2019). Valores culturais e estilos de aprendizagem dos operadores da contabilidade do setor público brasileiro frente ao processo de adoção das normas internacionais. Revista De Contabilidade E Organizações, 13, e144322. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.144322

Edição

Seção

Artigos