Efeitos da rotatividade de pessoal sobre práticas das equipes de contabilidade em municípios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.144691

Palavras-chave:

Rotatividade, Municípios, Reforma contábil, Institucionalização

Resumo

O artigo discute os efeitos da rotatividade de equipes de contabilidade sobre a execução e adoção de práticas executadas por esta equipe em cerca de 2.800 prefeituras brasileiras. Para tal, foram estimados três modelos quantitativos em que a execução de práticas pela equipe de contabilidade (com diferentes graus de complexidade) foi analisada em função da rotatividade de servidores de departamentos de contabilidade. Verificou-se que a rotatividade de equipes de contabilidade nas prefeituras (i) está associada com a troca dos prefeitos; e, (ii) impacta negativamente a execução e adoção de práticas complexas, contudo, o efeito é inverso quando as práticas são consideradas simples. O artigo contribui ao diminuir a significativa falta de evidenciação empírica sobre a rotatividade de cargos técnico-burocráticos, que supostamente seriam predominantemente posições estáveis nas organizações do setor público brasileiro. No contexto da reforma da contabilidade aplicada ao setor público, o artigo discute e traz implicações para a organização dos municípios, órgãos normatizadores e Tribunais de Contas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrews, R., & Boyne, G.A. (2014). Task complexity, organization size, and administrative intensity: The case of
UK universities. Public Administration, 92(3),656–672. DOI: https://doi.org/10.1111/padm.12078

Aquino, A.C.B., & Batley, R.A. (2016). Accounting and Fiscal Reforms in Brazil. In: EGPA Annual Conference.
Utrech.

Aquino, A. C. B. de, & Azevedo, R. R. de. (2015). O “ir”realismo orçamentário nos municípios brasileiros.
Business and Management Review, 5(1), 210–224.

Azevedo, R. R. de. (2016). Resistências ao planejamento de resultados e a lógica orçamentária dominante em
municípios. Tese de doutorado. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo.

Azevedo, R. R. de.; Aquino, A.C.B., Silva, C., & Neves, F. (2017). Efeito da mudança de prazos de adoção
e características das políticas contábeis na reforma da contabilidade patrimonial em municípios. In: X
Congresso de Administração, Sociedade e Inovação. Petrópolis/RJ.

Azevedo, R. R., & Cabello, O. G. (2018). Controle e Transparência Sobre os Gastos Tributários em Municípios
Brasileiros e Sua Relação Com as Transferências Intergovernamentais. In: Congresso USP de Contabilidade.
São Paulo/SP: Universidade de São Paulo.

Becker, S.D., Jagalla, T., & Skærbæk, P.(2014). The translation of accrual accounting and budgeting and the
reconfiguration of public sector accountants’ identities. Critical Perspectives on Accounting, 25(4–5),324–
338. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2013.05.004

Bertholini, F., & Pereira, C. (2017). Pagando o Preço de Governar: Custos de Governabilidade no Presidencialismo de Coalizão Brasileiro. Revista de Administração Pública, 51(4),528–550. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-
7612154969

Câmara dos Deputados. (2008). Responsabilidade da Gestão Pública: os desafios dos municípios. Linhares, J.
(relator). Brasília.

Campos, C.V. de A, & Malik, A.M. (2008). Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de
Saúde da Família. Revista de Administração Pública, 42(2), 347–368. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-
76122008000200007

Carley, K.(1992). Organizational Learning and Personnel Turnover. Organization Science, 3(1),20–46.

Carneiro, A.F., & Neto, J.M.S. (2015). Competências essenciais dos profissionais contábeis em face da nova
contabilidade pública sob a perspectiva dos contadores de Rondônia. Gestão, Finanças e Contabilidade,
5(3),100–122. DOI: http://dx.doi.org/10.18028/2238-5320/rgfc.v5n3p100-122

Cavalcante, P., Lotta, G.S., & Oliveira, V. E. de. (2018). Do insulamento burocrático à governança democrática:
as transformações institucionais e a burocracia no Brasil. In: Burocracia e políticas públicas no Brasil:
interseções analíticas (p. 59–83). Brasília: Ipea.

CNM. (2018). Atenção: cadastro da Dívida Pública pode levar centenas de Municípios ao Cauc. Disponível em:
<https://www.cnm.org.br/comunicacao/noticias/atencao-cadastro-da-divida-publica-pode-levar-centenas-de-
municipios-ao-cauc>. Acesso em nov/2018.

DiMaggio, P.J. (1988). Interest and agency in institutional theory. In: L.G.Zucker (Ed.), Institutional patterns and
culture (p.3–22). Cambridge: Ballinger Publishing Company.

Diniz, J.A., Silva, S.F.S., Santos, L.C., & Martins, V.G. (2015). Vantagens da Implantação das Ipsas na Contabilidade
Pública Brasileira: Análise da percepção dos membros do GTCON. Revista de Educação e Pesquisa Em
Contabilidade, 9(3),275–294. DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v9i3.1226

Greenwood, R., & Hinings, C.R. (1996). Understanding radical organizational change: Bringing together the old
and the new institutionalism. Academy of Management Review, 21(4), 1022–1054. DOI: https://www.jstor.
org/stable/259163

Hair, J.F., Black, W.C., Babin, B.J., Anderson, R.E., & Tatham, R.L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto
Alegre: Bookman Editora.

Haunschild, P., & Chandler, D. (2008). Institutional-Level Learning: Learning as a Source of Institutional Change.
In R. Greenwood, C. Oliver, K. Sahlin, & R. Suddaby (Eds.), Handbook of Organizational Institutionalism
(Vol.1, p.624–649). London: Sage.

Jacob, A.M., & Santos, M.E. (2015). Plano de contas aplicado ao setor público: desafios e benefícios. Revista
Técnica CNM. Brasília: Confederação Nacional dos Municípios.

Júnior, J.J.B.S., Pereira, D.M.V.G., & Lopes, J.E.G. (2008). Análise das habilidades cognitivas requeridas dos
candidatos ao cargo de contador na Administração Pública Federal, utilizando-se indicadores. Revista de
Contabilidade e Finanças, 19(46),108–121. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772008000100009

Lino, A.F., & Aquino, A.C.B. (2018). A diversidade dos Tribunais de Contas regionais na auditoria de governos.
Revista de Contabilidade & Finanças, 29(76),26–40. DOI: https://doi.org/10.1590/1808-057x201803640

Lino, A.F., Carvalho, L.B. de, Aquino, A.C.B., & Azevedo, R.R. (2019). A falta de trabalho institucional e
mudanças organizacionais incompletas em municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 53(2),
375–391. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-761220170404

Lopez, F.G., Bugarin, M., & Bugarin, K. (2015). Mudanças político-partidárias e rotatividade dos cargos de
confiança (1999-2013). In: Lopes, F.G.(Ed.), Cargos de confiança no presidencialismo de coalização brasileiro
(pp.33–70). Brasília: IPEA.

Meier, K.J., & Hicklin, A. (2008). Employee turnover and organizational performance: Testing a hypothesis from
classical public administration. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(4),573–590. DOI:
https://doi.org/10.1093/jopart/mum028

Nogueira, F.A. (2006). Continuidade e Descontinuidade Administrativa em Governos Locais: Fatores que
sustentam a ação pública ao longo dos anos. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

Oliver, C. (1991). Strategic Responses to Institutional Processes. Academy of Management Review, 16(1),145–
179. DOI: https://www.jstor.org/stable/258610

Oliver, C. (1992). The Antecedents of Deinstitutionalization. Organization Studies, 13(14),563-588. DOI: https://
doi.org/10.1177/017084069201300403

Oliver, C. (1997). Sustainable Competitive Advantage: Combining Institutional and Resource-Based Views. Strategic Management Journal, 18(9),697–713. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1097-
0266(199710)18:9<697::AID-SMJ909>3.0.CO;2-C

Price, J.L. (1977). The Study of Turnover. Iowa: Iowa State University Press.

Ravanello, M., Marcuzzo, J. L., & Frey, M. R. (2015). Análise da adequação dos municípios às normas brasileiras
de contabilidade aplicadas ao setor público. Revista do CEPE, 42, 114–131. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/
cepe.v0i42.4818

Sasso, M. (2017). Adoção das normas de contabilidade oriundas do processo de convergência às IPSAS: respostas estratégicas de governos estaduais. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo.
Schedler, A., & Santiso, J. (1998). Democracy and Time: An Invitation. International Political Science Review,
19(1),5–18.

Spink, P. (1987). Continuidade e descontinuidade em organizações públicas: um paradoxo democrático. Cadernos FUNDAP, 7(13),57–65.

STN.(2018). Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 8a edição. Disponível em: <http://www.tesouro.
fazenda.gov.br/mcasp>. Acesso em dez/2018.

Suddaby, R., & Greenwood, R. (2009). Methodological issues in researching institutional change. The Sage
Handbook of Organizational Research Methods,176–195.

Tolbert, P.S., & Zucker, L.G. (1983). Institutional Sources of in the Formal Change Structure of Organizations: The
Diffusion of Civil Service Reform, 1880-1935. Administrative Science Quarterly, 28(1),22–39. DOI: https://
www.jstor.org/stable/2392383

Zonatto, V.S. (2011). Fatores determinantes para a adoção de padrões internacionais de contabilidade no Brasil: uma investigação em empresas públicas e privadas do setor de energia. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(12),26–47. DOI: https://doi.org/10.11606/rco.v5i12.34793

Downloads

Publicado

2019-04-26

Como Citar

Azevedo, R. R. de, Lino, A. F., & Diniz, J. A. (2019). Efeitos da rotatividade de pessoal sobre práticas das equipes de contabilidade em municípios. Revista De Contabilidade E Organizações, 13, e144691. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.144691

Edição

Seção

Artigos