Os Tribunais de Contas na interpretação da Lei de Responsabilidade Fiscal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.145151

Palavras-chave:

Instituições, Mudança institucional, Tribunais de contas, Lei de Responsabilidade Fiscal, Contabilidade Criativa

Resumo

O trabalho analisa as interpretações dadas à Lei de Responsabilidade Fiscal nos 19 anos de sua implantação. Como uma instituição que procura regular a gestão fiscal de governos por todo o País, parte significativa da coerção da Lei no nível regional e local cabe aos Tribunais de Contas de Estados e Municípios. Adotou-se o modelo teórico de mudança institucional de Mahoney e Thelen (2009), com evidências coletadas por questionário, para dar uma primeira explicação para a mudança incremental na legislação fiscal. A Lei de Responsabilidade Fiscal tem sido interpretada pelos órgãos de auditoria, de tal forma que, em alguns casos, surgem práticas de contabilidade criativa, diminuindo a contenção do gasto excessivo e gerando sobre-endividamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aquino, A. C. B. de., Azevedo, R. R. D., & Lino, A. F. (2016). Isomorfismo, Tribunais de Contas e a automatização
da coleta de dados de municípios. In: Anais do XVI Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São
Paulo, SP, Brasil.

Aquino, A. C. B. de, & Azevedo, R. R. D. (2017). Restos a pagar e a perda da credibilidade orçamentária. Revista
de Administração Pública, 51(4), 580-595. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612163584

Azevedo, R. R., & Lino, A. F. (2018). O distanciamento entre as Normas de Auditoria e as práticas nos Tribunais de
Contas. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 13(2), 9-27. DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i2.13665

Ayres, L., Kavanaugh, K., & Knafl, K. A. (2003). Within-case and across-case approaches to qualitative data
analysis. Qualitative health research, 13(6), 871-883. DOI: https://doi.org/10.1177/1049732303013006008

Brasil (2016). Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Boletim das Finanças Públicas dos Entes
Subnacionais. Disponível em: <http://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/0/Boletim+de+Finan
cas+P%C3%BAblicas+dos+Entes+Subnacionais/107970b4-9691-4263-a856-b37d655b42b2>. Acesso em:
11 abr. 2017.

Carvalho, C., & Schmitt, G. (2017). TCU e TCEs têm 41 integrantes investigados. O Globo, 26/6/2017. Disponível
em: https://oglobo.globo.com/brasil/tcu-tces-tem-41-integrantes-investigados-21518437. Acesso em
5/7/2017.

Castro, A. L. B. D., & Machado, C. V. (2012). A política federal de atenção básica à saúde no Brasil nos anos 2000.
Physis: revista de saúde coletiva, 22, 477-506. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312012000200005

Cruz, C. F., & Afonso, L. E. (2018). Responsabilidade na Gestão Fiscal: um estudo em grandes municípios com
base nos pilares da Lei de Responsabilidade Fiscal. Revista de Administração Pública, 52(1). DOI: http://
dx.doi.org/10.1590/0034-7612165847

Ferreira Júnior, S. (2006). As finanças públicas nos estados brasileiros: uma avaliação da execução orçamentária,
no período de 1995 a 2004. Tese de Doutorado em Economia Aplicada. Universidade Federal de Viçosa.

Giambiagi, F.; Mora, M. (2007). Federalismo e endividamento subnacional: uma discussão sobre a sustentabilidade da dívida estadual. Revista de Economia Política, v. 27, p. 3. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31572007000300009.

Gourevitch, Peter (1986). Politics in Hard Times – Comparative Responses to International Economic Crises.
Ithaca and London. Cornell University Press.

Grin, E. J. (2014). Trajetória e avaliação dos programas federais brasileiros voltados a promover a eficiência
administrativa e fiscal dos municípios. Revista de Administração Pública, 48(2), 459-480. DOI: http://dx.doi.
org/10.1590/0034-76121399

Hidalgo, F. D., Canello, J., & Oliveira, R. L. de (2016). Can politicians police themselves? Natural experimental
evidence from Brazil’s audit courts, Comparative Political Studies, v. 49, n. 13, p. 1739-1773. DOI: https://
doi.org/10.1177/0010414015626436

Lino, A. F., & Aquino, A. C. B. D. (2018). A diversidade dos Tribunais de Contas regionais na auditoria de governos.
Revista Contabilidade & Finanças-USP, 29(76), 26-40. DOI: https://doi.org/10.1590/1808-057x201803640

Loureiro, M. R., Teixeira, M. A. C., & Moraes, T. C. (2009). Democratização e reforma do Estado: o desenvolvimento institucional dos tribunais de contas no Brasil recente. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 4.

Mahoney, J., & Thelen, K. (2009). A Theory of Gradual Institutional Change, Explaining institutional change:
ambiguity, agency, and power. Cambridge University Press.

Nunes, S. P. P., Nunes, R. C., & Marcelino, G. (2017). O Regime Contábil nos Demonstrativos de Resultado Fiscal
no Brasil: uma visão crítica. Anais do 3o Congresso UnB de Contabilidade e Governança, Brasília, DF, Brasil.

Rodrigues, M. A. D. S. (2011) Conversão institucional na reforma da segurança pública no Brasil. Tese de
Doutorado, Universidade de São Paulo.

Santiso, C. (2009). The political economy of government auditing: financial governance and the rule of law in
Latin America and beyond. Routledge.

Santos, J. de C. (2005). Sustentabilidade fiscal dos estados e municípios de capitais no Brasil: uma análise com
dados de painel para o período 1995-2004. 74 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade de Brasília, Brasília.

Publicado

2019-04-26

Como Citar

Nunes, S. P. P., Marcelino, G. F., & Silva, C. A. T. (2019). Os Tribunais de Contas na interpretação da Lei de Responsabilidade Fiscal. Revista De Contabilidade E Organizações, 13, e145151. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.145151

Edição

Seção

Artigos