Aprovação de contas municipais com irregularidades gravíssimas: quando a auditoria técnica não é suficiente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2018.149212

Palavras-chave:

Auditoria, Contabilidade pública, Controle externo, Influência política

Resumo

O estudo analisa a dinâmica dos votos de relatores e conselheiros no plenário do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Eventuais irregularidades nas contas municipais de governos são apontadas no relatório de auditoria, que então segue para a análise do Ministério Público de contas para ser relatado e votado em plenário. Identificou-se um processo de reversão dos apontamentos da auditoria, reduzindo a propensão à reprovação das contas mesmo na presença de irregularidades gravíssimas. O voto do relator tem uma grande influência no resultado da votação do pleno, e o fato do relator ser indicado politicamente implica na redução da probabilidade de reprovação das contas nestes casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Adriana Azambuja, Fucape Business School

Mestre em Ciências Contábeis

Aridelmo Teixeira, Fucape Business School

Doutor em Controladoria e Contabilidade

Silvania Neris Nossa, Fucape Business School

Doutora em Ciências Contábeis e Administração

Publicado

2018-12-29

Como Citar

Azambuja, P. A., Teixeira, A., & Nossa, S. N. (2018). Aprovação de contas municipais com irregularidades gravíssimas: quando a auditoria técnica não é suficiente. Revista De Contabilidade E Organizações, 12, e149212. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2018.149212

Edição

Seção

Artigos