Padrões discursivos sobre corrupção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.152220

Palavras-chave:

Gestor público, Regionalidade, Corrupção

Resumo

A subjetividade e a percepção que levam à interpretação de atos de corrupção são pouco considerados nos estudos nacionais sobre o fenômeno. O objetivo desta pesquisa é explorar as interpretações de gestores públicos federais e estaduais sobre ‘corrupção’ para identificar possíveis de padrões regionais. Foram realizadas vinte entrevistas com gestores atuantes na gestão federal e estadual de Saúde e Educação no estado de Minas Gerais, lotados no município de Uberlândia. A partir de análise de conteúdo, foram levantados três padrões distintos na fala dos gestores públicos entrevistados: o coronelismo/mandonismo, o patrimonialismo, e o clientelismo. As evidências encontradas nas falas dos entrevistados indicam que potencialmente a formação cultural da região de Uberlândia pode contribuir para a perpetuação da corrupção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alcadipani, R., & Crubellate, J. M. (2003). Cultura organizacional: generalizações improváveis e conceituações
imprecisas. Revista de Administração de Empresas, 43(2), 64-77. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-
75902003000200005.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barr, A., & Serra, D. (2010). Corruption and culture: An Experimental Analysis. Journal of Public Economics, 94
(11–12), 862–869. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jpubeco.2010.07.006.

Barros, B. T., & Prates, M. A. S. (1996). O Estilo brasileiro de administrar. São Paulo: Atlas.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis,
RJ: Vozes.

Borges de Freitas, A. (1997). Traços para uma análise organizacional. In: Prestes Motta, F. & Caldas, M. Cultura
organizacional e cultura brasileira. São Paulo : Atlas.

Borini, F. M., & Grisi, F. C. (2009). A corrupção no ambiente de negócios: survey com as micro e pequenas
empresas da cidade de São Paulo. Revista de Gestão USP, 44(2), 102-117.

Brei, Z. A. (1996). Corrupção: dificuldade para definição e para um consenso. Revista de Administração Pública,
30(1), 64-77.

Carvalho, J. M. de. (1997). Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. Dados, 40(2).
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52581997000200003.

Connelly, B S., & Ones, D. S. (2008). The Personality of Corruption a National-Level Analysis. Cross-Cultural
Research, 42(4), 353-385. DOI: https://doi.org/10.1177/1069397108321904.

Damatta, R. (1978). Carnavais, Malandros e Heróis, para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro:
Rocco.

Damatta, R. (1984). O que faz o Brasil, Brasil? : Rio de Janeiro: Rocco.

Faoro, R. (2001). Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo.

Fisman, R, & Miguel, E. (2007). Corruption, norms, and legal enforcement: evidence from diplomatic parking
tickets. Journal of Political Economy, 115(6), 1020–1048. DOI: http://dx.doi.org/10.3386/w12312.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Folha de São Paulo. (2015). Entenda a Operação Zelotes da Polícia Federal. Disponível em: < https://www1.
folha.uol.com.br/mercado/2015/04/1611246-entenda-a-operacao-zelotes-da-policia-federal.shtml >. Acesso
em: 17 mai. 2017.

Freyre, G. (2004). Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal.
São Paulo: Global.

Gil, A. C.; Oliva, E. de C., & Silva, E. C. da. (2007). Desenvolvimento da Regionalidade: Novo Campo da
Administração. In: XXXI Encontro Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro: ANPAD.

Heckenberger, M. J. (2002). Rethinking the Arawakan Diaspora: Hierarchy, Regionality and the Amazonian
Formative. In: Mill, J. D., & Santos-Granero, F. (ED) Comparative Arawakan Histories. Rethinking Language
Family and Culture Area in Amazonia. Illinois, USA: University of Illinois.

Holanda, S. B. de. (2009). Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Cia das Letras.

Hofstede, G. (1997). Cultures and organizations. New York: McGraw Hill.

Husted, B. W. (1999). Wealth, Culture, and Corruption. Journal of International Business Studies, 30(2), 339-359.
DOI: https://doi.org/10.1057/palgrave.jibs.8490073.

Melo, F. L. N. B.; Sampaio, L. M. B., & Oliveira, R. L. (2015). Corrupção Burocrática e Empreendedorismo: Uma
Análise Empírica dos Estados Brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 19(3), 374-397. DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac20151611.

Mesquita, N; Moises, J. A., & Eldasi, G. (2015). O projeto corrupteca. uma ferramenta analítica para a análise do
fenômeno da corrupção. Media e Jornalismo, 14(26), 65-76.

Ministério Público Federal.(2017). Caso Lava Jato: Entenda o Caso. Disponível em: < http://www.mpf.mp.br/
para-o-cidadao/caso-lava-jato/entenda-o-caso>. Acesso:17 mai. 2017.

Paes de Paulo, A. P. (2006). Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Ribeiro, D. (2006). O Povo Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras.

Pozenato, J. C. (2001). Algumas considerações sobre região e regionalidade. In: Feltes, H. P. M., & Zilles, U.
(org). Filosofia: Diálogos de Horizontes, 583-593. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Rodrigues, R, P; Milfont, T, L; Ferreira, M, C; Porto, J, B, & Fischer, R. (2011). Brazilian jeitinho: Understanding
and explaining an indigenous psychological constructo. Revista Interamericana de Psicología/Interamerican
Journal of Psychology, 45(1), 27-36.

Santos, R. A.; Guevara, A. J. H., & Amorim, M. C. S. (2013). Corrupção nas organizações privadas: análise da
percepção moral segundo gênero, idade e grau de instrução. Revista de Administração da USP, 48(1), 53-66.
DOI: http://dx.doi.org/10.5700/rausp1073.

Schwarcz, L. M, & Starling, H. M. (2015). Brasil: Uma Biografia. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.
Silveira, D. B. da. (2006). Patrimonialismo e burocracia: uma análise sobre o poder judiciário na formação do
estado brasileiro. 301 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade de Brasília, Brasília.

Taylor, P. J. (2004). Regionality in the world city network. International Social Science Journal, 56(181), 361–
372. DOI: https://doi.org/10.1111/j.0020-8701.2004.00499.x.

Torsello, D, & Vernard, B. (2015). The Anthropology of Corruption. Journal of Management Inquiry, 25(1), 1-21.
DOI: https://doi.org/10.1177/1056492615579081.

Downloads

Publicado

2019-05-31

Como Citar

Medeiros, C. R. de O., & Freitas Júnior, L. R. de. (2019). Padrões discursivos sobre corrupção. Revista De Contabilidade E Organizações, 13, e152220. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.152220

Edição

Seção

Artigos