Influência do isomorfismo institucional na aceitação do orçamento mediada pelas finalidades de planejamento e diálogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2021.174004

Palavras-chave:

Finalidades do orçamento, Aceitação do Orçamento, Teoria Institucional, Isomorfismo Institucional

Resumo

O estudo teve como objetivo examinar a influência do isomorfismo institucional na aceitação do orçamento, mediada pelas finalidades do artefato.  Realizou-se uma survey com  gerentes das empresas do setor farmacêutico vinculadas ao Guia da Farmácia com amostra de 147 respostas válidas. Para a análise de dados e teste de hipóteses foi utilizada a Modelagem de Equações Estruturais pelos mínimos quadrados parciais. Os resultados apontam que os fatores coercitivos, miméticos e normativos advindos do ambiente levam a uma maior utilidade do artefato no contexto estudado. Aponta-se também para a influência positiva e significativa das finalidades de planejamento e a resposta estratégica de aceitação. O isomorfismo institucional ainda apresentou influência positiva e significativa na aceitação do orçamento. Encontrou-se ainda a mediação parcial das finalidades do orçamento na relação entre isomorfismo institucional e a resposta estratégica de aceitação. Infere-se que para uma maior aceitação faz-se relevante, além de utilizar o artefato para responder as pressões institucionais, dar utilidade às finalidades do orçamento nas atividades cotidianas da empresa. Como contribuições a teoria, o estudo reforça a complementaridade entre as proposições de isomorfismo institucional de DiMaggio e Powell (1983) e o modelo de respostas estratégicas propostas por Oliver (1991), trazendo a utilização do modelo para a literatura orçamentária. Aponta-se também a inclusão das finalidades do orçamento como variável mediadora na relação entre o isomorfismo institucional e a aceitação do orçamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amans, P., Mazars-Chapelon, A., & Villesèque-Dubus, F. (2015). Budgeting in institutional complexity: The case of performing arts organizations. Management Accounting Research, 27, 47-66. DOI: https://doi.org/10.1016/j.mar.2015.03.001

Arnold, M. C., & Gillenkirch, R. M. (2015). Using negotiated budgets for planning and performance evaluation: an experimental study. Accounting, organizations and society, 43, 1-16. DOI: https://doi.org/10.1016/j.aos.2015.02.002

Baron, R. M., & Kenny, D. A. (1986). The moderator–mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of personality and social psychology, 51(6), 1173.

Brandau, M., Endenich, C., Trapp, R., & Hoffjan, A. (2013). Institutional drivers of conformity–Evidence for management accounting from Brazil and Germany. International Business Review, 22(2), 466-479. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ibusrev.2012.07.001

Brandau, M., Hoffjan, A., & Wömpener, A. (2014). The globalisation of a profession: comparative management accounting in emerging and developed countries. European Journal of International Management 6, 8(1), 73-105. DOI: https://doi.org/10.1504/EJIM.2014.058485

Covaleski, M., Evans III, J. H., Luft, J., & Shields, M. D. (2003). Budgeting research: three theoretical perspectives and criteria for selective integration. Handbooks of management accounting research, 2, 587-624. DOI: https://doi.org/10.2308/jmar.2003.15.1.3

DiMaggio, P., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: Collective rationality and institutional isomorphism in organizational fields. American sociological review, 48(2), 147-160.

Ekholm, B. G., & Wallin, J. (2011). The impact of uncertainty and strategy on the perceived usefulness of fixed and flexible budgets. Journal of Business Finance & Accounting, 38(1‐2), 145-164. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-5957.2010.02228.x

Fávero, L.P. (2017). Análise de Dados: Técnicas multivariadas exploratórias com SPSS e Stata. Elsevier Brasil.

Frezatti, F., Braga de Aguiar, A., & José Rezende, A. (2007). Strategic responses to institutional pressures, and success in achieving budget targets: A survey at a multinational company. International Journal of Accounting & Information Management, 15(2), 50-66. DOI: https://doi.org/10.1108/18347640710837353

Gomes, R. D. P., Pimentel, V. P., Cardoso, M. L., & Pieroni, J. P. (2014). O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Guerreiro, M. S., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2012). Voluntary adoption of International Financial Reporting Standards by large unlisted companies in Portugal–Institutional logics and strategic responses. Accounting, Organizations and Society, 37(7), 482-499. DOI: https://doi.org/10.1016/j.aos.2012.05.003

Guerreiro, R., Pereira, C. A., Rezende, A. J., & Aguiar, A. B. D. (2010). Fatores determinantes do processo de institucionalização de uma mudança na programação orçamentária: uma pesquisa ação em uma organização brasileira. Revista de contabilidade do mestrado em ciências contábeis da UERJ, 10(1).

Hair Jr, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. (2014). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). Sage Publications.

Hansen, S. C., Otley, D. T., & Van der Stede, W. A. (2003). Practice developments in budgeting: an overview and research perspective. Journal of management accounting research, 15(1), 95-116. DOI: https://doi.org/10.2308/jmar.2003.15.1.95

Hansen, S. C., & Van der Stede, W. A. (2004). Multiple facets of budgeting: an exploratory analysis. Management accounting research, 15(4), 415-439. DOI: https://doi.org/10.1016/j.mar.2004.08.001

Judge, W., Li, S., & Pinsker, R. (2010). National adoption of international accounting standards: An institutional perspective. Corporate Governance: An International Review, 18(3), 161-174. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-8683.2010.00798.x

Kihn, L. A. (2011). How do controllers and managers interpret budget targets?. Journal of Accounting & Organizational Change, 7(3), 212-236. DOI: https://doi.org/10.1108/18325911111164187

Libby, T., & Lindsay, R. M. (2010). Beyond budgeting or budgeting reconsidered? A survey of North-American budgeting practice. Management accounting research, 21(1), 56-75. DOI: https://doi.org/10.1016/j.mar.2009.10.003

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American journal of sociology, 83(2), 340-363.

Mucci, D.M., Frezatti, F., & Dieng, M. (2016). As múltiplas funções do orçamento empresarial. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 20(3). DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2016140121

Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of management review, 16(1), 145-179. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.1991.4279002

Otley, D. (1999). Performance management: a framework for management control systems research. Management accounting research, 10(4), 363-382. DOI: https://doi.org/10.1006/mare.1999.0115

Oyadomari, J. C., de Mendonça Neto, O. R., Cardoso, R. L., & Lima, M. P. (2008b). Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle gerencial nas empresas brasileiras: um estudo exploratório sob a ótica da teoria institucional. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 55-70.

Ozdil, E., & Hoque, Z. (2017). Budgetary change at a university: A narrative inquiry. The British Accounting Review, 49(3), 316-328. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bar.2016.09.004

Pereira, A. J. P., & Gomes, J. S. (2017). Um estudo das estratégias de internacionalização das indústria farmacêutica brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 11(29), 68-79.

Piccoli, M. R., Warken, I. L. M., Lavarda, C. E. F., Mazzioni, S., & da Silva Carpes, A. M. (2014). Os múltiplos usos do orçamento em empresas catarinenses. Unoesc & Ciência-ACSA, 5(2), 195-206.

PWC. (2018) O Setor farmacêutico no Brasil. PDF. São Paulo.

Ringle, C. M., Da Silva, D., & Bido, D. D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 56-73. DOI: 10.5585/remark.v13i2.2717

Russo, P. T., Parisi, C., & Pereira, C. A. (2016). Evidências das forças causais críticas dos processos de institucionalização e desinstitucionalização em artefatos da contabilidade gerencial. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(30), 2.

Santos, M. B., Scherer, F. L., Piveta, M. N., Moura Carpes, A., & Oliveira, M. C. S. F. (2017). Respostas estratégicas às pressões institucionais para sustentabilidade no setor moveleiro. Revista eletrônica de estratégia & negócios, 10(2), 100-124. DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v10e22017100-124

Sindusfarma (2018). Perfil da indústria e aspectos relevantes do setor. PDF. São Paulo.

Sivabalan, P., Booth, P., Malmi, T., & Brown, D. A. (2009). An exploratory study of operational reasons to budget. Accounting & Finance, 49(4), 849-871. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-629X.2009.00305.x

Tolbert, P. S., & Zucker, L. G. (1999). The institutionalization of institutional theory. Studying Organization. Theory & Method. London, Thousand Oaks, New Delhi, 169-184.

Wijethilake, C., Munir, R., & Appuhami, R. (2017). Strategic responses to institutional pressures for sustainability: The role of management control systems. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 30(8), 1677-1710.

Publicado

2021-05-17

Como Citar

Luz, I. P. da, & Lavarda, C. E. F. (2021). Influência do isomorfismo institucional na aceitação do orçamento mediada pelas finalidades de planejamento e diálogo. Revista De Contabilidade E Organizações, 15, e174004. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2021.174004

Edição

Seção

Artigos