Níveis diferenciados de governaça corporativa e grau de conservadorismo: estudo empírico em companhias abertas listadas na Bovespa

Autores

  • Rodrigo Simonassi Scalzer FUCAPE
  • Juan Carlos Goes de Almeida FUCAPE
  • Fábio Moraes da Costa FUCAPE

DOI:

https://doi.org/10.11606/rco.v2i2.34709

Palavras-chave:

Níveis de Governança Corporativa, Conservadorismo, Companhias Abertas

Resumo

Neste trabalho, procurou-se identificar se o grau de conservadorismo utilizado pelas empresas que fazem parte dos níveis diferenciados de governança corporativa é diverso/diferente do conservadorismo utilizado pelas demais empresas. Como modelo, aplicou-se o de Basu (1997), que visa identificar a existência de assimetria de reconhecimento entre as notícias boas e as notícias ruins, utilizando, para tanto, o retorno econômico das ações. O conservadorismo é uma ferramenta utilizada pela contabilidade com o objetivo de fazer com que as informações contábeis sejam mais confiáveis, tornando a informação menos otimista. Os dados coletados correspondem ao período de 2000 a 2004 e os resultados demonstram que o grau de conservadorismo utilizado pelas empresas que possuem níveis diferenciados de governança corporativa (companhias listadas no Nível 1, no Nível 2 ou no Novo Mercado) é maior do que grau utilizado pelas demais companhias listadas na Bovespa, que não possuem títulos elencados em tais níveis. Como contribuição desta pesquisa, foi possível observar que a contabilidade, utilizando mecanismos como o conservadorismo, pode influenciar os resultados contábeis e, portanto, os resultados encontrados confirmam a existência da assimetria de reconhecimento das notícias boas e notícias ruins no mercado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-04-01

Como Citar

Scalzer, R. S., Almeida, J. C. G. de, & Costa, F. M. da. (2008). Níveis diferenciados de governaça corporativa e grau de conservadorismo: estudo empírico em companhias abertas listadas na Bovespa. Revista De Contabilidade E Organizações, 2(2), 117-130. https://doi.org/10.11606/rco.v2i2.34709

Edição

Seção

Artigos