Gerenciamento dos riscos operacionais: os métodos utilizados por uma cooperativa de crédito

Autores

  • Isis de Castro Amaral Universidade Federal de Viçosa
  • Mateus de Carvalho Reis Neves Universidade Federal de Viçosa
  • Alan Ferreira de Freitas Universidade Federal de Viçosa
  • Marcelo José Braga Universidade Federal de Viçosa; Centro de Ciências Agrárias; Departamento de Economia Rura

DOI:

https://doi.org/10.11606/rco.v3i7.34752

Palavras-chave:

Análise de Risco, Cooperativismo de Crédito, Riscos Financeiros

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar se as cooperativas de crédito têm buscado desenvolver mecanismos de gerenciamento do risco operacional que sejam compatíveis com suas especificidades. O risco operacional refere-se ao risco de perda resultante de uma falha ou de um inadequado processo interno de controle, podendo ser gerado pelo homem, pelo sistema ou por eventos externos. O gerenciamento desse risco possibilita criar informações quantitativas e qualitativas para cada área da organização, integrando o risco operacional com outros tipos de risco financeiros, facilitando o acompanhamento destes e a alocação de capital. A metodologia utilizada baseia-se no estudo de caso da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (SICOOB CREDILIVRE), situada em Manhuaçu - MG. Foram realizadas análises documentais e entrevistas semi-estruturadas. Como resultado, percebe-se que, mesmo em se tratando de uma cooperativa com significativa estrutura de capital se comparada às demais cooperativas filiadas a sua respectiva central de crédito, a mesma é deficiente em desenvolver mecanismos de gerenciamento do risco operacional, ficando na dependência dos sistemas propostos pela cooperativa central. Contribuíram para essa situação a falta de recursos para financiar o desenvolvimento de um sistema próprio e a escassez de profissionais que conheçam as características da organização e consigam traduzir em linguagem de programação as expectativas do gestor quanto ao sistema e à questão de governança da singular frente à central, podendo transparecer muita autonomia e independência. Conclui-se que há grande disparidade entre o nível de complexidade da cooperativa e a simplicidade com que tem lidado com o gerenciamento do risco operacional. Portanto, a organização necessita de investimentos em métodos de mensuração do risco operacional, com vista em angariar ganhos de eficiência e rentabilidade e evitar perdas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-12-01

Como Citar

Amaral, I. de C., Neves, M. de C. R., Freitas, A. F. de, & Braga, M. J. (2009). Gerenciamento dos riscos operacionais: os métodos utilizados por uma cooperativa de crédito . Revista De Contabilidade E Organizações, 3(7), 93-108. https://doi.org/10.11606/rco.v3i7.34752

Edição

Seção

Artigos