A representação social da profissão de contador na perspectiva dos profissionais da contabilidade

Autores

  • Gilberto Clarício Martinez Guerra Universidade Estadual de Maringá
  • Keiko Shinzaki Universidade Estadual de Maringá
  • Elisa Yoshie Ichikawa Universidade Estadual de Maringá
  • Maria Iolanda Sachuk Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.11606/rco.v5i12.34799

Palavras-chave:

Teoria das Representações Sociais, Representações Sociais, Contador, Fenômeno grupal

Resumo

Ao adotar a premissa de que a Teoria das Representações Sociais abarca o quanto o indivíduo molda e é moldado pela sociedade, e que esta teoria ajuda a explicar as representações em nível grupal dos fenômenos sociais, este artigo tem como objetivo revelar o que a profissão de Contador representa socialmente para profissionais formados em Ciências Contábeis. Para a Teoria das Representações Sociais, os indivíduos são membros de grupos sociais e o mundo é socialmente construído a partir das perspectivas desses grupos, em face de suas posições e ações diante de um objeto social particular. Desta forma, se buscou, a partir de uma pesquisa descritiva, de natureza qualitativa e interpretativa, cujos dados foram coletados por meio de entrevistas abertas junto a contadores na cidade Maringá, alcançar o objetivo do trabalho. Os resultados apontam que a profissão de Contador representa socialmente para os participantes da pesquisa uma profissão abrangente, sendo que eles se veem como um amigo responsável e ético, que atua numa área em constante evolução, cheia de desafios e adorada por quem a pratica. As representações que aqui emergiram também mostram que existe um entrelaçamento entre elas e os processos de construção da identidade do Contador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-08-01

Como Citar

Guerra, G. C. M., Shinzaki, K., Ichikawa, E. Y., & Sachuk, M. I. (2011). A representação social da profissão de contador na perspectiva dos profissionais da contabilidade . Revista De Contabilidade E Organizações, 5(12), 157-171. https://doi.org/10.11606/rco.v5i12.34799

Edição

Seção

Artigos