Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras

Autores

  • Mac Daves de Morais Freire
  • Michele Rílany Rodrigues Machado
  • Lúcio Souza Machado
  • Emerson Santana Souza
  • Johnny Jorge de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.11606/rco.v6i15.52654

Palavras-chave:

Convergência, depreciação, taxas fiscais de depreciação, taxas por estimativa de vida útil econômica, imobilizado

Resumo

No Brasil, o processo de convergência às normas internacionais de contabilidade teve início com as alterações da lei das Sociedades Anônimas (6.404/76), promovidas pelas leis 11.638/07 e 11.941/09. A legislação fiscal brasileira sempre influenciou a prática contábil. Contudo, a nova legislação possibilitou a separação de critérios contábeis e fiscais para a avaliação patrimonial. O presente estudo visa responder a seguinte questão: Será que as empresas, diante de uma situação de alteração da legislação e normatização vigentes, porém com a possibilidade de adotar práticas alternativas, adotariam estas novas práticas, em detrimento das antigas, promovendo uma contabilidade de fato e de direito plenamente idênticas, no tocante aos critérios de depreciação? Para atingir este objetivo, um estudo empírico sobre as empresas brasileiras listadas na BM&F Bovespa foi realizado. Os resultados indicaram que um percentual elevado de empresas adotaram as novas práticas. No entanto, ainda foram identificadas empresas que utilizam as taxas fiscais para apuração da depreciação de ativos imobilizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mac Daves de Morais Freire

Doutorando em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP. Professor Assistente da Universidade Federal de Goiás. Áreas de Pesquisa: Controladoria e contabilidade para tomada de decisão

Michele Rílany Rodrigues Machado

Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-graduação da UNB/UFPB/UFRN. Professora da Universidade Federal de Goiás. Áreas de Pesquisa: Contabilidade para tomada de decisão, Controladoria, Contabilidade Pública e Perícia Contábil.

Lúcio Souza Machado

Mestre em Controladoria e Contabilidade Estrategica pelo Centro Universitário Álvares Penteado - UniFECAP (2005). Professor do Instituto Aphonsiano de Ensino Superior e da Universidasde Federal de Goiás, atuando principalmente nas seguintes áreas: Auditoria, Controladoria, Custos, Consultoria Contábil e Tributária e Pesquisa em Contabilidade.

Emerson Santana Souza

Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-graduação da UNB/UFPB/UFRN. Professor da Universidade Federal de Goiás. Área de pesquisa: Contabilidade, Finanças e Tecnologia da Informação, e Controladoria e Finanças.

Johnny Jorge de Oliveira

Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atualmente é professor assistente da Universidade Federal de Goiás (UFG) e analista em organização e finanças da Controladoria Geral do Município da Prefeitura Municipal de Goiânia. Área de pesquisa: gestão pública, auditoria e controle interno, demonstrações contábeis e balanço social

Downloads

Publicado

2012-09-27

Como Citar

Freire, M. D. de M., Machado, M. R. R., Machado, L. S., Souza, E. S., & de Oliveira, J. J. (2012). Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras. Revista De Contabilidade E Organizações, 6(15), 3-22. https://doi.org/10.11606/rco.v6i15.52654

Edição

Seção

Artigos