Zoneamento de Risco de Incêndio e Queimadas na Cidade de Sorocaba – São Paulo

Autores

  • Elfany Reis do Nascimento Lopes Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.
  • Amanda Pereira Patrício Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.
  • João Felipe Peruchi Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.
  • Roberto Wagner Lourenço Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

DOI:

https://doi.org/10.11606/rdg.v36i0.148048

Palavras-chave:

Fogo, Prevenção, Planejamento Ambiental, Zonas de manejo.

Resumo

Houve diversas modificações na superfície terrestre devido à apropriação do homem na natureza como maneira de desenvolvimento social e econômico, predispondo as cidades a maior risco de ocorrência de incêndios e queimadas. O trabalho teve como intuito elaborar elaborar uma proposta de zoneamento de risco a incêndio e queimadas, baseado em características físicas, antrópicas e dados de focos de incêndio da cidade de Sorocaba-SP, utilizando geoprocessamento em ambiente SIG. Foi realizado o mapeamento do uso do solo e cobertura vegetal utilizando imagem SPOT-5 e RapidEye por meio da classificação supervisionada e interpretação visual. Foram determinados pesos de importância para a declividade, hidrografia e malha viária segundo a risco para incêndio e queimadas. O zoneamento foi obtido pela média ponderada dos mapas temáticos dos parâmetros. Realizou-se o levantamento dos focos de incêndio e queimadas e procedeu-se a sua relação com o zoneamento de risco produzido. Um total de 93% da cidade é classificada com risco alto a extremo, revelando a predisposição da cidade para a ocorrência de incêndios e queimadas de origem natural ou antrópica. 74 focos de incêndio ocorreram entre 2017 e 2018, sendo enquadradas nas zonas de risco muito alto (39%), alto (35,36%) e extremo (19,5%).  A proposta de zoneamento é condizente com a realidade natural e socioeconômica da cidade, sendo um caminho para o monitoramento ambiental da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elfany Reis do Nascimento Lopes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Doutor em Ciências Ambientais. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambeinte. Biólogo. Universidade Estadual Paulista - Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba /Laboratório de Geoprocessamento e Modelagem Matemática Ambiental.

Amanda Pereira Patrício Silva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

João Felipe Peruchi, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Roberto Wagner Lourenço, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba.

Referências

AGUIAR, R.D., SANTOS, L.F.M., MATRICARDI, E.A.T., BATISTA, I.X. Zoneamento de risco de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – GO. Enciclopédia da Biosfera, v. 11, n. 21, p. 1943-.1957, 2015.
AMORIM, R.R.; OLIVEIRA, R.C. Zoneamento ambiental, subsídio ao planejamento no uso e ocupação das terras da Costa do Descobrimento. Mercator, v. 12, n. 29, p. 211-231, 2013.
BATISTA, A. C.; OLIVEIRA, D. S.; SOARES, R. V. Zoneamento de risco de incêndios florestais para o estado do Paraná. Curitiba: FUPEF, 2002. 86 p.
CHUVIECO, E.; CONGALTON, R. G. Aplication of remote sensing and geographic information systems to forest fire hazard mapping. Remote Sensoring of Enviromment, New York, v. 29, p. 147-159, 1989.
CIPRIANI, H.N.; PEREIRA, J.A.A.; SILVA, R.A.; FREITAS, S.G.; OLIVEIRA, L.T. Fire risk map for the Serra de São Domingos Municipal Park, Poços de Caldas, MG. Cerne, v. 17, n. 1, p.77-83, 2011.
DATAGEO - Infraestrutura de dados espaciais ambientais do Estado de São Paulo. Disponível em: < http://datageo.ambiente.sp.gov.br/> Acesso em: 1 ago. 2017.
DIAS, G.F. Queimadas e incêndios florestais: cenários e desafios. Subsídios para a educação ambiental. Brasília: MMA, IBAMA, 2008. 32 p.
DORNELES, A.C.B. O zoneamento e sua importância como um instrumento de planejamento urbano. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, v. 1, n. 16, p.452-467, 2010.
ESRI. ECONOMIC AND SOCIAL RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS. 2014.
FEARNSIDE, P.M. Fogo e emissão de gases de efeito estufa dos ecossistemas florestais da Amazônia brasileira. Estudos Avançados, v. 16, n. 44, p. 99-123, 2012.
FITZ, P.R. Geoprocessamento sem Complicação.1 Ed. São Paulo: Editora Oficina de Textos. 2008. 160p.
FREITAS, S. R.; LONGO, K. M.; SILVA DIAS, M. A. F.; SILVA DIAS, P. L. Emissões de queimadas em ecossistemas da América do Sul. Estudos Avançados, v. 19, n. 53, 2005.
GONÇALVES, C.N.; MESQUITA, F.W.; LIMA, N.R.G.; COSLOPE, L.A.; LINTOMEN, B.S. Recorrência dos incêndios e fitossociologia da vegetação em áreas com diferentes regimes de queima no Parque Nacional da Chapada Diamantina. Revista Biodiversidade Brasileira, v. 1, n. 2, p. 161-179, 2011.
GONÇALVES, A.B.; VIEIRA, A.; LEITE, F.F.; LOURENÇO, L. Mudanças climáticas e risco de incêndio florestal no Ave (Noroeste de PORTUGAL). Revista Geonorte, v. 1, n. 4, p. 830-842, 2012.
KOPROSKI, L.; FERREIRA, M.P.; GOLDAMMER, J.G.; BATISTA, A.C. Modelo de zoneamento de risco de incêndios para unidades de conservação brasileiras: o caso do Parque Estadual do Cerrado (PR). Floresta, v. 41, n. 3, p. 551-562, 2011.
IBAMA. INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE Sobre as alternativas ao uso do fogo. Disponível em: http://www.ibama.gov.br/incendios-florestais/alternativas-ao-uso-do-fogo/sobre-as-alternativas-ao-uso-do-fogo. Acesso em: 11 jul. 2018.
IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de uso da terra. 3ª Ed. Rio de Janeiro: IBGE. 2013a. 171p.
IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais [e] Coordenação de Geografia. 2015. 352p.
IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Sorocaba. Disponível em: <-https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/sorocaba/panorama>. Acesso em: 24 abr. 2018.
INPE. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Programa Queimadas. Disponível em: < http://www.inpe.br/queimadas/portal>. Acesso em: 27 set. 2018.
LIMA, A.M. Zoneamento de risco de incêndios no Distrito Federal. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade de Brasilia. 2017. 58p.
MICROSOFT. Microsoft Office Excel. 2010.
MEDEIROS, M.B.; FIEDLER, N.C. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra: desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, v. 14, n. 2, p. 157-168, 2004.
NARUMALANI, S.; HLADY, J. T.; JENSEN, J. R. Information extraction from remotely sensed data. In: Bossler, J D. Manual of Geospatial Science and Technology. 1ª Ed. Londres: Taylor & Francis, p. 298-324. 2002.
NICOLETE, D.A.P.; ZIMBACK, C. R.L. Zoneamento de risco de incêndios florestais para a fazenda experimental Edgardia – Botucatu (SP), através de sistemas de informações geográficas. Revista Agrogeoambiental, v.5, n. 3, p. 55-62, 2013
OLIVEIRA, D.S.; BATISTA, A.C.; SOARES, R.V.; GRODZKI, L.; VOSGERAU, J. Zoneamento de risco de incêndios florestais para o Estado do Paraná. Revista Floresta, Curitiba, v. 34, n. 2, p. 217-221, 2004.
OMENA, M.T.R.N.; ARAKI, E.K.; SCHIMALSKI, M.B.; TANIWAKI, M.H.; SANTOS, P.S. Zoneamento do Risco de Incêndio Florestal para o Parque Nacional de São Joaquim – SC. Biodiversidade Brasileira, v. 6, n. 2, p. 173-186, 2016.
PANIZZA, A. C.; FONSECA, F. P. Técnicas de interpretação visual de imagens. GEOUSP - Espaço e Tempo, n. 30, p. 30-43, 2011.
RIBEIRO, L.; SOARES, R.V.; BEPLLER, M. Mapeamento do risco de incêndios florestais no município de Novo Mundo, Mato Grosso, Brasil. Cerne, v. 18, n. 1, p. 117-126, 2012.
RIBEIRO, L.; KOPROSKI, L.P.; STOLLE, L.; LINGNAU, C.; SOARES, R.V.; BATISTA, A.C. Zoneamento de riscos de incêndios florestais para a Fazenda Experimental do Canguiri, Pinhais (PR). Revista Floresta, v. 38, n. 3, p. 561-572, 2008.
SÃO PAULO. Incêndio e queimadas. Operação Corta Fogo. Disponível em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/cfa/fiscalizacao/incendios-e-queimadas>. Acesso em: 11 jul. 2018.
SALAS, J.; CHUVIECO, E. Geographic information systems for wildland fi re risk mapping. Wildfire, Washington, v. 3, n. 2, p. 7-13, June 1994.
SANTOS, P.R.; PEREIRA, G; ROCHA, L.C. Análise da distribuição espacial dos focos de queimadas para o bioma Cerrada (2002- 2012). Caderno de Geografia, v. 24, n. 1, p. 133-144, 2014.
SEADE. FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS. Perfil dos Municípios Paulistas. Sorocaba. Disponível em: <http://www.perfil.seade.gov.br/#>. Acesso em: 24 abr. 2018.
SILVA, G.F.N.; TAVARES JÚNIOR, S.S.; EVANGELISTA, R.A. O.; OLIVEIRA JÚNIOR, M.C.M. Integração digital e análise espacial aplicadas ao estudo da susceptibilidade a incêndios florestais em Apiaú e Ribeiro Campos – Roraima. Revista Floresta, v. 38, n. 4, p. 683-697, 2008.
SILVEIRA, A.H.M.; QUEIROZ, A.F.S.; SILVA, B.C.O.; SILVA, F.M.; COSTA JÚNIOR, N.P. Proposta metodológica para risco de incêndio florestal: estudo de caso na zona de proteção ambiental (ZPA-1) em Natal/RN. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 6, n. 5, p. 1174-1192, 2013.
SOROCABA. SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE. Plano Diretor Ambiental de Sorocaba. Sorocaba: SEMA, v.1. 2011.
TETTO, A.F.; BATISTA, A.C.; SOARES, R.V. Zoneamento de risco de incêndios florestais para a Floresta Nacional de Irati, Estado do Paraná, Brasil. Scientia Forestalis, v. 40, n. 94, p. 259-265, 2012.
TORRES, F.T.P.; RIBEIRO, G.A.; MARTINS, S.V.; LIMA, G.S. Mapeamento da suscetibilidade a ocorrências de incêndios em vegetação na área urbana de Ubá-MG. Revista Árvore, v.38, n.5, p.811-817, 2014.
VETTORAZZI, C.A.; FERRAZ, S.F.B. Uso de sistemas de informações geográficas aplicados à prevenção e combate a incêndios em fragmentos florestais. Série Técnica IPEF, v. 12, n. 32, p. 111-115, 1998.
WHITE, L.A.S.; WHITE, B.L.A.; RIBEIRO, G.T. Modelagem espacial do risco de incêndio florestal para o Município de Inhambupe, BA. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 36, n. 85, p. 41-49, 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-20

Como Citar

Lopes, E. R. do N., Silva, A. P. P., Peruchi, J. F., & Lourenço, R. W. (2018). Zoneamento de Risco de Incêndio e Queimadas na Cidade de Sorocaba – São Paulo. Revista Do Departamento De Geografia, 36, 117-129. https://doi.org/10.11606/rdg.v36i0.148048

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)