Amazônia: explorando o baixo Rio Branco – Roraima/Amazonas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/rdg.v40i0.170817

Palavras-chave:

Bem viver, Populações tradicionais, Unidade de conservação, Trabalho de campo

Resumo

Esse artigo retoma uma importante tradição da Geografia brasileira: os relatos de campo. Ele apresenta a visão de pesquisadores que, durante 10 dias de maio de 2019, percorreram o rio Branco para visitar 16 comunidades em Roraima. Ao longo do período foram utilizadas diferentes técnicas de pesquisa, como a coleta de depoimentos de membros das comunidades por meio de entrevistas informais, rodas de conversa com lideranças, o registro fotográfico e em vídeo, assim como anotações de observações em campo. Também foram realizadas análises a bordo entre os membros da equipe que culminaram na produção desse artigo. O objetivo da pesquisa é conhecer e identificar potenciais, carências e vivências de comunidades que vivem à beira de rios em Roraima. O relato constatou que as comunidades estão sujeitas a lógicas externas, como o turismo internacional, que afeta drasticamente o modo de vida, bem como dependem de centros urbanos, como Boa Vista e Manaus, para escoar sua produção, baseada no extrativismo. Ainda assim, observou-se que as comunidades conseguem expressar o bem viver, posto que não desejam abandonar os lugares onde vivem. Por fim, verificou-se também que o cotidiano das mulheres é diferente dos homens, seja na participação da produção de farinha ou na pesca, seja no lazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SÁBER, A. N. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: Edusp, 1996.

AB’SÁBER, A. N.. Zoneamento fisiográfico e ecológico do espaço total da Amazônia Brasileira. Estudos avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 15-24, 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142010000100004&lng=en&nrm=iso>.

AB’SÁBER, A. N. Bases para o estudo dos ecossistemas da Amazônia brasileira. Estudos Avançados, 16(45), 7-30, 2002. Disponível em <https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142002000200002>.

AB’SÁBER, A. N. Zoneamento ecológico e econômico da Amazônia: questões de escala e método. Estudos avançados. São Paulo, v. 3, n. 5, p. 4-20, 1989. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141989000100002&lng=en&nrm=iso>.

ACOSTA. A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos; tradução de Tadeu Breda.– São Paulo : Autonomia Literária, Elefante, 2016.

ALMEIDA, A. W. B. de. Antropologia da Amazônia: dissonância e desafios à institucionalização. Manaus: PNCSA / UEA, 2019.

ALMEIDA, A. W. B. de; FARIAS JUNIOR, E. A. (Org.). Povos e comunidades tradicionais: nova cartografia social. Manaus: UEA Edições, 2013.

ANDRADE, C. S. Energia elétrica e as populações tradicionais do Estado do Amazonas: aprendizados a partir da experiência na Comunidade do Roque na Reserva Extrativista do Médio Juruá. Rio de Janeiro, Tese (Doutorado em Planejamento Energético) UFRJ/COPPE, 2010. 264 p.

BATISTA, S. P. M.; RIBEIRO, W. C. Mecanismos da produção de injustiça socioambiental em ambientes urbanos. In: SCHOR, T. (Org.). Dinâmica urbana na Amazônia brasileira. Manaus: Editora Valer, 2014.

BECKER, B. A urbe amazônida: a floresta e a cidade. Rio de Janeiro : Garamond, 2013.

BECKER, B. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2004.

CASTRO, E. M. R.. Territórios em transformação na Amazônia. 1. ed. Belém: Editora do NAEA/UFPA, 2017.

CAVALCANTE, M. M. de A. Hidrelétricas do rio Madeira-RO: território, tecnificação e meio ambiente. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Paraná – UFPR. Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGG. – Curitiba, 2012.

EGLER, C. Dinâmica espacial e rede urbana na Amazônia. Boletim Regional. Brasilia, Ministério da Integração Nacional, p. 6-13, mai/ago, 2006.

Empresa de Pesquisa Energética – EPE. Planejamento do atendimento aos Sistemas Isolados horizonte 2023 – Ciclo 2018. N. EPE-DEE-DEA-NT-005/2018-r1, 2019. Disponivél em http://www.epe.gov.br Acesso em 02 de julho de 2019.

FARIA, I. F.. Ecoturismo Indígena: território, sustentabilidade, multiculturalismo. 01. ed. Sao Paulo: Annablume, 2012.

LASCHEFSKI, K.; ZHOURI, A. . Povos indígenas, comunidades tradicionais e meio ambiente a 'questão territorial' e o novo desenvolvimentismo no Brasil. Revista Terra Livre, v. 1, p. 241-285-285, 2019. Disponível em <http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/1552>.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2009.

MELLO-THÉRY, N. A. de. Território e gestão ambiental na Amazônia: terras públicas e os dilemas do Estado. São Paulo : FAPESP/Annablume, 2011.

MELLO-THÉRY, N. A. de. Políticas territoriais na Amazônia. São Paulo : Annablume Editora, 2006.

NUNES, D. A.; TRINDADE JR., S-C. C.; TRINDADE, G. O. . Cidades médias na Amazônia brasileira: da centralidade econômica à centralidade política de Marabá e Santarém (Estado do Pará). Confins (Paris), v. 29, p. 1-21, 2016. Disponível em <https://journals.openedition.org/confins/11376>.

OLIVEIRA, A. U. de. A fronteira amazônica matogrossense: grilagem, corrupção e violência. São Paulo: Iandé Editorial, 2016. Disponível em <http://agraria.fflch.usp.br/sites/agraria.fflch.usp.br/files/A%20FRONTEIRA%20AMAZ%C3%94NICA%20MATO%20GROSSENSE.pdf>.

OLIVEIRA, A. U. de. Integrar para não entregar: políticas públicas e Amazônia. Campinas-SP, Papirus, 1988.

OLIVEIRA, A. U. de. Amazônia: monopólio, expropriação e conflitos. Campinas-SP, Papirus, 1987.

PIMENTEL, M. A. S.; RIBEIRO, W. C. Populações tradicionais e conflitos em áreas protegidas. GEOUSP: Espaço e Tempo, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 224-237, aug. 2016. ISSN 2179-0892. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/122692>.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Amazônia: encruzilhada civilizatória, tensões territoriais em curso. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Amazônia, Amazônias. São Paulo, Contexto, 2001.

SEABRA, G. Baixo rio Branco, Roraima: o Brasil dos esquecidos. Brasília: NOTIBRÁS, 2019.

SEABRA, G. Educação Ambiental: caminhos para a conservação da sociobiodiversidade. In SEABRA, G. (Org.) Educação Ambiental no mundo globalizado: uma ecologia de riscos, desafios e resistência. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011, p. 17-26.

SCHOR, T.; SANTANA, P. V. (Org.). Dinâmica urbana na Amazônia brasileira. vol.2. 1. ed. Manus: VALER, 2015.

SILVA, J. da C. O rio, a comunidade e o viver. Tese de Doutorado. Departamento de Geografia - Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2000.

THÉRY, H. Conquista, controle exploração da Amazonia: interpretação geográfica de quatro séculos de historia. Revista Geográfica do Instituto de Pesquisa de Geografia e História (OEA), México, v. 93, p. 79-81, 1982.

TRINDADE JR., S-C. C.; MADEIRA, W. V. . Polos, eixos e zonas: cidades e ordenamento territorial na Amazônia. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, v. 9, p. 37-54, 2016.

TRINDADE JR, S. C. da, TAVARES, M. G. da C. (Org.). Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências. Belém, Ed.UFPA, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Cavalcante, M. M. A., Veras, A. T. de R., Seabra, G. de F., Silva, J. da C., Silva, M. das G. N., & Ribeiro, W. C. (2020). Amazônia: explorando o baixo Rio Branco – Roraima/Amazonas. Revista Do Departamento De Geografia, 40, 203-217. https://doi.org/10.11606/rdg.v40i0.170817

Edição

Seção

Notas de Trabalho de Campo