Análise estatística dos parâmetros geomorfométricos do relevo em bacias hidrográficas de primeira ordem perenes e intermitentes no oeste paranaense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.174393

Palavras-chave:

Análise digital do relevo, Correlação espacial, Estatística inferencial, Aeronaves Remotamente Pilotadas

Resumo

Mapeamentos da rede de drenagem podem ser obtidos pela fotointerpretação ou extração automática, a partir de modelos digitais de elevação (MDE), sendo que ambos apresentam inconsistências. Visando solucionar esta problemática, surgem propostas que exploram técnicas de regressão estatística, árvores de decisão ou redes neurais para automatizar o mapeamento da rede de drenagem. Com foco no relevo, objetiva-se comparar parâmetros geomorfométricos entre bacias de primeira ordem com rio perene e com rio intermitente. A área de estudo abrange a folha topográfica Medianeira, código MI 2832-4, parcialmente inserida nos municípios de Medianeira, São Miguel do Iguaçu e Serranópolis do Iguaçu, localizados no oeste do Paraná, região sul do Brasil. Foram validadas em campo as bacias de primeira ordem e realizados levantamentos com aeronaves remotamente pilotadas visando gerar MDE. A partir dos MDE, extraiu-se: área, perímetro, volume e índice de vazio, acumulação de fluxo (D8), declividade, plano de curvatura, perfil de curvatura, índice de concentração de rugosidade e índice topográfico de umidade. Aplicaram-se testes estatísticos de hipóteses calibrados com intervalo de 95% e 99% de confiança, para verificar se existem diferenças estatisticamente significativas nos parâmetros geomorfométricos entre os grupos de bacias de primeira ordem. Os parâmetros de área, índice de concentração de rugosidade, plano de curvatura, índice topográfico de umidade e índice de vazio foram os mais sensíveis para diferenciar bacias de primeira ordem perenes e intermitentes. Os resultados obtidos a partir da análise dos parâmetros podem contribuir com o desenvolvimento de métodos para mapeamento automatizado da rede de drenagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRESTI, A.; FINLAY, B. Métodos estatísticos para as ciências sociais. Porto Alegre: Penso Editora, 2012.

BAND, L. E. Extraction of channel networks and topographic parameters from digital elevation data. Channel network hydrology, p. 13–42, 1993. Disponível em: <http://solim.geography.wisc.edu/axing/teaching/geog579/lectures/references/Beven_Kirkby_ch02_Band.PDF>.

BANON, L. C. Árvores de decisão aplicadas à extração automática de redes de drenagem. 2013. 115 f. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) – Departamento de Computação Aplicada, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 2013. Disponível em: <http://mtc-m16d.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/mtc-m19/2013/12.04.03.56/doc/publicacao.pdf>.

BUENO, L. F. Inteligência artificial aplicada à melhoria da acurácia do mapeamento de redes de drenagem. 2016. 148 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. Disponível em: <https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/44459>.

CHORLEY, R. J.; DALE, P. F. Cartographic problems in stream channel delineation. Cartography, v. 7, n. 4, p. 150–162, 1972. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00690805.1972.10437698>.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Geomorfologia uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

EVERITT, B. S.; DUNN, G. Principal components analysis. Applied Multivariate Data Analysis, Second Edition, p. 48–73, 2001.

MARION, F. A.; MELLO FILHO, J. A.; SILVA, J. L. S. Análise da vulnerabilidade natural das águas subterrâneas por geoprocessamento no campus da UFSM–RS. Terr@ Plural, v. 4, n. 1, p. 65–76, 2010. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/tp/article/view/1132>.

MCKIGHT, P. E.; NAJAB, J. Kruskal‐Wallis Test. Corsini encyclopedia of psychology, 2010. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/9780470479216.corpsy0491>.

MONTGOMERY, D. R.; DIETRICH, W. E. Source areas, drainage density, and channel initiationWater Resources Research, 1989. . Disponível em: <http://geomorphology.sese.asu.edu/Papers/Montgomery-Dietrich_DrainageDensity_WRR1989.pdf>.

MOORE, I. D. ; GESSLER, P. E. ; NIELSEN, G. A. ; PETERSON, G. A. Soil attribute prediction using terrain analysis. Soil Science Society of America Journal, v. 57, n. 2, p. 443–452, 1993. Disponível em: <https://acsess.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.2136/sssaj1993.03615995005700020026x>.

PAZ, O. L. S. Relação do litotipo e do relevo com a dimensão das bacias de drenagem de primeira ordem e com a ocorrência de nascentes. 2015. 98 f. Monografia (Graduação em Geografia) – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

PIKE, R. J.; EVANS, I. S.; HENGL, T. Geomorphometry: A brief guide. In: HENGL, T.; REUTER, H. I. (eds.). Geomorphometry: concepts, software, applications. Amsterdam: Elsevier, 2009. vol. 33, p. 3–30. https://doi.org/10.1016/S0166-2481(08)00001-9.

ROGERSON, P. A. Métodos estatísticos para Geografia: um guia para o estudante. Porto Alegre: Bookman Editora, 2012.

SAMPAIO, T. V. M. Parâmetros morfométricos para melhoria da acurácia do mapeamento da rede de drenagem – uma proposta baseada na análise da Bacia Hidrográfica do Rio Benevente - ES. 2008. 147 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Departamento de Geografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SAMPAIO, T. V. M. Volume e Índice de Vazio em bacias hidrográficas de primeira ordem. No prelô, 2021.

SAMPAIO, T. V. M.; AUGUSTIN, C. H. R. R. Variáveis auxiliares para o mapeamento da rede de drenagem : correlação espacial entre nascentes , unidades de relevo e litotipos na bacia hidrográfica do rio. GEOUSP - Espaço e Tempo, v. 18, n. 2014, p. 624–634, 2014a. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/90071>.

SAMPAIO, T. V. M.; AUGUSTIN, C. H. R. R. Índice de concentração da rugosidade: uma nova proposta metodológica para o mapeamento e quantificação da dissecação do relevo como subsídio a cartografia geomorfologica. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 15, n. 1, p. 1–14, 2014b. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg/article/view/376>.

SANGIREDDY, H.; CAROTHERSA, R. A.; STARK, C. P.; PASSALACQUAA, P. Controls of climate, topography, vegetation, and lithology on drainage density extracted from high resolution topography data. Journal of hydrology, v. 537, p. 271–282, 2016. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169416300968>.

SILVA, J. M. F.; OKA-FIORI, C.; SILVEIRA, C. T. Geomorfometria: uma Análise de Conceitos, Métodos e Aplicações em Geografia Física. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 10, n. 2, p. 558–583, 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/234008/27453>.

SILVEIRA, R. M. P.; SILVEIRA, C. T.; OKA-FIORI, C. ANÁLISE DIGITAL DO RELEVO EMPREGADA NO MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS. Geografar, v. 7, p. 43–68, 2012. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/geografar/article/view/26709>.

SOUSA, M. S.; SAMPAIO, T. V. M. Influência da acurácia de completude na delimitação de áreas de preservação permanente. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie/Revista franco-brasilera de geografia, n. 35, 2018. Disponível em: <https://journals.openedition.org/confins/13245>.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Paz, O. L. de S. da, & Sampaio, T. V. M. (2021). Análise estatística dos parâmetros geomorfométricos do relevo em bacias hidrográficas de primeira ordem perenes e intermitentes no oeste paranaense . Revista Do Departamento De Geografia, 41(1), e174393. https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.174393

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)