Geografia do cangaço: concepções conceituais para pensar o banditismo sertanejo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.174830

Palavras-chave:

Cangaço, Banditismo Social, Sertão Nordestino, Sujeitos

Resumo

Este artigo parte de algumas proposições suscitadas ao longo da pesquisa de mestrado objetivando discorrer ideias a respeito do conceito de banditismo social elaborado por Eric Hobsbawm e a costumeira aplicação desse conceito em alguns trabalhos para caracterizar o movimento do cangaço, padronizando, dessa forma, lugares, paisagens e sujeitos sem levar em consideração as implicações ao homogeneizar movimento do cangaço como banditismo social, transferindo, assim, a teoria para conceituar diferentes movimentos sociais e culturais. Pensando nessa discussão, ponderam-se observações de cunho histórico-cultural para a existência de bandos de cangaceiros no sertão nordestino, pontuando as relações que permeavam a sociedade sertaneja da época, correlacionando às questões de honra, valentia e cabra-macho, agregada à conexão de vivência no ambiente da caatinga, que constituiu uma geografia do cangaço, presente no contexto cultural do sujeito sertanejo nordestino com o meio ambiente a partir dos saberes populares que garantiam aos cangaceiros a vivência e a sobrevivência como nômades. A base cultural de vivência sertaneja nordestina, constituída por meio da relação do código moral sertanejo da não desmoralização, culminou, na visão dos sujeitos sertanejos nordestinos, o reconhecimento de uma geografia do cangaço desenvolvida pela atuação dos bandos de cangaceiros que asseguram, até hoje, narrativas, quer sejam de admiração ou de aversão aos bandidos/cangaceiros, atribuindo, sobretudo, um lugar de destaque após episódios de mortes trágicas sofridas por alguns cangaceiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. G. Em busca do poético do sertão: um estudo de representatividade. In: ALMEIDA, M. G.; RATTS, A. J. P. (Orgs). Geografia: leituras culturais. Goiânia: alternativa, 2003. p. 71-88.

BARROS, L. O. C. A derradeira gesta: Lampião e Nazarenos guerreando no Sertão. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

BARROS, L. O. C. Cangaço – violência no Sertão do Nordeste. Ponta de Lança: revista eletrônica de história, memória & cultura. v. 12, 2018. 62-77. Disponível em: <https://seer.ufs.br/idex.php/pontadelanca/article/view/9317/pdf>.

BARROSO, G. Almas de lama e de aço: Lampião e outros cangaceiros. Rio – São Paulo – Fortaleza: ABC, 2012.

BERDOULAY, V.; ENTRIKIN, N. Lugar e sujeito: perspectivas teóricas. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werter; OLIVEIRA, Lívia de. (Orgs). Qual o espaço do lugar? São Paulo: perspectiva, 2012. p. 93-116.

CASTRO, I. E. O mito da necessidade: discurso e prática do regionalismo nordestino. São Paulo: Bertran Brasil, 1992.

CLAVA, P. Epistemologia da Geografia. 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

COSGROVE, D. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (orgs). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004. p. 92-123.

COSTA, A. P. R. Lugar e memória: a vida cangaceira do bando dos Marcelinos em Barbalha - CE. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS). v. 22, 52-67, 2020. DOI: 10.35701/rcgs.v22n1.413

FALCÃO, M. L. Uma morte muito aperreada: memória e esquecimento nas narrativas sobre um cangaceiro de Lampião em Mossoró. 2011. 185. f. Dissertação (mestrado em História Social). Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

FREITAS, E. T. As vidas e as mortes de Jararaca: narrações de uma devoção popular no Nordeste brasileiro. Revista de Estudos da Religião. ano. 7, 1-30, 2007. Disponível em: <http://www.pucsp.br/rever/rv4_2007/index.html>.

HOBSBAWM, E. Bandidos. 4. ed. São Paulo: Paz e terra, 2015.

HOBSBAWM, E. Rebeldes primitivos: estudos de formas arcaicas de movimentos sociais nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1978.

LINS, D. Cartografia do bandido social: o caso e a necessidade. Revista de Ciências Sociais. V 27, N 1/2, p 169-179, 1998. Disponível em: <http://www.periodicos.ufc.br/revcienso/article/view/42585/99614>

MELLO, F. P. Guerreiros do sol: o banditismo no Nordeste do Brasil. Recife: Massangana, 1985.

MELLO, F. P. Guerreiros do sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil. São Paulo: A Girafa, 2011.

OLIVEIRA, L. O sentido de lugar. In: MARANDOLA JR., E.; HOLZER, W.; OLIVEIRA, L. (Orgs). Qual o espaço do Lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012. p. 03-16.

PAIVA, M. P. Ecologia do cangaço. Rio de Janeiro: Interciência, 2004.

PERICÁS, L. B. Os cangaceiros: ensaio de interpretação histórica. São Paulo: Boitempo, 2010.

TUAN. Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

TUAN. Y. F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

Downloads

Publicado

2021-07-23

Como Citar

Costa, A. P. R. (2021). Geografia do cangaço: concepções conceituais para pensar o banditismo sertanejo. Revista Do Departamento De Geografia, 41(1), e174830 . https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.174830

Edição

Seção

Artigos