Análise cadastral das ameaças do meio físico na comunidade do Rio Cachoeira – Bairro Saco dos Limões, Florianópolis/SC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.176918

Palavras-chave:

Riscos geoambientais, Modificações antrópicas no relevo, Processos morfogenéticos

Resumo

Formas de relevo são elementos naturais que servem de substrato para o assentamento de estruturas humanas, como edificações, arruamentos, pontes e outras. Entretanto, a ocupação de certas formas de relevo pode originar áreas de risco em função da dinâmica geomorfológica local. Este é o caso da comunidade da Bacia do Rio Cachoeira, no bairro Saco dos Limões em Florianópolis/SC, instalada em uma porção dissecada da encosta cristalina do Maciço do Morro da Cruz. O objetivo deste estudo é discutir as ameaças resultantes da dinâmica do relevo nesta comunidade em decorrência de episódios de chuvas e das modificações antrópicas ali produzidas. A partir de levantamentos de campo, de um mapa cadastral da ocupação humana e da elaboração de um mapa geomorfológico de detalhe e de um mapa de ameaças, que contém as feições de relevo, evidências de ocorrência de processos morfogenéticos e as modificações antrópicas, foi possível identificar os perigos e os elementos vulneráveis a eles na área de estudo. Ameaças representadas por enxurradas, fluxos torrenciais, inundação, erosão de margem de rios, quedas e rolamentos de blocos rochosos, rompimento de muros de contenção ocorrem na área e atingem muitas residências. A escala de detalhe deste trabalho permite verificar que, apesar da pequena extensão espacial, a área de estudo apresenta muitas ameaças e, mesmo uma única residência, pode estar sujeita a uma série de perigos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Lindaura Luiz, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora Adjunta do Departamento de Geografia da Universidade do Estado de Santa Catarina

Graziela Maziero Pinheiro Bini, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2020) na área de Utilização e Conservação dos Recursos Naturais . Mestre em Geografia também pela UFSC (2012). Especialista em Geoprocessamento pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC/PR (2013) e especialista em Educação Ambiental com Ênfase na Formação de Professores pelo Instituto Federal de Educação - IFSC. Possui Bacharelado (2007) e Licenciatura (2009) em Geografia pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geomorfologia e Geoprocessamento, atuando principalmente nos seguintes temas: desastres naturais, movimentos de massa, mapeamento, sensoriamento remoto, sistemas de informações geográficas.

Referências

BITAR, O.Y. (Coord.). Cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações - 1:25.000: nota técnica explicativa. São Paulo: IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo; Brasília (DF): CPRM- Serviço Geológico do Brasil, 2014. (livro eletrônico).

BRASIL. MINISTÉRIO DAS CIDADES / INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS – IPT Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios. CARVALHO, C. S.; MACEDO, E. S.; OGURA, A. T. de (orgs.). Brasília: Ministério das Cidades; Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007.

CASTRO, A. L. C. Manual de Desastres: desastres naturais. BRASIL. Secretaria Nacional de Defesa Civil Volume 1. Brasília: Ministério do Planejamento e Orçamento. 2003.

CERRI, L. E. da S.; AMARAL, C.P. do. Riscos geológicos. In: OLIVEIRA, A. M. dos S.; BRITO, S.N.A. de. (Org.) Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia, 1998, p. 300 - 310.

CHARDON, A. C. Crescimiento urbano y riesgos “naturales”: Evaluacion final de la vulnerabilidad global en Manizales, Andes de Colombia. Revista Desastre y Sociedad. no 09, ano 6 - Especial: El niño en America Latina. Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastres en América Latina. p. 5 - 35. Jan/dez. 1998.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

COOKE, R. U.; DOORNKAMP, J. C. Geomorphology in environmental management. 2ª ed. Oxford: Clarendon Press, 1990.

COURA NETO, A. B.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: Mapeamento Temático do Município de Florianópolis. Florianópolis: IPUF/IBGE, 1991. Mapa 1:50.000 e Memorial Descritivo.

GOUDIE, A. The human impact on the natural environment: Past, Present, and Future. 7ª. ed. Wiley-blackwell, 2013.

HERRMANN, M. L. P.; ROSA, R. O. Geomorfologia. In: IBGE-DIGEO. Mapeamento Temático do município de Florianópolis. Florianópolis: IPUF/IBGE, 1991. Mapa 1:50.000 e Memorial Descritivo.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades IBGE, 2020. Disponível em <http://cidades.ibge.gov.br/painel/populacao.php?> Acesso em set. / 2020.

LUIZ, E. L. O impasse da ocupação de encostas: o caso do Bairro Saco Grande II - Fpolis/SC. In: V Simpósio de Geografia Física Aplicada, 1993, São Paulo. Anais... São Paulo: Departamento de Geografia/FLCH/USP, 1993. p. 127-130.

MONTEIRO, M. A. Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano. Revista Geosul. Vol.16, n. 31. Florianópolis, p. 69 – 78. 2001.

PALACIOS, J. D.; CHUQUISENGO, O; FERRADAS, P. Gestión de riesgo em los gobiernos locales. Lima: Soluciones Prácticas- ITDG, 2005.

SCHUMM, S. A. The Fluvial System. New York: Wiley, 1977.

TOMAZZOLI, E. R.; PELLERIN, J. R. M.; ESTEVES, M. B. Geologia e unidades morfotectônicas da área Central da cidade de Florianópolis – SC. In: II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa; IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário; II Congresso do Quaternário dos Países de Língua Ibérica. Anais... Recife: ABEQUA, 2003, p. 1 - 5.

TOMINAGA, L. K. Desastres naturais: por que ocorrem. In: TOMINAGA, L. K; SANTORO, J; AMARAL, R. (Orgs.) Desastres Naturais: conhecer para prevenir. 1a edição. São Paulo: Instituto Geológico, 2009 a, p. 11 - 24.

TOMINAGA, L. K. Análise e mapeamento de risco. In: TOMINAGA, L. K; SANTORO, J; AMARAL, R. (Orgs.) Desastres Naturais: conhecer para prevenir. 1a edição. São Paulo: Instituto Geológico, 2009 b, p. 147 - 160.

VEYRET, Y.; RICHEMOND, N. M. de. Definições e vulnerabilidades do risco. In: VEYRET, Y. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Editora Contexto, 2007. p. 25 - 46.

WHITE, G. F. Human adjustment to flood. University of Chicago, Department of Geography, Research Paper no. 29, 1945.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

Luiz, E. L., & Bini, G. M. P. . (2021). Análise cadastral das ameaças do meio físico na comunidade do Rio Cachoeira – Bairro Saco dos Limões, Florianópolis/SC. Revista Do Departamento De Geografia, 41(1), e176918 . https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.176918

Edição

Seção

Artigos