Desdobramentos territoriais da hipercapilaridade dos serviços financeiros digitais: o pagamento automático de pedágios no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.184193

Palavras-chave:

Pagamentos móveis, Concessões rodoviárias, Finanças digitais

Resumo

Neste artigo propõe-se discutir brevemente a evolução e a recente popularização dos pagamentos móveis no Brasil, em conjunto com o entendimento das relações entre as novas formas digitais e eletrônicas dos serviços financeiros com o crescimento das empresas de pagamento automático de pedágios em rodovias concedidas à iniciativa privada. Parte-se do pressuposto de que o objeto de estudo da geografia é o espaço geográfico, que pode ser brevemente definido enquanto conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas ações. Além disso, entende-se que atualmente, no período técnico-científico-informacional, a informação é um vetor chave que orienta as ações. Estes são conceitos basilares que norteiam nosso método de interpretação. De acordo com os resultados obtidos, nota-se que as cinco principais empresas de pagamento eletrônico de pedágios sobre as quais a pesquisa se debruça – Sem Parar, ConectCar, Move Mais, Veloe e Taggy – apresentam crescimento nos últimos anos e buscam uma dupla expansão: de mercado, sendo um produto interessante mesmo para motoristas que não precisam trafegar por rodovias pedagiadas constantemente, e de função, se aproximando das empresas de pagamentos móveis de modo geral. Por fim, entende-se que essas novas formas de pagamentos móveis e digitais podem repercutir de múltiplas maneiras nos usos do território brasileiro na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Guilherme Silveira Manocchio, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia da UNESP - Câmpus de Rio Claro.

Bruno Moreira Riani Costa, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Geografia da UNESP - Câmpus de Rio Claro.

Referências

ABRAHÃO, R. S. Intenção de adoção do mobile payment: uma análise à luz das teorias de aceitação e uso de tecnologia. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2015.

ALBUQUERQUE, J.P.; DINIZ, E. H.; CERNEV, A. K. Mobile payments: a scoping study of the literature and issues for future research. Information Development, Thousand Oaks, CA, SAGE Publications, v. 32, 2015. https://doi.org/10.1177/0266666914557338

BCB – Banco Central do Brasil. BC autoriza dois arranjos e uma instituição de pagamentos relacionados ao WhatsApp. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/detalhenoticia/17359/nota. Acesso em 05 abr. 2021.

BERTOLLO, M. A capilarização das redes de informação no território brasileiro pelo smartphone. 2019. 241 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

CERNEV, A. K. Mobile banking no Brasil: eventos críticos, trajetória e cenários esperados. 2010. 378 f. Tese (Doutorado) - Curso de Administração, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2010.

CHESNAIS, F. Mundialização: o capital financeiro no comando. Revista Outubro. São Paulo, n. 5, p. 7-28, 2000.

CONTEL, F. B. Território e finanças: Técnicas, normas e topologias bancárias no Brasil. Tese (Doutorado em Geografia) - Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

COSTA, B. M. R.; GALLO, F. Inflexão do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) e aprofundamento das desigualdades socioespaciais no Brasil. Formação (Online), v. 27, n. 51, p. 33-64, 2020.

CREUZ, V. División financiera del trabajo em sistemas de pagos en Argentina y Brasil. Revista Geográfica Venezolana, Mérida, v. 60, n. 2, p. 430-445, 2019.

DAHLBERG, T. et al. Past, present and future of mobile payments research: a literature review. Eletronic Commerce Research and Applications, v. 7, p. 165- 181, 2008. https://doi.org/10.1016/j.elerap.2007.02.001

FEBRABAN – FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013. Elaborada por: Strategy&, 2013. Disponível em: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Pesquisa%20FEBRABAN%20de%20Tecnologia%20Bancaria_2013.pdf. Acesso em 10 abr. 2021.

FEBRABAN – FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2019. Elaborada por: Deloitte, 2019. Disponível em: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Pesquisa-FEBRABAN-Tecnologia-Bancaria-2019.pdf. Acesso em 10 abr. 2021.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

IRRERA, A. Exclusive: PayPal launches crypto checkout service. Reuters (online), 31 mar. 2021. Disponível em: https://www.reuters.com/article/crypto-currency-paypal-idUSL1N2LR0OD. Acesso em 06 abr. 2021.

ITAÚ S. A. Relatório Anual 2015. São Paulo: Editora Contadino, 2015.

JORGE, R. R. et al. O ecossistema de Fintechs no Brasil. Revista de Casos e Consultoria, Natal, v. 9, n. 3, 2018.

KAHIL, S. P. Psicoesfera: uso corporativo da esfera técnica do território e o novo espírito do capitalismo. Estudos Geográficos, v. 10, n. 2, p. 10-25, 2013.

KIM, C.; MIRUSMONOV, M.; LEE, I.; An empirical examination of factors influencing the intention to use mobile payment. Computers in Human Behavior, v. 26, n. 3, p. 310-322, 2010. https://doi.org/10.1016/j.chb.2009.10.013

MALLAT, N. Exploring counsumer adoption of mobile payment – a qualitative study. The Journal of Strategic Information Systems, v. 16, n. 4, p. 413-432, 2007. https://doi.org/10.1016/j.jsis.2007.08.001

MOLNAR NETO, F. Mobile payment e o caso da Paggo no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Fundação Getúlio Vargas, FGV, São Paulo, 2013.

MOREIRA, Talita. WhatsApp permitirá transferência via cartões. Valor Econômico (online) 31 mar. 2021. Disponível em: https://valor.globo.com/financas/noticia/2021/03/31/whatsapp-permitira-transferencia-via-cartoes.ghtml. Acesso em: 05 abr. 2021.

MOTA, C. V. Pix: como novo meio de pagamento desafia indústria de cartões, maquininhas e grandes bancos. BBC News Brasil. 29 set. 2020. Disponível em https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/09/29/pix-como-novo-meio-de-pagamento-desafia-industria-de-cartoes-maquininhas-e-grandes-bancos.ghtml. Acesso em 30 de set. 2020.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002. (Coleção Milton Santos; 1).

SANTOS, M. et al. O Papel Ativo da Geografia – Um Manifesto. Apresentado pelo Laboratório de Geografia Política e Planejamento Territorial e Ambiental, do Departamento de Geografia – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) no XII Encontro Nacional de Geógrafos. Florianópolis, julho de 2000. Anais…

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6 ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9 ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

STEDA, M. M. V. Políticas do Estado e políticas das empresas: um estudo sobre a internet de banda larga no Brasil. 81 f. Monografia (Graduação em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas: 2012.

VIDEIRA, S. L. Fintechs – novos atores das finanças contemporâneas: um olhar geográfico. Entre-Lugar, v. 11, n. 21, p. 261-284, 2020.

WARF, B. Digitalização, globalização e capital financeiro hipermóvel. Geousp – Espaço e Tempo (online), v. 21, n. 2, p. 397-406, 2017. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.135154

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

Manocchio, F. G. S., Costa, B. M. R., & Gallo, F. (2021). Desdobramentos territoriais da hipercapilaridade dos serviços financeiros digitais: o pagamento automático de pedágios no Brasil. Revista Do Departamento De Geografia, 41(1), e184193 . https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2021.184193

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento