Os usos da discórdia: a territorialidade das torcidas organizadas como pretexto para intervenções público-privadas nos espaços do futebol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2022.203724

Palavras-chave:

Torcidas organizadas, territorialidade, violência, localização

Resumo

As torcidas organizadas de futebol ainda são matérias de interesse e preocupação por parte da sociedade brasileira. A criação de novas leis, forças de segurança e de novos estádios no século XXI não fizeram desaparecer os seus conflitos violentos. O objetivo geral deste artigo é investigar como as torcidas organizadas alteraram suas territorialidades (Sack, 1986) para se adaptar aos novos dispositivos disciplinares (Foucault, 1979). As torcidas organizadas de São Paulo e do Rio de Janeiro foram escolhidas como casos na medida em que está mais avançada a integração dos clubes frente à globalização das práticas do futebol. Foram utilizados os relatórios publicados pelo Juizado Especial do Torcedor e os processos jurídicos cadastrados nos sítios eletrônicos Imprensa Oficial e Jusbrasil como bases de dados. A hipótese de trabalho é a de que as formas mais violentas de territorialidade das torcidas organizadas foram deslocadas na cidade. Ao invés das lesões corporais graves e homicídios ligados ao futebol acontecerem dentro dos estádios ou na área próxima ao evento esportivo, as novas forças e equipamentos de segurança estão ocorrendo em outras partes da cidade, sobretudo nos eixos de transportes. A confirmação desta hipótese ainda não é possível pela pequena sistematização de dados. Porém, esta tendência é apresentada nos discursos realizados tanto pelos representantes das torcidas organizadas quanto pelas porta-vozes das forças policiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALE, J. The Spatial Development of the Modern Stadium. International Review for the Sociology of Sport, Volume 28, Issue 2-3, p. 121-133, 1993.

BUFFORD, B. Entre os vândalos: a multidão e a sedução da violência. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

CNDL; SPC BRASIL. Mercado de consumo do futebol brasileiro. Disponível em: https://bit.ly/3j67Bze . Acesso em: 2022 nov 24.

DIÁRIO DA JUSTIÇA ELETRÔNICO. Juizado do Torcedor completa três anos de atuação. Disponível em: https://www.tjsp.jus.br/Noticias/Noticia?codigoNoticia=50996 . Acesso em 2022 out 10.

DIAS, P. E. Violência persiste seis anos após implantação da torcida única em SP. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 fevereiro 2022.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ELIAS, N; DUNNING, E. The quest for excitement: sport and leisure in the civilising process. Dublin: University College Dublin Press, 2008.

FORÇA JOVEM VASCO. Posicionamento oficial. Disponível em: https://www.facebook.com/forcajovem1970/photos/a.256610808384827/930736070972294/?type=3 . Acesso em: 2022 out 10.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 1979.

GAFFNEY, C; MASCARENHAS, G. The soccer stadium as a disciplinary space. Esporte e Sociedade, nº1, p.1-16, 2005.

HARVEY, D. Globalization and the “spatial fix”. Geographische Revue - Zeitschrift für Literatur und Diskussion, n°2, p. 23-30, 2001.

HOLLANDA, B. B. Torcidas organizadas no Brasil e na França: considerações preliminares para uma comparação. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=199520330038. Acesso em: 2022 nov 21.

MATTOS, R. Após um ano de lei, Brasil já tem 24 clubes SAF e há previsão de expansão. Disponível em: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/colunas/rodrigo-mattos/2022/08/11/apos-um-ano-de-lei-brasil-ja-tem-24-clubes-saf-e-ha-previsao-de-expansao.htm?cmpid=copiaecola . Acesso em 2022 out 10.

MURAD, M. Práticas de violência e mortes de torcedores no futebol brasileiro. Revista USP, nº 99, p. 139-152, 2013.

SACK. R. D. Human territoriality – its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

TAYLOR, P. M. Hillsborough Stadium Disaster Inquiry Report. Disponível em: https://web.archive.org/web/20130619160223/http://www.southyorks.police.uk/sites/default/files/Taylor%20Interim%20Report.pdf . Acesso em 2022 out 10.

TOLEDO, L. H. Torcidas organizadas de futebol. Campinas: Autores Associados/ANPOCS, 1996.

VALVERDE, R. R. H. F. O futebol e suas torcidas organizadas como fenômenos de disputa territorial: a metáfora da guerra. Monografia de conclusão de curso de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999.

VALVERDE, R. R. H. F. Transformações no conceito de território: competição e mobilidade na cidade. GEOUSP - Espaço e Tempo, p. 119-126, 2004.

VALVERDE, R. R. H. F. Supporters et espace public à Rio de Janeiro. Histoire & Sociétés – Revue Européenne d’histoire sociale, v.2, nº18, p. 206-220, 2006.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

Valverde, R. R. H. F. (2022). Os usos da discórdia: a territorialidade das torcidas organizadas como pretexto para intervenções público-privadas nos espaços do futebol. Revista Do Departamento De Geografia, 42, e203724 . https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2022.203724

Edição

Seção

Especial Copa do Mundo 2022: Geografias do Futebol - Conexões Possíveis