Análise espaço-temporal e extrema da erosividade da chuva na região centro-leste do Estado de São Paulo, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2023.205190

Palavras-chave:

Precipitação, RUSLE, Erosão

Resumo

A degradação do solo tem se tornado um dos mais importantes problemas ambientais do mundo devido ao rápido crescimento populacional, intensificação dos processos erosivos e aumento do aquecimento global. Buscando uma maneira eficiente de obtenção de dados para o cálculo da Erosividade o presente estudo tem como objetivo articular as análises dos dados de chuva com as técnicas de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. Foram utilizados 31 postos pluviométricos para aquisição dos dados de superfície, após as classificações anuais, foram selecionados dois anos extremos da erosividade, sendo um ano chuvoso e outro ano seco. Entre os anos extremos selecionados, foi realizada a classificação mensal da perda de solo para os doze meses de cada ano representativo. Por último, foi aplicado o cálculo da perda de solo por meio da RUSLE, com o propósito de mostrar como os valores de erosividade em anos extremos de chuva e de seca contribuem para o processo da perda do solo na área de estudo. Os resultados obtidos, mostram que a erosividade da chuva variou de 4800 a 11100 Mj.mm.ha-1.h-1.ano-1, com a média observada de 7950 Mj.mm.ha-1.h-1.ano-1. A RUSLE estimou perdas médias de solo para a área de 8,2 Mg ha-1 ano-1 e 5,4 Mg ha-1 ano-1 para os anos de 1983 e 2014 respectivamente. Portanto, entender a dinâmica da Erosividade associadas as perdas de solo pode auxiliar no planejamento do manejo sustentável e destaca-se a importância de minimizar a erosão hídrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talyson de Melo Bolleli, Universidade de São Paulo

Doutorando pela Universidade de São Paulo - USP Programa de pós-graduação em ciência da engenharia ambiental. - EESC, Grupo de pesquisa de Planejamento e Gerenciamento de Recursos Hídricos. Núcleo de Hidrometria Escola de Engenharia de São Carlos ? Universidade de São Paulo na área de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto aplicados no mapeamento de processos erosivos, utilizando veículos aéreos não tripulados e imagens de satélite para extração de dados de erosividade das chuvas. Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas. Mestrando em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Alfenas, com o Projeto ESTIMATIVA DA EROSÃO HÍDRICA EM SUB-BACIA HIDROGRÁFICA NOS MUNICÍPIOS DE CAMBUQUIRA E CONCEIÇÃO DO RIO VERDE. Experiência na área de Geografia, Geomorfologia, Recursos Hídricos Climatologia e Geoprocessamento.

Bruno César dos Santos, Universidade de São Paulo

Doutorando em Ciências pela Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo (EESC/USP) ? área de concentração Engenharia Ambiental ? Núcleo de Climatologia aplicado ao Meio Ambiente. Mestre em Ciências ? área de concentração Engenharia Ambiental pela Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo (EESC, 2016). Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG, 2013). Realiza pesquisas nas áreas de Climatologia Aplicada ao Meio Ambiente, Agrometeorologia, Geotecnologias e Educação. Tem experiência como pesquisador e docência na área de educação em Geografia.

Rafael Grecco Sanches, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Geografia pela Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP, Mestrado e Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP) na área de Climatologia Aplicada e pós-graduação em nível de especialização em gestão ambiental pela Unesp, Bauru/SP. Estagiou no ano de 2009 no Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo, projeto demonstrativo da cidade de Jaú/SP.

Rodrigo Martins Moreira, Universidade Federal de Rondônia

Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Rondônia - Campus de Ji-Paraná, fomentando atividades integradoras entre academia, governo e iniciativa privada. Coordenador do Laboratório de Geomática e Estatística (LABGET - UNIR). Líder do Grupo de Pesquisa em Engenharia Ambiental (GPEA-UNIR). Sou um cientista de dados que transforma produtos de sensoriamento remoto multissensores, como Landsat, VIIRS, Sentinel 2, 3 e 5P, MODIS, CHIRPS, TRMM, PERSIANNe e dados censitários em informações espaciais para responder a problemas ambientais complexos relacionados ao uso e ocupação do solo, recursos hídricos, agricultura e saúde pública. Pós-Doutorado em Recursos Naturais - UFMS (2020). Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental - EESC/USP (2017). Mestrado em Ciências Agrárias (2014). Graduação em Saneamento Ambiental (2011) e Bacharel em Gestão Ambiental (2013) pelo IFGoiano - Campus Rio Verde. Domínio sobre Google Earth Engine, R e Python para análises de dados espaciais.

Vandoir Bourscheidt, Universidade Federal de São Carlos

É professor associado do Departamento de Ciências Ambientais (DCAm) e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde atua desde 2013. Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (2006), mestrado (2008) e doutorado (2012) em Geofísica Espacial (concentração em Ciências Atmosféricas) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Foi bolsista de pós-doutorado do grupo de eletricidade atmosférica (ELAT) do INPE até o início de 2013. Foi pesquisador visitante junto ao INRAE (Institut national de recherche pour lagriculture, lalimentation et lenvironnement), Antony, França, entre 2019 e 2020. Atua principalmente na área de ciências atmosféricas e SIGs, com ênfase em temas como: climatologia e hidrologia, formação de tempestades, modelagem hidrológica, sensoriamento remoto e geoprocessamento.

Paulo Henrique de Souza, Universidade Federal de Alfenas

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1993), mestrado em Engenharia Civil - Hidraulica e Saneamento pela EESC/USP (1998), doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental pela EESC/USP (2005) e pós-doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2010). Atualmente exerce pesquisa, extensão e ensino na Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG. Tem experiência na área de Geociências, atuando principalmente nos seguintes temas: climatologia e biogeografia.

Frederico Fábio Mauad, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Engenharia Agrícola (1990), Especialização em Projeto e Construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas - Eletrobrás/UNIFEI, Mestrado em Engenharia Mecânica- Energia pela Universidade Federal de Itajubá (1995), PDEE Junto ao Instituto Superior Técnico - Lisboa 1998 e doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Universidade Estadual de Campinas (2000. Livre-Docente pela Universidade de São Paulo na área de conhecimento de planejamento de sistemas hidroenergéticos (2013) passando a exercer a função de Prof. Assoc MS 5.1 até 2021. Atualmente é Professor Associado da Universidade de São Paulo na função MS 5.3. Membro do Comitê Cientifico do Simpósio da ABRH a partir de 2005 - atual e do Simpósio do ENES a partir de 2007. Coordenador de Projetos de P&D com o setor Elétrico (ANEEL), CNPq, FAPESP, FINEP, FEHIDRO e CAPES. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Hidrologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Estudo de Assoreamento de Grandes Reservatórios, Hidrometria Aplicada, Equipamentos para Análise Quantitativa, Qualitativa e Sedimentometrica, Planejamento e Gerenciamento de Recursos Hídricos, Aporte de Sedimentos, Recursos Hídricos (Quantitativo e Qualitativo), Simulação Computacional e Usos Múltiplos da Água. Na área administrativa da Universidade de São Paulo ocupou o cargo de Diretor do Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada de 2001 a 2007, sendo reeleito para o biênio 2009 a 2011. Eleito Diretor Presidente da Fundação para O Incremento da Pesquisa e Aperfeiçoamento Industrial - FIPAI para o quadriênio 2010-2014 e reeleito para o mesmo cargo para o quadriênio 2014-2018. Eleito Diretor tesoureiro para o quadriênio 2018-2022. A FIPAI é a Fundação de Apoio a Pesquisa da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. Coordenador do curso de Especialização em Educação Ambiental do Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada a partir de 2005. Chefe do Núcleo de Hidrometria do Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada a partir de 2001. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP) eleito para o biênio 2011 a 2013, reeleito para o biênio 2013 a 2015, sendo reconduzido para o biênio 2015 a 2017 sendo eleito para o biênio 2017 a 2019 e reeleito para o biênio 2019-2021. Vice coordenador do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino (PAE) da EESC/USP/CAPES para o período 2014 a 2018. Vice-diretor do Centro de Ciências da Engenharia Aplicadas ao Meio Ambiente para o período 2014/2018, Reeleito Vice-diretor do Centro de Ciências da Engenharia Aplicadas ao Meio Ambiente para o período 2019/2021 . Indicado Diretor Pro Tempore do Centro de Recursos Hídricos e Estudos Ambientais 2018 Eleito pela egrégia congregação da EESC como representante titular da Comissão Permanente de Orçamento e Patrimônio 2021 A 2023. Eleito representante dos Profs Associados junto a egrégia congregação da EESC 2021 a 2023. Membro do corpo editorial de cinco revistas. Parecerista da FAPESP, INEP, FAPEMIG, CNPq, CAPES e revisor de oito revistas. Membro de diversos comitês, organizador e científico, de eventos e congressos.Membro Titular da Comissão Permanente de Orçamento e Patrimonio CPOP da EESC 2022 a 2024. Eleito Diretor Presidente da FIPAI 2022 a 2026.

Referências

ALMEIDA, R. T. S.; CASAROLI, D. Erosividade média e o calendário agrícola da microrregião sudoeste do estado de Goiás. GeoFocus, Revista Internacional de Ciencia y Tecnología de la Información Geográfica, v. 17, p. 26-43, 2016.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, p.711–728, 2013. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

ANDUALEM, T. G.; HAGOS, Y. G.; KEFALE, A.; ZELALEM, B. Soil erosion-prone área identification using multi-criteria decision analysis in Ethiopian highlands. Modeling Earth Systems and Environment, 6, 1407-1418. 2020. https://doi.org/10.1007/s40808-020-00757-2

ANJINHO, P .S.; BARBOSA, M. A. G. A.; COSTA, C. W.; MAUAD, F. F. Environmental fragility analysis in reservoir drainage basin land use planning: A Brazilian basin case study. Land Use Policy, 100, 104946. 2021. https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2020.104946

AQUINO R. F.;, SILVA, M. L. N.; FREITAS, D. A. F.; CURI, N.; MELLO, C. R.; AVANZI, J. C. Spatial variability of the rainfall erosivity in Southern region of Minas Gerais State, Brazil. Ciência e Agrotecnologia, 36:533-542, 2012.

AVANZI, J. C.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; NORTON, L. D.; BESKOW, S.; MARTINS, S. G. Spatial distribution of water erosion risk in a watershed with eucalyptus and Atlantic Forest. Ciência e Agrotecnologia, 37:427-434. 2013.

BATISTA, P. V. G.; SILVA, M. L. N.; SILVA, B. P. C.; CURI, N.; BUENI, I. T.; ACÉRBI, F. W.; JR. DAVIES, J.; QUINTON, J. Modelling spatially distributed soil losses and sediment yield in the upper Grande River Basin - Brazil. Catena, 157, 139-150, 2017. doi: 10.1016/j. catena.2017.05.025

BERTOL, I.; DE MARIA, I. C.; SOUZA, L. S. Manejo e conservação do solo e da água Viçosa, MG: SBCS, 2019.

BERTOL, I.; DE MARIA, L. C.; SOUZA, L. S. Manejo e conservação do solo e da água. Viçosa-MG: SBCS, 2019.

BERTOL, I.; ALMEIDA, J. A. Tolerância de perda de solo por erosão para os principais solos do estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 24: 657-668, 2000. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/ S0100-06832000000300018

BERTOL, O. J.; RIZZI, N. E.; BERTOL, I.; ROLOFF, G. Perdas de solo e água e qualidade do escoamento superficial associadas à erosão entre sulcos em área cultivada sob semeadura direta e submetida às adubações mineral e orgânica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 31:781-792. 2007.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 8.ed. São Paulo: Ícone, 2012, p. 355.

BERTONI, J. C.; TUCCI, C. E. M. Precipitação. In: TUCCI, C.E.M. (Org.). Hidrologia: ciência e aplicação. 4 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH, 2009. p. 177-241.

BESKOW, S.; MELLO, C. R.; NORTON, L. D.; CURI, N.; VIOLA, M. R.; AVANZI, J. C. Soil erosion prediction in the Grande River Basin, Brazil using distributed modeling. Catena, v. 79, n. 1, p. 49-59, 2009. https://doi.org/10.1016/j.catena.2009.05.010

BODIRSKY, B. L.; ROLINSKI, S.; BIEWALD, A.; WEINDL, I.; POPP, A.; LOTZE-CAMPEN, H. Global food demand scenarios for the 21st century. PLoS One, v. 10, n. 11, p. e0139201, 2015.

BÜNEMANN, E. K.; BONGIORNO, G.; BAI, Z.; CREAMER, R. E.; DE DEYN, G.; DE GOEDE, R.; FLESKENS, L.; GEISSEN, V.; KUYPER, T. W.; MÄDER, P.; PULLEMAN, M.; SUKKEL, W.; VAN GROENIGEN, J. W.; BRUSSAARD, L. Soil quality – a critical review. Soil Biol. Biochem. 120, 105–125, 2018. https://doi.org/10.1016/j.soilbio.2018.01.030

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia prática. 2.ed. Interciência: Rio de Janeiro, 2008. 599 p.

CAVALCANTI, I. R. A.; FERREIRA, N. J.; SILVA, M. G. A.; DIAS, M. A. F. S. (Orgs.) Tempo e clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009.

CHALISE, D.; KUMAR, L.; SPALEVIC, V.; SKATARIC, G. Estimation of Sediment Yield and Maximum Outflow Using the IntErO Model in the Sarada River Basin of Nepal. Water 2019, 11, 952, 2019.

CORRÊA, E. A. et al. Influência do cultivo de cana-de-açúcar nas perdas de solo por erosão hídrica em Cambissolos no Estado de São Paulo. Rev. Bras. Geomorfol. São Paulo, v.19, n.2, (Abr-Jun) p.231-243, 2018.

CORVALAN, S. B.; GARCIA, G. J. Avaliação ambiental da APA Corumbataí segundo critérios de erodibilidade do solo e cobertura vegetal. Geociências, v. 30, n. 2, p. 269-283, 2011.

COSTA, C. W.; LORANDI, R.; LOLLO, J. A.; SANTOS, V. S. Potential for aquifer contamination of anthropogenic activity in the recharge area of the Guarani Aquifer System, southeast of Brazil. Groundwater for Sustainable Development, v. 8, p. 10-23. 2018. https://doi.org/10.1016/j.gsd.2018.08.007

COSTA, C. W.; LORANDI, R.; DE LOLLO, J. A.; IMANI, M.; DUPAS, F. A. Surface runoff and accelerated erosion in a peri-urban wellhead area in southeastern Brazil. Environ. Earth Sci. 77, 160. 2018. https://doi.org/10.1007/s12665-018-7366-x

CUNHA, E. R.; BACANI, V. M.; PANACHUKI, E. Modeling soil erosion using RUSLE and GIS in a watershed occupied by rural settlement in the Brazilian Cerrado. Natural Hazards, 85, 851-868, 2017. doi: 10. 1007/s11069-016-2607-3

DAVIS, K. F.; GEPHART, J. A.; EMERY, K. A.; LEACH, A. M.; GALLOWAY, J. N.; D’ODORICO, P. Meeting future food demand with current agricultural resources. Global Environmental Change, v. 39, p. 125-132, 2016.

DECHEN, S. C. F.; TELLES, T. S.; GUIMARAES, M. de F.; MARIA, I. C. De.: “Perdas e custos associados à erosão hídrica em função de taxas de cobertura do solo”. Bragantia, Campinas, v. 74, n. 2, p. 224-233, 2015.

DIMOTTA, A.; LAZZARI, M.; COZZI, M.; ROMANO, S. Soil Erosion Modelling on Arable Lands and Soil Types in Basilicata, Southern Italy; ICCSA 2017, Part V, Lecture Notes in Computer Science LNCS, 10408; Gervasi, O., Ed.; Springer: Cham, Switzerland; pp. 57–72. 2017.

ESRI, Environmental Systems Research Institute - Inc. ARCGIS Professional GIS for the desktop version 10.3. Redlands, California, EUA, Software, 2015.

FARIAS, O. G.; FRANCISCO, C. N.; SENNA, M. C. A. Avaliação de métodos de interpolação espacial aplicados à pluviosidade em região montanhosa no litoral sul do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Climatologia, v. 21, p.172-185, 2017.

GREINER, L.; KELLERA, A.; GRÊT-REGAMEYB, A.; PAPRITZC, A. Soil function assessment: review of methods for quantifying the contributions of soils to ecosystem services. Land Use Policy, 69:224-237, 2017.

GUERRA, A. J. T.; COELHO, M. C. N.; MARÇAL, M. S. Açailândia: Uma Cidade Ameaçada pela Erosão. Revista Ciência Hoje, Campinas v. 23, n. 138, p.36-45, 2005.

HAMIDOV, A. et al. Impacts of climate change adaptation options on soil functions: A review of European case‐studies. Land DegradDev., 29, 2378-2389. 2018.

HANJRA, M. A.; QURESHI, M. E. Global water crisis and future food security in an era of climate change. Food Policy, v. 35, n. 5, p. 365-377, 2010

HAZBAVI, Z.; AZIZI, E.; SHARIFI, Z.; ALAEI, N.; MOSTAFAZADEH, R.; BEHZADFAR, M.; SPALEVIC, V. Comprehensive estimation of erosion and sediment components using IntErO model in the KoozehTopraghi Watershed, Ardabil Province. Environ. Eros. Res. J. 2020, 10, 92–110, 2020.

HERNANI, L. C.; FREITAS, P. L.; PRUSKI, F. F.; MARIA, I. C. de; CASTRO FILHO, C.; LANDERS, J. C. A erosão e seu impacto. p. 47-60. In: MANZATTO, C. V.; FREITAS JÚNIOR, E.; PERES, J. R. R. (eds.) Uso agrícola dos solos brasileiros. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2002. 174p.

KHALEDI DARVISHAN, A.; MOHAMMADI, M.; SKATARIC, G.; POPOVIC, S.; BEHZADFAR, M.; SAKUNO, N.; MINCATO, R.; SPALEVIC, V. Assessment of soil erosion, sediment yield and maximum outflow, using IntErO model (Case study: S8-IntA Shirindarreh Watershed, Iran). Agriculture and Forestry, 65 (4), 203-210. 2019.

LAL, R. Soil conservation and ecosystem services. International Soil and Water Conservation Research, 2: 36-47, 2014. Doi: https://doi. org/10.1016/S2095-6339(15)30021-6.

LOMBARDI NETO, F.; MOLDENHAUER, W. C. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com perdas de solo em Campinas, SP. Bragantia, v. 51, p. 189-96. 1992.

MACHADO, D. O.; ALVES-SOBRINHO, T.; RIBEIRO, A. D. S.; IDE, C. N.; OLIVEIRA, P. T. S. Erosividade da chuva para o bioma Pantanal. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 19, n. 2, p. 195-201, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522014000200010

MANNIGEL, A. R. et al. Fator erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 5, p. 1335-1340, 2002.

MAPBIOMAS. Coleção da série annual de mapas de cobertura e uso do solo no Brasil. 2019. Disponível em: <http://mapbiomas.org.br> Acesso em: 24/04/2021.

MEDEIROS, Grasiela de Oliveira Rodrigues; GIAROLLA, Angélica; SAMPAIO, Gilvan; MARINHO, Mara de Andrade. Estimativas das taxas anuais de perda de solo no Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Ciênc. Solo [online]. 2016, vol.40 Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-06832016000100551&lng=en&nrm=iso>. Epub 19 de dezembro de 2016. ISSN 1806-9657. https://doi.org/10.1590/18069657rbcs20150497 .

MELLO, C. R.; SÁ, M. A. C.; CURI, N.; MELLO, J. M.; VIOLA, M. R.; SILVA, A. M. Erosividade mensal e anual da chuva no Estado de Minas Gerais. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 4, p. 537-545, 2007.

MERTEN, G. H.; MINELLA, J. P. G. The expansion of Brazilian agriculture: Soil erosion scenarios. International Soil and Water Conservation Research, Amsterdam, v. 1, n. 3, p. 37-48, 2013.

MICHETTE, J. F. Modelos de previsão de erosão pluvial utilizando SIG: estudo na bacia hidrográfica da Represa do Lobo (Broa), SP. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geotecnia. Escola de Engenharia de São Carlos. São Carlos. 275 p. 2015.

MITASOVA, H.; MITAS, L.; BROWN, W. M.; JOHNSTON, D. M. Terrain modeling and soil erosion simulations for fort hood and fort Polk test areas. Geographic Modeling and Systems Laboratory, University of Illinois, 1999. http://fatra.cnr.ncsu.edu/~hmitaso/gmslab/reports/cerl99/ rep99.html

MONTEIRO, C. A. F. A Dinâmica Climática e as Chuvas no Estado de São Paulo: estudo geográfico sob a forma de atlas. São Paulo: USP/IG, 1973.

MOREIRA, M. C.; CECÍLIO, R. A.; PINTO, F. A. C.; PRUSKI, F. F. Desenvolvimento e análise de uma rede neural artificial para estimativa da erosividade da chuva para o Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 6, p. 1069-1076, 2006.

MORUZZI, R. B.; OLIVEIRA, S. C. Relação entre intensidade, duração e freqüência de chuvas em Rio Claro, SP: métodos e aplicação. Teoria e Prática na Engenharia Civil, n. 13, p. 59-68, 2009.

Nachtigall, S. D. et al. Modelagem espacial da erosão hídrica do solo associada à sazonalidade agroclimática na região sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.25, n.6, p. 933-946, 2020.

NEARING, M. A.; JETTEN, V.; BAFFAUT, C.; CERDAN, O.; COUTURIER, A.; HERNANDEZ, M.; LE BISSONNAIS, Y.; NICHOLS, M. H.; NUNES, J. P.; RENSCHLER, C. S.; SOUCHÈRE, V.; VAN OOST, K. Modeling response of soil erosion and runoff to changes in precipitation and cover. Catena, 61(3), 131-154, 2005. doi: 10.1016/j.catena.2005.03.007

NIKOLIC, G.; SPALEVIC, V.; CUROVIC, M.; KHALEDI DARVISHAN, A.; SKATARIC, G.; PAJIC, M.; KAVIAN, A.; TANASKOVIK, V. Variability of Soil Erosion Intensity Due to Vegetation Cover Changes: Case Study of Orahovacka Rijeka, Montenegro. Not. Bot. Horti Agrobot. Cluj-Napoca 2018, 47, 237–248, 2018.

OLIVEIRA, J. P. B.; CECÍLIO, R. A.; PRUSKI, F. F.; ZANETTI, S. S.; MOREIRA, M. C. Assessing the use of rainfall synthetic series to estimate rainfall erosivity in Brazil. Catena, v. 171, p. 327-336, 2018.

OLIVEIRA, P. T. S.; WENDLAND, E.; NEARING, M. A. Rainfall erosivity in Brazil: A review. Catena, v. 100, p. 139-147, 2013. https://doi.org/10.1016/j.catena.2012.08.006

OLIVETTI, D.; MINCATO, R. L.; AYER JEB; SILVA, M. L. N.; CURI, N. Spatial and temporal modeling of water erosion in dystrophic red Latosol (oxisol) used for farming and cattle raising activities in a sub-basin in the south of Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia. 39: 58-67, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542015000100007

PANAGOS, P.; BORRELLI, P.; POESEN, J.; BALLABIO, C.; LUGATO, E.; MEUSBURGER, K.; MONTANARELLA, L.; ALEWELL, C. The new assessment of soil loss by water erosion in Europe. Environ. Sci. Pol. 54, 438–447. 2015.

PENTEADO, M. M. Geomorfologia do Setor Centro-Ocidental da Depressão Periférica Paulista (Tese de Doutorado). São Paulo: Instituto de Geografia-USP, 1976.

PIMENTEL, D. Soil Erosion: A Food and Environmental Threat. Environment, Development and Sustainability, 8:119-137, 2006.

PINHEIRO, M. R.; QUEIROZ NETO, J. P. Reflexões sobre a gênese da Serra Geral e da Depressão Periférica Paulista: O exemplo da região da Serra de São Pedro e do Baixo Piracicaba, SP. Revista do Instituto Geológico, v. 35, n. 1, p. 47-59, 2014.

PRUSKI, F. F. Conservação de solo e água: Práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. 2 ed. Viçosa: Ed. UFV. 279 p., 2009.

REBOITA, M. S.; KRUSCHE, N.; AMBRIZZI, T.; ROCHA, R. P. . Entendendo o tempo e o clima na América do Sul. Terrae Didatica, v. 8, n. 1, p. 34–50, 2012.

RENARD, K. G.; FREIMUND, J. R. Using monthly precipitation data to estimate the R-factor in the revised USLE. Journal of Hydrology, v. 157, n. 1-4, p. 287-306, 1994. https://doi.org/10.1016/0022-1694(94)90110-4

ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 10, p. 41-58, 2011.

ROSSI, M. Mapa pedológico do Estado de São Paulo: revisado e ampliado. São Paulo: Instituto Florestal, 1, 118. 1997.

SANCHES, R. G.; NEVES, G. Z. F.; SANTOS, B. C. et al. Intense Rainfall in São Carlos/SP: Determination of Threshold Values Using Climate Indices and Their Spatio-Temporal Repercussion. American Journal of Climate Change, v. 07, p. 388, 2018.

SANCHES, R. G.; SANTOS, B. C. D.; MIANI, R. S. et al. Analysis of Daily Rainfall in São Carlos/SP, Brazil over 1979-2017 Using Laplace Trend Test. Journal of Geoscience and Environment Protection, v. 8, n. 7, p. 104–125, 2020. Scientific Research Publishing.

SANTA’ANNA NETO, J. L.: A erosividade das chuvas no estado de São paulo. Revista do Departamento de Geografia, 9, 35-49, 1995. https://doi.org/10.7154/RDG.1995.0009.0004

SANT'ANNA NETO, J. L. Dinâmica atmosférica e caráter transicional do clima na zona costeira paulista. Revista do Departamento de Geografia, v. 8, p. 35- 49, 2011a.

SANTOS, B. C. ; FONTÃO, P. A. B.; SOUZA, P. H. O efeito do relevo nas chuvas na porção central do Estado de São Paulo em anos padrão extremos. Revista do Departamento de Geografia, 40, 132-147, 2020.

SANTOS, B. C.; SOUZA, P. H.; SANCHES, R. G.; BOLLELI, T. M.; TECH, A. R. B. O efeito do Planalto Ocidental Paulista na Variabilidade e nos Anos Extremos das Chuvas no período de 1979-2019. Caderno de Geografia, v. 31, Número Especial 2, p. 168-186, 2021.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; ARAUJO, J. C.; OLIVEIRA, J. B.; CUNHA, T. J. F. Sistema brasileiro de classificação de solos (5a ed. rev. ampl.). EMBRAPA, 2018.

SÃO PAULO . Resolução SMA Nº 88, de 19 de dezembro de 2008. Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo. https://www.infraestruturameio ambiente. sp.gov.br/ legislacao/2008/12/resolucao- sma-88-2008/

SILVA, A. M. Rain fall erosivity map for Brazil. Catena. Amsterdam, v.57, n.3, 2004, p.251-259.

SILVA, F. G. B.; MINOTTI, R. T.; LOMBARDI, F.; NETO, PRIMAVESI, O.; CRESTANA, S. Previsão da perda de solo na Fazenda Canchim - SP (EMBRAPA) utilizando geoprocessamento e o USLE 2D. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 15(2), 141-148, 2010. doi: 10.1590/S1413-4152201000020000

SPALEVIC, V.; BAROVIC, G.; VUJACIC, D.; CUROVIC, M.; BEHZADFAR, M.; DJUROVIC, N.; DUDIC, B.; BILLI, P. The Impact of Land Use Changes on Soil Erosion in the River Basin of Miocki Potok, Montenegro. Water, 12, 2973. 2020.

TAVARES, A. C.; REYNALDO, N. A.; DONATTO, M. C. B. D. C.; CRUZ, M. P. O Uso da Análise Episódica na Caracterização de Aspectos Topoclimáticos da Serra de Itaqueri-SP. Boletim de Geografia - UEM, v. 3, n. 3, p. 84-108, 1985.

TREVISAN, D. P.; RUGGIERO, M. H.; BISPO, P. D. C.; ALMEIDA, D.; IMANI, M.; BALZTER, H.; MOSCHINI, L. E.: Evaluation of Environmental Naturalness: A Case Study in the Tietê-Jacaré Hydrographic Basin, São Paulo, Brazil. Sustainability, 13, 3021, 2021. https://doi.org/10.3390/su13063021

VALIN, H.; SANDS, R. D.; VAN DER MENSBRUGGHE, D.; NELSON, G. C.; AHAMMAD, H.; BLANC, E.; BODIRSKY, B.; FUJIMORI, S.; HASEGAWA, T.; HAVLIK, P.; HEYHOE, E.; KYLE, P.; MASON-D'CROZ, D.; PALTSEV, S.; ROLINSKI, S.; TABEAU, A.; VAN MEIJL, H.; VON LAMPE, M.; WILLENBOCKEL, D. The future of food demand: understanding differences in global economic models. Agricultural Economics, 45: 51-67, 2014. https://doi.org/10.1111/agec.12089

VERMEULEN, S. et al. A global agenda for collective action on soil carbon. Nat. Sustain. 2, 2–4. 2019.

VIOLA, M. R.; AVANZI, J. C.; MELLO, C. R. D.; LIMA, S. D. O.; ALVES, M. V. G. Distribuição e potencial erosivo das chuvas no Estado do Tocantins. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 49, p. 125-135, 2014.

WALTRICK, P. C.; MELLO MACHADO, M. A.; DIECKOW, J.; OLIVEIRA, D. Estimativa da erosividade de chuvas no estado do Paraná pelo método da pluviometria: atualização com dados de 1986 a 2008. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 39, n. 1, 2015

WISCHMEIER, W. H.; SMITH, D. D. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning. United States Department of Agriculture (USDA), Agricultural Research Service, Handbook No.537. United States Government Printing Office, Washington, DC, p 58. 1978.

YANG, D.; KANAE, S.; OKI, T.; KOIKE, T.; MUSIAKE, K. Global potential soil erosion with reference to land use and climate changes. Hydrological Processes, v. 17, n. 14, p. 2913-2928, 2003.

ZILLI, M. T.; CARVALHO, L. M. V.; LIEBMANN, B.; SILVA DIAS, M. A. A comprehensive analysis of trends in extreme precipitation over southeastern coast of Brazil. International Journal of Climatology, v. 37, n. 5, p. 2269–2279, 2017.

Downloads

Publicado

2023-09-04

Como Citar

Bolleli, T., Santos, B., Sanches, R., Moreira, R., Bourscheidt, V., Souza, P. H. de, & Mauad, F. (2023). Análise espaço-temporal e extrema da erosividade da chuva na região centro-leste do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Do Departamento De Geografia, 43, e205190 . https://doi.org/10.11606/eISSN.2236-2878.rdg.2023.205190

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)