DEFININDO O CARÁTER DE PAISAGENS ETNOGRÁFICAS: A COLÔNIA FAZENDA TRÊS BARRAS NO PARANÁ

Autores

  • Bruno José Rodrigues Frank Universidade Estadual de Londrina
  • Humberto Tetsuya Yamaki Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.11606/rdg.v27i0.466

Palavras-chave:

Paisagem Etnográfica, BRATAC, Fazenda Três-Barras, imigrantes japoneses, Companhia de colonização

Resumo

O artigo analisa os elementos e processos que influem na definição do caráter de paisagem etnográfica, entendida como a associação de determinada comunidade em determinado espaço geográfico. Procuramos aplicar um método de análise de paisagem etnográfica através do estudo de componentes. A Fazenda Três-Barras foi um projeto de colonização da Sociedade Colonizadora do Brasil-BRATAC. Esta companhia, de capital japonês, vinha atuando no Brasil desde 1924 com empreendimentos de colonização no Estado de São Paulo. A companhia possuía uma série de diretrizes de implantação de seus projetos, passando pelo planejamento, execução e organização. Essas diretrizes procurava evocar em certos aspectos a paisagem da terra natal na espacialização do território. Buscando um caminho para identificação e caracterização de paisagens etnográficas através de atributos como coerência, legibilidade, continuidade e distinção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno José Rodrigues Frank, Universidade Estadual de Londrina

Mestrando em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina

Humberto Tetsuya Yamaki, Universidade Estadual de Londrina

Professor Titular do curso de Arquitetura  e do programa de pós-graduação em Geografia na Universidade Estadual de Londrina

Downloads

Publicado

2014-07-10

Como Citar

Frank, B. J. R., & Yamaki, H. T. (2014). DEFININDO O CARÁTER DE PAISAGENS ETNOGRÁFICAS: A COLÔNIA FAZENDA TRÊS BARRAS NO PARANÁ. Revista Do Departamento De Geografia, 27, 196-210. https://doi.org/10.11606/rdg.v27i0.466

Edição

Seção

Artigos