Accountability para a razoabilidade nos litígios de saúde: uma proposta de controle procedimental

Autores

  • Caroline Somesom Tauk Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/RJ, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v20i3p114-138

Palavras-chave:

Accountability for Reasonableness, Direito Constitucional, Litígios de Saúde

Resumo

O artigo examinou o critério procedimental baseado na accountability para a razoabilidade (accountability for reasonableness) como um método auxiliar ao controle jurisdicional nos litígios de saúde, sobretudo diante da criação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde. Estudou-se como o influxo do pragmatismo na atuação das cortes sugere um modelo judicial diverso para a concretização do direito à saúde, na tentativa de desjudicializar o debate e diminuir os riscos à equidade na distribuição dos recursos. Utilizaram-se dados empíricos colhidos por meio de revisão bibliográfica para análise da atuação concreta da Comissão. Concluiu-se que o maior controle jurisdicional do procedimento de tomada de decisão do administrador acerca da inclusão de medicamento nas listas públicas pode ser uma postura judicial pragmática tendente a produzir melhores resultados, ao exigir que a administração pública preste contas de sua atuação e demonstre as razões das decisões alocativas na assistência farmacêutica, bem como ao estimular a participação social no procedimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Somesom Tauk, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Master in Public Law by the Universidade do Rio de Janeiro (UERJ). Visiting scholar at Columbia Law School (New York, United States). Federal Judge.

Referências

BARCELLOS, Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais: o princípio da dignidade da pessoa humana. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

BARCELLOS, Ana Paula de. Constitucionalização das políticas públicas em matéria de direitos fundamentais: o controle político-social e o controle jurídico no espaço democrático. In: SARLET, Ingo Wolfgang; TIMM, Luciano Benetti (Orgs.). Direitos fundamentais, orçamento e reserva do possível. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

BARROSO, Luís Roberto. Da falta de efetividade à judicialização excessiva: direito à saúde, fornecimento gratuito de medicamentos e parâmetros para a atuação judicial. Jurisp. Mineira, Belo Horizonte, ano 60, n. 188, p. 29-60, jan./mar. 2009.

BRANDÃO, Rodrigo. Supremacia judicial versus diálogos constitucionais: a quem cabe a última palavra sobre o sentido da Constituição? Rio de Janeiro: Lumen Iuris, 2012.

CAETANO, Rosângela; SILVA, Rondineli Mendes da; PEDRO, Érica Militão; OLIVEIRA, Ione Ayala Gualandi de Oliveira, BIZ, Aline Navega; SANTANA, Pamela. Incorporação de novos medicamentos pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS, 2012 a junho de 2016. Rev. Ciência e Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p.2513-2525, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v22n8/1413-8123-csc-22-08-2513.pdf. https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.02002017.

CHIEFFI, Ana Luiza; BARRADAS, Rita De Cassia Barata; GOLBAUM, Moisés. Legal access to medications: a threat to Brazil’s public health system? Health Serv. Res., v.17, n. 499, p. 1-12, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5517947/. Acesso em: 09 out. 2018. https://doi.org/10.1186/s12913-017-2430-x.

COMISSÃO NACIONAL DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – CONITEC. Disponível em: http://conitec.gov.br.

COMISSÃO NACIONAL DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – CONITEC. Nota de esclarecimento à Interfarma. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/pdf/Esclarecimentos_Interfarma.pdf. Acesso em: 14 out. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA – CNJ. I Jornada de Direito da Saúde – A justiça faz bem. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2014/03/ENUNCIADOS_APROVADOS_NA_JORNADA_DE_DIREITO_DA_SAUDE_%20PLENRIA_15_5_14_r.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA – CNJ. II Jornada de Direito da Saúde – A justiça faz bem. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/conteudo/destaques/arquivo/2015/05/96b5b10aec7e5954fcc1978473e4cd80.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

DANIELS, Norman. Accountability for reasonableness: establishing a fair process for priority setting is easier than agreeing on principles. BMJ, v. 321, n. 7272, p. 1300-1301, 25, Nov.2000. https://doi.org 10.1136/bmj.321.7272.1300.

DANIELS, Norman. Just health: meeting health needs fairly. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

DANIELS, Norman; SABIN, James E. Setting limits fairly: can we learn to share medical resources? New York, NY: Oxford University Press, 2002.

EBADOLAHI, Mitra. Using Structural Interdicts and the South African Human Rights Commission to Achieve Judicial Enforcement of Economic and Social Rights in South Africa. New York University Law Review, v. 83, n. 5, p. 1565-1606, 2008. Disponível em: https://www.nyulawreview.org/wp-content/uploads/2018/08/NYULawReview-83-5-Ebadolahi.pdf.

FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Between usurpation and abdication? The right to health in the Courts of Brazil and South Africa. University of Warwick School of Law, 2009. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1458299. Acesso em: 09 out. 2018. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1458299.

FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Harming the poor through social rights litigation: lessons from Brazil. Texas Law Review, v. 89, p. 1642-1668, 2011. Disponível em: https://texaslawreview.org/wp-content/uploads/2015/08/Ferraz-89-TLR-1643.pdf.

FRIEDMAN, Alex. Beyond accountability for reasonableness. Bioethics, v. 22, n. 2, p. 101-112, 2008. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-8519.2007.00605.x.

HOGG, Peter W.; BUSHELL, Alison A. The Charter dialogue between courts and legislatures (or perhaps the charter isn’t such a bad thing after all). Osgoode Hall Law Journal, v. 35, n. 1, p. 75-124, 1997. https://digitalcommons.osgoode.yorku.ca/cgi/viewcontent.cgi?article=1612&context=ohlj&httpsredir=1&referer=.

JORDÃO, Eduardo. Controle Judicial de uma administração pública complexa: a experiência estrangeira na adaptação da intensidade do controle. São Paulo: Malheiros Editores; SBDP, 2016.

KOMESAR, Neil. Imperfect alternatives: choosing institutions in law, economics, and public policy. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

MACHADO, Marina Amaral de Avila et al. Judicialização do acesso a medicamentos no Estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 45, n. 3, p. 590-598, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/v45n3/2403.pdf.

MENDONÇA, José Vicente Santos de. Direito constitucional econômico: a intervenção do Estado na economia à luz da razão pública e do pragmatismo. Belo Horizonte: Forum, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Balanço Conitec: 2012-2014. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: www.conitec.gov.br. Acesso em: 09 out. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Brasil 2015/2016: uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus Zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2017.

MUNIZ, Mariana. Cármen defende urgência em casos sobre direito à saúde. Presidente do STF se reuniu com representantes da indústria farmacêutica. Jota, 05 dez. 2017. Disponível em: https://www.jota.info/paywall?redirect_to=//www.jota.info/jotinhas/carmen-defende-alternativas-para-judicializacao-da-saude-05122017. Acesso em: 09 out. 2018.

PEREIRA, Viviane Cássia; SALOMON, Flávia Cristina Ribeiro; SOUZA, Andrea Brígida de. Critérios para decisões sobre incorporação de tecnologias em saúde no Brasil e no mundo. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 6, v. 4, p. 3066-3093, out. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Samsung/AppData/Local/Temp/3313-Texto%20do%20artigo-5844-1-10-20170920.pdf.

POGREBINSCHI, Thamy. Pragmatismo: teoria social e política. Rio de Janeiro: Relume Demará, 2005.

POSNER, Richard. A what has pragmatism to offer law. Southern California Law Review, v. 63, n. 1653-1670, 1989-1990. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/4880/3eecdcb20b0bbd1510890fdc6b9369ad48b2.pdf.

POSNER, Richard. A. Law, pragmatism and democracy. Cambridge: Harvard University Press, 2003.

RABELO, Roberta Buarque; PETRAMALE, Clarice Alegre; SILVEIRA, Lívia Costa da; SANTOS, Vania Cristina Canuto; GONÇALVES, Helcio Caixeta. A comissão nacional de incorporação de tecnologias no SUS: um balanço dos primeiros anos de atuação. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 6, n. 4, p. 3225-3240, out. 2015. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/3326/3012.

RID, Annette. Justice and procedure: how does "Accountability for Reasonableness" Result in fair limit-setting decisions? Journal of Medical Ethics, v. 35, n. 1, p. 12-16, Feb. 2009. http://dx.doi.org/10.1136/jme.2008.024430.

SCHAPIRO, Mario G. Discricionariedade desenvolvimentista e controles democráticos: uma tipologia dos desajustes. Revista Direito GV, v. 12, n. 2, p. 311-344, maio/ago. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rdgv/v12n2/1808-2432-rdgv-12-2-0311.pdf.

SYRETT, Keith. Health technology appraisal and the courts: accountability for reasonableness and the judicial model of procedural justice. Health Economics, Policy and Law, n. 6, p. 469-488, 2010. https://doi.org/10.1017/S174413311000022.

TUSHNET, Mark. Weak courts, strong rights: judicial review and social welfare in comparative constitutional law. Princeton: Princeton University Press, 2007.

VIEIRA, Fabiola Sulpino; ZUCCHI, Paola. Distorções causadas pelas ações judiciais a política de medicamentos no Brasil. Rev. de Saúde Pública, vol. 41, n.2, p. 215-222, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v41n2/5587.pdf. Acesso em: 09 out. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000200007.

WANG, Daniel Wei Liang. Can litigation promote fairness in healthcare?: the judicial review of rationing decisions in Brazil and England. 2013. Tese (Doutorado) - Department of Law. The London School of Economics and Political Science, London, 2013.

YUBA, Tania Yuka; NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh; SOÁREZ, Patrícia Coelho de. Challenges to decision-making processes in the national HTA agency in Brazil: operational procedures, evidence use and Recommendations. Health Res. Policy and Syst., v. 16, n. 1, May 2018. https://doi.org/10.1186/s12961-018-0319-8.

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Tauk, C. S. . (2020). Accountability para a razoabilidade nos litígios de saúde: uma proposta de controle procedimental . Revista De Direito Sanitário, 20(3), 114-138. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v20i3p114-138

Edição

Seção

Artigos Originais