Memorias de los “afectados” por la central hidroeléctrica de Tucuruí (Pará, Brasil)

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.14201/reb2021816171186

Palabras clave:

Grandes Proyectos, Hidroeléctrica Tucuruí, Movimientos Sociales

Resumen

El artículo aborda la lucha del Movimiento de Expropiados por la central hidroeléctrica de Tucuruí, que, en los años 1970-1980, resistió a la acción del Estado y del capital que demandaban energía para los grandes proyectos de la Amazonia brasileña. Así, se presentan los hechos ocurridos en aquella época, desde el punto de vista de los afectados. Se trata de un trabajo que busca rescatar la memoria de ese movimiento a partir de testimonios, documentos, artículos periodísticos y registros fotográficos, con el objetivo de acercar las luchas, la resistencia y las dificultades de los “excluidos de la historia”, silenciados por el poder hegemónico y penalizados por la implantación de ese emprendimiento. El análisis realizado ha permitido recomponer una parte de la historia silenciada durante décadas, contribuyendo al cuestionamiento de la “jerarquía de credibilidad” y propiciando, a través de la investigación, el derecho a la voz de estos sujetos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

José Carlos Matos Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doctor en Ciencias Sociales por el programa de postgrado en Ciencias Sociales de la Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, Brasil). Investigador del programa Memória de los Movimientos Sociales en el Colégio Brasileiro de Altos Estudos de la Universidade Federal do Rio de Janeiro (MEMOV/CBAE/UFRJ, Brasil).

Citas

Acselrad, H. (1991). Planejamento autoritário e desordem socioambiental na Amazônia: crônicas do deslocamento da população de Tucuruí. Revista de Administração Pública, 25(4), 53-68.

Albrás (1985). O novo ciclo da Amazônia. O Diário do Pará, Belém, p. 5, 25 out..

Anderson, B. (2008). Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras.

Arca. (1982). Boletim Informativo dos moradores da área do reservatório de Tucuruí, nº 1, Tucuruí, Pará, 08 set. Recuperado de [https://drive.google.com/file/d/10ZYKFklzf4DXa-shF-D8a_UbB5-hmGym/view]. Consultado [07-04-2018].

Bosi, E. (1979). Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz.

Becker, H. (1977). Uma teoria da ação coletiva. Rio de Janeiro: Zahar.

Cândido, A. (1971). Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Duas Cidades.

Carta à Eletronorte dos Lavradores da Transamazônica, Marabá, Pará. (1980, 09 jan.). Recuperado de [https://drive.google.com/file/d/1yHipX3DhhpChJT7dsJALuzogJJ7_ks-7/view]. Consultado [09-07-2018].

Castro, E. (1995). Industrialização, transformações sociais e mercado de trabalho. In E. Moura & M. L. Maia (Ed.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço (pp. 91-120). Belém: Edufpa.

Chaui, M. (1979). Apresentação. Os trabalhos da Memória. In E. Bosi. Memória e sociedade: lembranças de velhos (pp. XVII-XXXII). São Paulo: T. A. Queiroz.

Denúncia e reivindicações da população dos Varzanteiros de Itupiranga, Tauri e moradores das localidades da Rainha e Mocajuba direita, atingidos pelo projeto da hidrelétrica de Tucuruí - Reservatório - Documento III. Comissão dos Atingidos pela Eletronorte (1982, 02 jun.). Itupiranga, Pará. Recuperado de [https://drive.google.com/file/d/1MGMAHSpe5UwOwjOyHOmWODS4620_V9A-/view]. Consultado [20-06-2018].

Encontro de Lavradores, agentes e advogados da área do GETAT (1982, 10-12 de dez.). Tucuruí, Pará. Recuperado de [https://drive.google.com/file/d/1vXVybso3oosabWuII0FMJNvQAepbRhxm/view]. Consultado [11-08-2018].

Esclarecimentos da Eletronorte (1982, 16 set.). A província do Pará, Belém.

Decreto nº 78.659 de 1º de novembro de 1976. (1976). Declarou de utilidade pública terras e benfeitorias nos municípios de Bagre, Itupiranga, Jacundá, Marabá, São Domingos do Capim e Tucuruí, no Estado do Pará, para que fosse implantado o canteiro de obras, unidades de serviços e a formação do lago da hidrelétrica.

Decreto nº 63.952, de 31 de dezembro de 1968 (1968). Que cria no Ministério das Minas e Energia, o ENERAM e determina as suas atribuições. Dentre elas, o de realizar “estudos para o suprimento de energia elétrica nos principais polos de desenvolvimento daquela região”.

Halbwachs, M. (1990). A memória coletiva. São Paulo: Vértice.

Hartog, F. (2014). Regimes de historicidade: presentismo e experiência do tempo. Belo Horizonte: Autêntica.

Informativo Itupiranga (1979, 03 mai.)., Itupiranga, Pará, nº 4. Recuperado de [https://drive.google.com/file/d/1r7_OjGbNM2Vin1Wil9__ZqdzPY1WQSCZ/view]. Consultado [13-07-2018].

Joutard, P. (2007). Reconciliar história e memória. Escritos: revista da casa de Rui Barbosa, 1(1), 223-235.

Le Goff, J. (1990). História e memória. São Paulo: Edunicamp.

Magalhães, S. B. (2007). Lamento e dor: uma análise sócio-antropológica do deslocamento compulsório provocado pela construção de barragens. Tese de doutorado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Martins, J. S. (2009). Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto.

Martins, J. S. (2008). Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto.

Oliveira, M. H. (2018). Expropriados: a história de um povo sofrido. Literatura de cordel, Novo Repartimento, Pará.

Pereira, A. R. (2013). A luta pela terra no sul e sudeste do Pará: migrações, conflitos e violência no campo. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Polanyi, K. (1980). A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 5(10), 1-15.

Pollak, M. (1989). Memória, silêncio, esquecimento. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Queiroz, M. I. (1988). Relatos orais: do “indizível ao “dizível”. Enciclopédia Aberta de Ciências sociais (Vol. 5, pp. 14-43). São Paulo: Vértice.

Ricoeur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp.

Sigaud, L. (1986). Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. Comunicação, n. 9, programa de pós-graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Rio de Janeiro.

Silva, I. S. (2010). Fronteira cultural: a alteridade maranhense no sudeste do Pará (1970-2008). Tese de doutorado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.

Silva, M. P. (2009). O bispo de Juazeiro e a ditadura militar. In G. C. Zachariades (Ed.). Ditadura militar na Bahia: novos olhares, novos objetivos, novos horizontes (pp. 241-258). Salvador: Edufba. Recuperado de [http://books.scielo.org/]. Consultado [17-02-2018].

Trindade Jr, S. C. (2010), Cidades na floresta: os “grandes objetos” como expressões do meio técnico-científico informacional no espaço amazônico. Revista IEB, nº 30, 113-137.

Trindade Jr, S. C., Silva, M. A., & Amaral, M. D. (2008). Das “janelas” às “portas” para os rios: compreendendo as cidades ribeirinhas na Amazônia. In M. G. Tavares (Ed.). Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências (pp. 27-47). Belém: Edufpa.

Velho, O. G. (1979). Capitalismo autoritário e campesinato. Rio de Janeiro: Difel.

Publicado

2021-08-24

Cómo citar

Pereira, J. C. M. (2021). Memorias de los “afectados” por la central hidroeléctrica de Tucuruí (Pará, Brasil). Revista De Estudios Brasileños, 8(16), 171-186. https://doi.org/10.14201/reb2021816171186

Número

Sección

Dossier