SESSÃO ESPECIAL - FAST TRACK SEMEAD: ANTECEDENTES DO CONFLITO TRABALHO-FAMÍLIA: DIFERENÇAS ENTRE A PERCEPÇÃO DE HOMENS E MULHERES NAS MELHORES EMPRESAS PARA VOCÊ TRABALHAR

  • Érica Custódia de Oliveira Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administra¸cão e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil
  • Angela Christina Lucas Centro Universitário Funda¸cão Educacional Inaciana, São Bernardo do Campo, SP, Brasil
  • Tania Casado Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administra¸cão e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil
Palavras-chave: Antecedentes, Conflito trabalho-família, Mulheres.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar se há diferenc¸as entre a percepc¸ão de homens e mulheres sobre antecedentes organizacionais relacionados ao conflito trabalho-família (CTF). A metodologia é quantitativa descritiva, tendo sido usados dados secundários da pesquisa das “Melhores Empresas para Trabalhar de 2015”, e as técnicas de estatística descritiva (frequência das práticas formais), análise fatorial (percepc¸ões dos trabalhadores sobre quatro antecedentes) e teste t e Anova two-way (para avaliac¸ão de significância estatística das diferentes médias resultantes nos grupos de interesse). Dos resultados encontrados, destacam-se dois: as mulheres percebem mais apoio do gestor e menos envolvimento no trabalho, o que sugere menor CTF para elas, mas menos apoio social dos colegas e equilíbrio entre vida profissional e pessoal, o que indica maior CTF para elas; há um descolamento entre as práticas formais para gestão do CTF e a percepc¸ão dos trabalhadores nas organizac¸ões investigadas, pois naquelas em que há essas práticas não foi encontrada menor percepc¸ão dos antecedentes que aumentam o CTF.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-19
Como Citar
Oliveira, Érica, Lucas, A. C., & Casado, T. (2017). SESSÃO ESPECIAL - FAST TRACK SEMEAD: ANTECEDENTES DO CONFLITO TRABALHO-FAMÍLIA: DIFERENÇAS ENTRE A PERCEPÇÃO DE HOMENS E MULHERES NAS MELHORES EMPRESAS PARA VOCÊ TRABALHAR. REGE Revista De Gestão, 24(4), 293-303. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rege/article/view/141463
Seção
Recursos Humanos