Bilinguismo na China

Autores

  • Li Ye Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2763-650X.i9p25-46

Palavras-chave:

Bilinguismo, Mandarim, Dialetos

Resumo

Bilinguismo é um fenômeno bastante comum no mundo inteiro e se apresenta sob diversas formas. O presente trabalho visa apresentar o caso da China. A China antigamente era constituída por diversos povos, cada um falante de uma língua distinta. Para facilitar a comunicação e manter a união do país, o governo adotou o mandarim como língua oficial da China. Ela é uma língua moderna e simplificada criada com base no dialeto de Pequim. Apesar da criação da língua oficial, as línguas dos povos antigos continuam presentes nas diversas regiões da China, constituindo dialetos completamente diferentes do mandarim na forma fonética. A divulgação do mandarim para a quase totalidade da população se deu principalmente através da educação e da mídia, queobrigatoriamente têm que utilizar somente o mandarim. Ao longo do trabalho são apresentadas a educação do mandarim, sua contribuição para o desenvolvimento do país, as consequências da obrigatoriedade do uso do mandarim, a educação bilíngue que existe em algumas regiões da China e o fenômeno bilíngue decorrente do fato de muitos chineses falarem duas línguas, o mandarim e o dialeto local, alternando entre elas em diferentes contextos.

Biografia do Autor

Li Ye, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Linguística Aplicada (UFRGS) e doutora em Estudos da Tradução (UFSC).

Referências

APPEL, René; MUYSKEN, Pieter.Language contact and bilingualism. London et al.: Arnold, 1992. p. 1-9.

GOEBL, Hans et al. Contact Linguistics. Berlin: Walter de Gruyter, 1996.

GRANET, M. O pensamento chinês. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

HARDING, Edith; RILEY, Philip. The bilingual family. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

MEISEL, J. M. Early differentiation of languages in bilingual children. In: HYLTENSTAM, K.; OBLER, L. (Eds). Bilingualism across the lifespan: Aspects of acquisition, maturity, and loss. Cambridge: Cambridge University Press. 1989. p. 13-40.

NORTON, B. Language, identity, and the ownership of English.TesolQuarterly, v. 31, n. 3, 1997. p. 409-429.

RÁDIO Internacional da China. Notícia publicado no site oficial em 19 de janeiro de 2009. Disponível em: <http://gb.cri.cn/18944/2009/01/19/3785s2399676.htm>. Acesso em: 15 ago.2012.

ROMAINE, Suzanne. Bilingualism. Oxford: Blackwell Publishers, 1995.

SKUTNABB-KANGAS, Tove.Multilingualism and the education of minority children. In: SKUTNABB-KANGAS, Tove; CUMMINS, Jim. Minority education: from shame to struggle. Clevedon: Multilingual Matters, 1988. p. 9-44.

SPINASSÉ, Karen Pupp. Os conceitos Língua Materna, Segunda Língua e Língua Estrangeira e os falantes de línguas alóctones minoritárias no Sul do Brasil. Revista Contingentia, UFRGS, v. 1, nov. 2006. p.1-8.

SPINASSÉ, Karen Pupp. Os imigrantes alemães e seus descendentes no Brasil: a língua como fator identitário e inclusivo. Revista Conexão Letras, Porto Alegre, PPG-Letras, UFRGS, v. 3, n. 3, 2008.p. 125-140.

ÚLTIMO Segundo, Agência EFE. Mais de 40% dos chineses não sabem falar mandarim. 5 set. 2006. Disponível em:<http://ultimosegundo.ig.com.br/materiais/cultura/2511501-2512000/2511603/2511603_1.xml>. Acesso em 25 fev. 2008.

UNITED Nations. Studies in Methods. Handbook of population census methods. v. 3. Demographic and social characteristics of the population. New York: Department of International Economic and Social Affairs, Statistical Office, 1959.

YI, ZhongTian. Da hua fang yan. Shang Hai: Shang hai wen huachu ban she, 2006.

ZHONGGuo Jiao Yu Bu. Xi zang jiao yu (Educação no Tibet). Disponível em: . Acesso em: 20 fev.2008.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

Ye, L. (2021). Bilinguismo na China. Revista De Estudos Orientais, (9), 25-46. https://doi.org/10.11606/issn.2763-650X.i9p25-46

Edição

Seção

Artigos