Resfriamento das sociedades quentes? – Crítica da modernidade, história intelectual, história política

Autores

  • Francine Iegelski Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2016.109305

Palavras-chave:

Modernidade, presentismo, tempo brasileiro

Resumo

Esse artigo faz das interpretações de Claude Lévi-Strauss e François Hartog acerca da mudança da sensibilidade europeia sobre o tempo e a história, quando da passagem do século XX para o XXI, um ponto de partida para tratar da crítica aos ideais da modernidade que marca as ciências sociais e humanas na atualidade. Em seguida, discutiremos as relações entre os pares modernidade/tempo histórico, de Reinhart Koselleck, e presentismo/regimes de historicidade, de François Hartog. Por fim, para demonstrar a fertilidade dessa maneira de curto-circuitar história e antropologia, apresentaremos uma proposta de abordagem do diverso espectro das experiências temporais vivenciadas no contexto político, histórico e literário do Brasil contemporâneo, tendo como referência o processo de redemocratização e suas promessas de futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francine Iegelski, Universidade Federal Fluminense

Doutora em História Social e mestre em Letras pela Universidade de São Paulo, com pósdoutorados na École des hautes études en sciences sociales e na Universidade de São Paulo. Professora Adjunta do Instituto de História da Universidade Federal Fluminense. 

Downloads

Publicado

2016-12-20