Caminhos identitários: imigrantes Portugueses em Pernambuco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.126642

Resumo

A comunidade portuguesa em Pernambuco vivenciou uma nova fase de sua história a partir da criação do Gabinete Português de Leitura (GPL-PE) em 3 de novembro de 1850. O GPL-PE foi a primeira associação que formalizou os laços de pertencimento da comunidade portuguesa. A partir dele, outras instituições portuguesas foram constituídas. Foi em torno desse gabinete que se viu primeiramente surgir as discussões sobre a identidade do imigrante português. Este artigo objetiva compreender como os discursos sobre a identidade do imigrante português em Pernambuco foram (re)construídos e quais os caminhos percorridos por essa comunidade para (re)significar a imagem de colonizador-explorador para a de imigrante-construtor da nova nação brasileira. Analisando-se as variações dos discursos produzidos pelo próprio português no processo que (re)significaram sua identidade em Pernambuco entre 1850 e 1921.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilza Betania dos Santos, Universidade do Porto

Doutoranda em História, Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) e possui Mestrado em História , Contemporânea, FLUP - 2013 -, Especialização em Ensino de História, Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE - 2008 - e, Licenciatura em História - UFRPE - 2000. Atualmente investigadora do Centro de Estudo da População, Economia e Sociedade, CEPESE, Porto, Portugal.

Referências

Fontes consultadas

Almanach de Pernambuco, jul./1916.

Estatuto do Gabinete Português de Leitura. Recife: Typografia Universal, 1855.

Estatuto do Gabinete Português de Leitura em Pernambuco, 1862. Recife: Typ. Commercial de G. H. de Mira. Rua Estreita do Rosário, n. 12.

Fastos do Gabinete Portuguêz de Leitura em Pernambuco. Coleção de poesias e discursos recitados na sessão magna do décimo-oitavo anniversario da abertura em 31 de outubro de 1869. Recife: Typographia do Correio do Recife, 1970.

Iphan, Typografia Minerva Central, de J. A. Carvalho. África Oriental Portuguesa, 1923.

Polyantea comemorativa dos cinquenta anos do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco, 1901.

Relatório de 10/10/1880, relatando as ações da diretoria no período de 1º de outubro de 1879 a 30 de setembro de 1880 e Polyanthea comemorativa.

Relatório da diretoria do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco. Recife, 18/nov./1880.

Relatório apresentado a assembleia geral do Gabinete Português de Leitura em Pernambuco, pela diretoria do mesmo em outubro de 1880. Typ. de Manoel Figueroa e Faria & Filhos, 1880.

Relatório do Gabinete Portuguez de Leitura em Pernambuco, 1904-1905. Recife: Imprensa Industrial, 1905.

Revista O Gabinete Portuguez de Leitura em Pernambuco – 1850, número especial, 3 de novembro de 1900. Recife: Imprensa Industrial Nery da Fonseca & Com.

Revista do 50º Aniversário da Instalação do Gabinete Portuguez de Leitura Pernambuco, número especial, 15 de agosto de 1901.

Terceiro centenário de Camões. Juízo da Imprensa do Rio de Janeiro acerca do relatório da diretoria do Gabinete Português de Leitura em 1880. Rio de Janeiro, 1880.

Jornais e periódicos

Diário de Pernambuco, 1850, 1852, 1854, 1880, 1882, 1921.

O Médico do Povo, Rio de Janeiro, 1850.

O Século, 1851, Pernambuco.

Bibliografia

ALVES, Jorge Fernandes. Os brasileiros: emigração e retorno no Porto oitocentista. Porto: 1994.

ALVES, Jorge Fernandes. Variações sobre o “brasileiro” – Tensões na emigração e no retorno do Brasil. Revista Portuguesa de História, tomo XXXIII, 1999, U. Coimbra, p. 191-222.

ARARIPE, Fátima Maria Alencar. Do patrimônio cultural e seus significados. Campinas: Transinformação [online] , vol. 16, n. 2, 2004, p. 111-122. ISSN 2318-0889. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/20447. Acesso em: 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-37862004000200001.

AREIAS, Laura & NOGUEIRA, Lucila. Monografia do Gabinete Português de Leitura. Recife, 2000.

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma sociologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994.

BASTOS, Tatiana Quintela de Azeredo. Gabinete Português de Leitura: construção de uma identidade portuguesa (1837-1893). Dissertação, UFRJ, 2007.

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas. Trabalho livre no Brasil imperial: o caso dos caixeiros de comércio na época da Insurreição Praieira. Dissertação de mestrado, CFCH, UFPE, 2005.

CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel de. O antilusitanismo e a questão social em Pernambuco, 1822-1848. In: PEREIRA, Miriam Halpern (org.). COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE EMIGRAÇÃO E IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (SÉC. XIX E XX). Actas. Lisboa, Portugal: Editora Fragmentos, 1993, p. 145-162.

CAVALCANTI, Paulo. Eça de Queiroz: agitador no Brasil. Recife: Editora Guararapes, 1983.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: Edusc, 1999.

DIELH, Astor Antônio. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. Bauru, SP: Edusc, 2002.

FERRÃO, Luiz Felipe Vieira. Instituto Arqueológico Geográfico Pernambucano: um tributo a memória regional (1848-1911). Dissertação, PPGH, UERJ, 2001.

FERRAZ, Luiz Paulo Pontes. “Deus te leve a Pernambuco”: antilusitanismo, legislação e estatística na história da imigração portuguesa para Pernambuco (1945 – 1964). Dissertação de mestrado, CFCH, UFPE, 2014.

FREYRE, Gilberto. Nordeste. Rio de Janeiro: Editora Record, 1989.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HOBSBAWM, Eric & RANGER, Terence (org.). A invenção da tradição. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2008.

HOFFNAGEL, Marc Jay. Rumos do republicanismo em Pernambuco. In. SILVA, Leonardo Dantas (org.). A República em Pernambuco. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1990, p. 158- 179.

JOÃO, Maria Isabel. Memória e Império: comemorações em Portugal (1880-1960). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: Enciclopédia Einaud. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1984.

LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Unesp, 2001.

LOURENÇO, Eduardo. Mitologia da saudade: seguido de Portugal como destino. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

MATTOS, Maria de Fátima da Silva Costa Garcia de. O neomanuelismo no Brasil: a identificação de um estilo através da sua instituição – os gabinetes portugueses de leitura. Tese de doutorado, Escola de Comunicação e Artes, USP, São Paulo, 2005.

MELLO, Evaldo de Cabral. O norte agrário e o Império, 1871 -1889. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Brasileira; INL, 1984.

MELLO, Evaldo de Cabral. Rubro veio: o imaginário da restauração pernambucana. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. Caminhos da identidade: ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

POUTGNAT, Philippe & STREIFF-FENARTE, Jocyline. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora da Unesp, 1998.

RIBEIRO, Mário Antônio Cabral. História da homeopatia no Brasil, 2008. Disponível em: http: //amhb.org.br/media/docs/Historia%20da%20Homeopatia %20no%20 Brasil_geral.pdf.

SANTOS, Wilza Betania dos. A (re)significação duma identidade portuguesa: o Gabinete Português de Leitura de Pernambuco e o seu contexto político e social (1850-1921). Dissertação de mestrado, História Contemporânea, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Flup, 2013.

SANTOS, Wilza Betania dos. Gabinete Português de Leitura de Pernambuco: uma análise sua criação em meio ao contexto lusófobo do século XIX. Monografia, curso de Especialização em Ensino de História, Recife, UFRPE, 2007.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientista, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

TAVARES, Antônio Rodrigues. Fundamentos e actualidades do Real Gabinete Português de Leitura. Edição comemorativa do 140º aniversário de fundação. Rio de Janeiro: Publicação do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2018-05-29

Edição

Seção

Práticas culturais em contextos de migração