Os redutos de dominação bandoleira nos sertões de São Bento do Tamanduá: o caso de Januário Garcia Leal, o “Sete orelhas”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.131856

Palavras-chave:

América portuguesa, bandoleirismo, redutos de dominação bandoleira, violência coletiva, criminalidade

Resumo

Nosso trabalho, fruto de nossas pesquisas iniciadas no ano de 2003, visa analisar o tema do bandoleirismo na colônia. Para tal, descortinamos os conceitos de “áreas de mando” e do “mandonismo bandoleiro” para construirmos o conceito de “redutos de dominação bandoleira” – áreas de domínio monopolizadas por bandoleiros em regiões onde o domínio estatal era fraco ou litigante. Nessas regiões, atuavam poderosas quadrilhas de salteadores. O bando de Januário Garcia Leal destacou-se entre estes grupos. Não por acaso o seu líder, por alcunha de “Sete Orelhas”, acabara se tornando uma espécie de bandido-potentado nos inóspitos sertões de São Bento do Tamanduá, atual Itapecerica – MG. Ao final, como ponto fundamental de nossa pesquisa, constatamos que a famosa Lei da Boa Razão, ao desrespeitar os direitos costumeiros, provocou uma nova forma de reação coletiva aos intentos centralistas da Coroa - o bandoleirismo em bandos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Leonardo de Sousa Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense – Campus Camboriú

Graduado em História pela UFOP; Mestrado em História pela UFJF; Doutorado em História pela UFMG. Pós-Doutorado pela Universidade Nova de Lisboa (Portugal). Professor efetivo de História e da disciplina “Metodologia das Ciências Sociais” (curso de Pedagogia) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense – Campus Camboriú. rodufop@yahoo.com.br.

Referências

ANASTASIA, Carla Maria Junho. A geografia do crime: violência nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

ANASTASIA, Carla Maria Junho. A Lei da Boa Razão e o novo repertório da ação coletiva nas Minas setecentistas. Varia Historia, n.º 28, Belo Horizonte, dez. 2002.

ANASTASIA, Carla Maria Junho. Vassalos rebeldes: violência coletiva nas Minas na primeira metade do século XVIII. Belo Horizonte: C/ Arte, 1998.

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de. Homens ricos, homens bons: produção e hierarquização social em Minas colonial: 1750-1822. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2001.

BARROSO, Gustavo. O rei da vingança. O Cruzeiro, 27 ago 1949.

BICALHO, Maria Fernanda & FERLINI, Vera Lúcia Amaral. Modos de governar. São Paulo: Alameda, 2005.

COSTA, Alexandre Araújo. Direito e método: diálogos entre a hermenêutica filosófica e a hermenêutica jurídica. Tese de doutorado, Programa de Pós-Gradução em Direito, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

FIGUEIREDO, Luciano. Revoltas, fiscalidade e identidade colonial na América portuguesa: Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, 1640-1761. Tese de doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

HESPANHA, Antônio Manuel & XAVIER, Ângela. As redes clientelares. In: MATTOSO, José (org.). História de Portugal: o antigo regime, vol. 4. Lisboa: Estampa, 1993.

IVO, Isnara Pereira. O Anjo da Morte contra o Santo Lenho: poder, vingança e cotidiano no sertão da Bahia. Vitória da Conquista: Ed. Uesb, 2004.

MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Jurisdição dos capitães. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

ROMEIRO, Adriana. Paulistas e emboabas no coração das Minas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

SANTOS, Raphael Freitas. Considerações sobre as atividades creditícias na sociedade mineira setecentista. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 12. Anais. Diamantina. Belo Horizonte: Cedeplar/ Face/ UFMG, 2006. Disponível em: http://web.cedeplar.ufmg.br/cedeplar/site/seminarios/seminario_diamantina/2006/D06A037.pdf>.

SILVA, Célia Nonata da. Autoridade mestiça: territórios de mando no sertão do São Francisco. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, vol. 1, n. 2, 2009. Disponível em: <http://www.rbhcs.com/index_arquivos/Artigo.Autoridade%20Mesti%C3%A7a.Territ%C3%B3rios%20de%20Mando%20no%20sert%C3%A3o%20do%20S%C3%A3o%20Francisco.pdf>. Acesso em: 4 ago. 2014.

SILVA, Célia Nonata da. Territórios de mando: banditismo em Minas Gerais – século XVIII. Belo Horizonte: Crisálida, 2007.

SOUZA, Laura de Mello e. Norma e conflito: aspectos da história de Minas no século XVIII. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, Flávio Marcus da. Motins de fome e política alimentar em Minas Gerais no século XVIII. De Jure: Revista Jurídica do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, n. 15, Belo Horizonte, jul. 2010, p. 3. Disponível em: <http://bdjur.stj.jus.br/dspace/handle/2011/35656>. Acesso em: 4 ago 2014.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

VEIGA, José Pedro Xavier da. Ephemérides mineiras, vol. 1. Ouro Preto: Imprensa Oficial.

Downloads

Publicado

2018-05-11

Como Citar

OLIVEIRA, R. L. de S. Os redutos de dominação bandoleira nos sertões de São Bento do Tamanduá: o caso de Januário Garcia Leal, o “Sete orelhas”. Revista de História, [S. l.], n. 177, p. 01-32, 2018. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.131856. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/131856. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Contraventores e sistema prisional na história do Brasil