O negócio do pau-brasil, a sociedade mercantil Purry, Mellish and Devisme e o mercado global de corantes: escalas mercantis, instituições e agentes ultramarinos no século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.133277

Palavras-chave:

Pau-brasil, instituições mercantis, negociantes ultramarinos, corantes, Purry, Mellish and Devisme

Resumo

Esse artigo analisa as práticas e instituições mercantis relacionadas ao comércio de pau-brasil extraído das matas do norte do estado do Brasil e destinadas ao mercado de corantes, em Portugal e restante da Europa no século XVIII. A partir da documentação alfandegária da Casa da Índia, além de documentação privativa da sociedade de mercadores ingleses Purry, Mellish and Devisme, demonstramos as dimensões e escalas mercantis, seus contratos, negociações e instituições, que modularam desde as práticas extrativistas nas matas do Brasil para o despacho no porto de Recife até a posterior reexportação via Lisboa para o mercado de corantes no norte da Europa durante o século XVIII. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Alves Dias, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em História Econômica no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo

Referências

AMANO, Erika. Pau-brasil, madeira e casca: formação, desenvolvimento e estrutura. São Paulo: Instituto de Biociências da USP, 2007.

ANCHIETA, José de. Informação do Brasil e de suas capitanias, 1584. São Paulo: Obelisco, 1964.

ANDRADE, Francisco Eduardo de. Fronteira e instituição de capela nas Minas, América portuguesa. América Latina en la Historia Económica, nº 35, jan.-jun. 2011.

ARAÚJO, Agostinho Rui Marques. Das riquezas do Brasil aos gastos e gostos de um suíço em Lisboa. David de Purry, um amigo de Pombal (1709-1786). Ciências e Técnicas do Patrimônio. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, série 1, vol. 2, Porto, 2003.

BARRAGÁN, Camilo Alfonso Torres. El palo de Brasil: un rojo fugitivo. Bogotá: Universidad de Los Andes, 2013.

BECKERT, Sven. Empire of cotton. A global history. Nova York: Alfred A. Knopf, 2014.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino, vol. 3. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1713.

BOXER, Charles. O império marítimo português, 1415-1825. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BRANDÃO, Ambrósio Fernandes. Diálogos das grandezas do Brasil. Recife: Massangana, 1997.

COELHO E SOUZA, José Roberto Monteiro de Campos. Systema ou Collecção dos regimentos reaes, vol. 2. Lisboa: Officina de Francisco Borges de Souza, 1783.

COMISSIONE COLOMBIANA. Raccolta de documenti e studi, parte III, vol. II. Roma: Ministero della Pubblica Istruzione, 1893.

CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DEAN, Warren. A ferro e fogo. A história e a devastação da mata atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DIFFIE, Bailey & WINIUS, George. Foundations of the Portuguese Empire, 1415-1580, vol. 1. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1971.

DUMOND, Lionel. Maisons de commerce bas-languedociennes et réseaux négociants méridionaux: l’exemple des Balguerie et des Fraissinet (XVIIIe-XIXe siècles). Liame, Les réseaux négociants dans la France méridionale (XVIIIe-XIXe siècles), nº 25, 2012.

FERNANDEZ, Luis. Tratado instructivo y práctico sobre el arte de la pintura: reglas experimentadas y metódicas para tintar sedas, lanas, hilos de todas las clases, y esparto en rama. Madri: Imprenta de Blas Roman, 1778.

FERNANDEZ, Luis. Tratado perteneciente al arte de la tintura. Valencia: Joseph Estevan y Cervera, 1786.

FERRÃO, José Carlos Mayrink da Silva. Memória sobre o pau-brasil, 1805. ANRJ, códice 807, vol. 7, p. 213-219. Publicado em Revista do IHGB, Rio de Janeiro, 163 (416), jul.-set. 2002, p. 385-387.

FERRAZ, A. L. Pereira. Terra da Ibirapitanga. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1939.

FINDLAY, Ronald & O’ROURKE, Kevin H. Power and plenty. Trade, war, and the world economy in the second millennium. Princeton: Princeton University Press, 2007.

FONSECA, Francisco Belard da. O arquivo geral da alfândega de Lisboa. Lisboa: Tip. da Empr. Nac. de Publicidade, 1950.

FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Fátima (org.). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FREIRE, A. Braamcamp. Ementa da Casa da Índia. Lisboa: Sociedade de Geographia de Lisboa/ Typ. Universal, 1967.

GANDAVO, Pero Magalhães de. História da província de Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos Brasil. Lisboa: Officina de Antonio Gonçalvez, 1576.

GERALDES, Carlos Alberto Caldeira. Casa da Índia. Um estudo de estrutura e funcionalidade (1509-1630). Dissertação de mestrado em História Moderna, Faculdade de Letras, Departamento de História, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1997, 362 f.

GREENFIELD, Amy Butler. A perfect red. Empire, espionage and the quest for the color of desire. Nova York: Harper Collins Publishers, 2008.

HORN, Jeff. Economic development in early-modern France: the privilege of liberty, 1650-1820. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

KOSTER, Henry. Viagens ao Nordeste do Brasil, vol. 2. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora Massangana, 2002.

LERY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1980.

LUCKHURST, Gerald Lee. Monserrate, an English landscape garden in Portugal, 1790-1901. Bristol: University of Bristol, 2014.

MACEDO, Jorge Borges de. A situação econômica no tempo de Pombal. Porto: Portugalia, 1951.

MADUREIRA, Nuno Luís. Mercado e privilégios. A indústria portuguesa entre 1750 e 1834. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

MAGALHÃES, Joaquim Romero & ALBUQUERQUE, Luís de (org.). Estudos e ensaios em homenagem a Vitorino Magalhães Godinho. Lisboa: Sá da Costa, 1988.

MARTINS, José F. Ferreira. Casa da Índia. Lisboa: s. n., 1900.

MAURO, Frédéric. Portugal, o Brasil e o Atlântico (1570-1670). 2 volumes. Lisboa: Editorial Estampa, 1989.

MELLO E SOUZA, Laura de. O nome do Brasil. Revista de História, n. 145, 2001, p. 61-86.

Memorial of Jean Pierre Purry in behalf of the colonization of South Carolina. Neufchâtel: J. H. Estill Printer, 1880.

MENDES, Luiz Antônio de Oliveira. Memória sobre o método, que se deve observar na extração da tinta do pau-brasil, em visível benefício das fábricas do Reino, 1805. Manuscrito. ACL, Memórias de física, n.º 377, p. 104-110.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de. Raízes da formação administrativa do Brasil, vol. 1. Rio de Janeiro: IHGB/CFC, 1972.

MILLER, Shawn W. Fuelwood in colonial Brazil. The economic and social consequences of fuel depletion for the Bahian Recôncavo, 1549-1820. Forest & Conservation History, vol. 38, nº 4, out. 1994, p. 181-192.

MORAIS, Tancredo de. A Casa da Índia. Periódico do Club Militar Naval, nº 64, Lisboa, nov./dez. [193-], p. 1458-1459.

NAMIER, Lewis & BROOKE, John. The house of commons (1754-1790). Londres: Secker & Warburg, 1985.

NOVAIS, Fernando. A proibição das manufaturas no Brasil e a política econômica portuguesa do fim do século XVIII. Revista de História, n. 142-143, 2000, p. 213-237.

OLIVEIRA, Nicolau de. O livro das grandezas de Lisboa. Lisboa: Jorge Rodrigues, 1620, p. 156-157.

PAYVA, Sebastião Affonseca e. Relação da feliz chegada da sereníssima senhora d. Maria Sofia Isabel, raynha de Portugal à cidade de Lisboa, em 11 de agosto de 1687 e descrição da ponte da Casa da Índia. Lisboa: Officina Domingos Carneyro, 1687.

PEDREIRA, Jorge Miguel Viana. Os homens de negócio da praça de Lisboa de Pombal ao Vintismo (1755-1822). Diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social. Tese de doutoramento em Sociologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1995, 624 fls.

PERES, Damião. Regimento das Cazas das Indias e Mina. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1947.

PERRAGALLO, Prospero. Carta de el rei d. Manuel ao rei catholico. Lisboa: Typ. Academia de Ciências de Lisboa, 1892.

POMERANZ, Kenneth. A grande divergência: a China, a Europa e a construção da economia mundial moderna. Lisboa: Edições 70, 2013.

RATTON, Jacome. Recordações sobre ocorrências do seu tempo em Portugal, de maio de 1747 a setembro de 1810. Lisboa: Fenda, 1992 (1º edição: 1813, Londres).

RIBEIRO JÚNIOR, José. Colonização e monopólio no Nordeste brasileiro: a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba, 1759-1780. 2ª edição. São Paulo: Hucitec, 1976.

RIBEIRO, Luciano. (Introdução e notas). Registro da Casa da Índia, 1512-1633. 2 volumes. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1954.

RODRÍGUEZ, Antonio Acosta et al. (coord.). La Casa de la contratación y la navegación entre España y las Indias. Sevilha: Universidad de Sevilla, 2003.

ROMANO, Ruggiero. Commerce et prix du blé à Marseille au XVIIIº siècle. Paris: Librairie Armand Colin, 1956.

ROULET, Luis-Edourad (org.). David de Pury, 1706-1786. Hauterive/Suíça: Gilles Attinger, 1986.

ROWLAND, Lawrence S.; MOORE, Alexander; ROGERS. George. The history of Beaufort county, South Carolina (1514-1861), vol. 1. Columbia, South Carolina: University of South Carolina Press, 1996.

SALVADOR, José Gonçalves. Os cristãos-novos em Minas Gerais durante o ciclo do ouro, 1695-1755: relações com a Inglaterra. São Paulo: Pioneira, 1992.

SÁNCHEZ, Contreras A. Historia de una tintórea olvidada: el proceso de explotación y circulación del palo de tinte, 1750-1807. Mérida: Universidad Autónoma de Yucatán, 1990.

SELLIN, Johan Thorsten. Pioneering in penology: the Amsterdam house of correction in the sixteenth and seventeenth centuries. Pennsylvania: UPP, 1944.

SILVA, António Delgado da. Colleção da legislação portuguesa (1755-1790). Lisboa: Typ. Maigrense, 1828.

SILVA, António Delgado da. Supplemento a Collecção de Legislação Portugueza (1750-1762). Lisboa: Typ. Luiz Correa da Cunha, 1842.

SILVA, José Justino de Andrade e. Colleção chronologica da legislação portugueza (1683-1700).

SIQUEIRA, Maria Isabel de. O regimento do pau-brasil durante o período filipino no Brasil: continuidade ou inovação legislativa. Revista do IHGB, n. 166 (426), Rio de Janeiro, jan./mar. 2005.

SOUSA, Joseph Roberto Monteiro de Campos Coelho e. Systema ou collecção dos regimentos reais, vol. 3. Lisboa: Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1785.

SOUZA, Bernardinho José de. O pau-brasil na história nacional. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1939.

TRACY, James D. The rise of merchant empires. Long-distance trace in the modern world, 1350-1750. Nova York: Cambridge University Press, 1993.

VALENTE, Adelina. Os testamentos dos contratadores do pau-brasil David Purry, Joseph Mellish e Gerard De Visme e algumas notas sobre a influência do mobiliário setecentista inglês em Portugal. O caso dos “leitos imperiais”. Separata da Revista de Artes Decorativas, nº 3, 2009.

VANNEST, Tijl. Global trade and commercial networks: eighteenth-century diamond merchants. Londres: Pickering & Chatto, 2011. ISBN: 9781848930872.

VON MURALT, Malout. A árvore que se tornou país. Revista USP, n. 71, São Paulo, set./nov. 2006.

Downloads

Publicado

2018-05-03

Edição

Seção

Trabalho forçado e economias trans-imperiais: impactos recíprocos