Moda e modas no vestuário

Da teoria clássica ao pluralismo do tempo presente

Palavras-chave: moda, sociedade, história, hierarquia simbólica, pluralismo

Resumo

Este trabalho propõe uma análise comparativa acerca de dois momentos da moda no vestuário. O primeiro refere-se às teorias que inicialmente compreenderam o fenômeno da moda como uma hierarquia simbólica entre classes que ditam e classes que copiam moda. Esta perspectiva analítica explicou a moda desde o seu surgimento no Ocidente até meados do século XX. O segundo momento trata das modas plurais do tempo presente que, acredita-se, não podem mais ser explicadas por este primeiro cenário teórico. A investigação buscou evidenciar regularidades e singularidades entre os diferentes contextos de moda, examinando até que ponto a proposta analítica da hierarquia simbólica ainda explica as modas contemporâneas e em quais aspectos as modas plurais de hoje se diferenciam no seu movimento de renovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Crivellari Dulci, Universidade Federal de Ouro Preto

Professora Adjunta IV da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP/MG). Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009), Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Atua principalmente nas áreas de Sociologia da Cultura; Sociologia da Moda; Metodologia de Pesquisa e Produção do Conhecimento Científico; Educação, Cultura e Sociedade. Membro da Diretoria de Extensão da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda (ABEPEM) e da Comissão Científica do Colóquio de Moda (Evento internacional, principal congresso brasileiro na área de Modal).

Referências

BENDIX, Reinhard. Reavaliação dos conceitos de tradição e modernidade. In: Idem. Construção nacional e cidadania. São Paulo: Edusp, 1996.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BRAUDEL, Fernand. O supérfluo e o costumeiro: o habitat, o vestuário e a moda. In: Idem. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII, vol. 1. As estruturas do cotidiano: o possível e o impossível. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

BOURDIEU, Pierre & DELSALT, Yvette. Le couturier et sa griffe: contribuition à une théorie de la magie. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, n. 1, Paris, 1975, p. 7-36.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CALANCA, Daniela. História social da moda. Tradução de Renata Ambrósico. São Paulo: Ed. Senac, 2008.

CAMPBELL, Colin. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Roxo, 2001.

CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1999. Editora Senac, 2008.

CIETTA, Enrico. A revolução do fast-fashion: estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

DURAN, José Carlos. Moda, luxo e economia. São Paulo: Ed. Babel Cultural, 1988.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Nobel, 1995.

FLETCHER, Kate & GROSE, Lynda. Moda e sustentabilidade: design para a mudança. São Paulo: Editora Senac, 2011.

GOBLOT, Edmond. A barreira e o nível: retrato da burguesia francesa na passagem do século. Tradução de Estela dos Santos Abreu e Maria da Silva Cravo. Campinas: Papirus, 1989.

HEINZ, Peter. La moda como fenómeno social. Curso de Sociologia. Buenos Aires: Editorial Universitaria de Buenos Aires, 1965.

LIPOVETSKY, Gille. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MENICUCCI, Telma. Sociologia histórica comparativa: questões metodológicas. Locus – Revista de História, vol. 4, n. 1, Juiz de Fora, 1998.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX, vol. 2. 9ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

REIS, Fábio Wanderley. Análise histórico-comparada: uma alternativa para o estudo do desenvolvimento? Porto Alegre: Instituto Goethe, 1985.

SARTORI, Giovanni. Comparación y método comparativo. In: SARTORI, G. & MORLINO, L. (org.). La comparación en las ciencias sociales. Madri: Alianza, 1994.

SIMMEL, Georg. La mode. In: Idem. Philosophie de la modernité. Paris: Payot, 1989.

SIMMEL, Georg. Philosophie de la modernité. Paris: Payot, 1989.

SIMMEL, Georg. Da psicologia da moda: um estudo sociológico. In: SOUZA, J. & ÖELZE, B. (org.). Simmel e a modernidade. Brasília: Ed. UnB, 1998.

SOMBART, Werner. Lujo y capitalismo. Tradução do alemão por Luis Isabal. Madri: Revista de Occidente, 1965.

SOUZA, J. & ÖELZE, B. (org.). Simmel e a modernidade. Brasília: Ed. UnB, 1998

TARDE, Gabriel de. As leis da imitação. Porto: Rés Editora, 1969.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa. Tradução de Olívia Krhenbühl. São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Os Pensadores).

Publicado
2019-05-23
Seção
Dossiê: Moda e História