A teologia natural na cultura científica da Ilustração portuguesa: Oratorianos e Franciscanos (1750-1800)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.138518

Palavras-chave:

Teologia Natural, História Natural, ilustração portuguesa, oratorianos, franciscanos

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir como a história natural foi mobilizada para combater as doutrinas materialistas ilustradas em Portugal na segunda metade do século XVIII. Propõe-se analisar o pensamento de três importantes homens de ciência portugueses que se valeram da teologia natural para defender, por diferentes meios, a validade da doutrina católica: o padre oratoriano Teodoro de Almeida e os frades franciscanos Manuel do Cenáculo e José Mayne. Argumentaremos que, naquele contexto da Ilustração, tais intelectuais enxergaram a necessidade de se opor publicamente às “novas filosofias do século”, sempre buscando fundamentar a legitimidade da doutrina católica por sua racionalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Ferraz Leal Ferreira, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel (2003), Mestre (2009) e Doutor (2016) em História pela USP. Atualmente desenvolve Pós-Doutorado em História (UNICAMP). Bolsista Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP

Referências

Fontes primárias manuscritas

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Real Mesa Censória, cx. 9, parecer n. 49, cens. 1775 (parecer de Robinet).

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. cx. 9, parecer n. 39, cens. 1775 (parecer de Helvétius).

Fontes primárias publicadas

Almanaque de Lisboa para o ano de 1795. Lisboa: Na Oficina da Academia Real das Ciências, 1795, parte VI.

ALMEIDA, Teodoro de. Recreação filosófica ou diálogo sobre a filosofia natural para instrução de pessoas curiosas que não frequentaram as aulas, tomo I. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1786.

ALMEIDA, Teodoro de. Recreação filosófica ou diálogo sobre a filosofia natural para instrução de pessoas curiosas que não frequentaram as aulas, tomo II. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1788.

ALMEIDA, Teodoro de. Harmonia da razão e da religião, ou respostas filosóficas aos argumentos dos incrédulos, que reputam a religião contrária à boa razão. Diálogo do autor da Recreação filosófica sobre a parte da metafísica que se chama teologia natural. Lisboa: Na Oficina Patriarcal, 1793.

ALMEIDA, Teodoro de. Recreação filosófica ou diálogo sobre a filosofia natural para instrução de pessoas curiosas que não frequentaram as aulas, tomo V. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1796.

CENÁCULO, Manuel do. Instrução pastoral do excelentíssimo e reverendíssimo senhor bispo de Beja sobre as virtudes da ordem natural. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1785.

CENÁCULO, Manuel do. Instrução pastoral do excelentíssimo e reverendíssimo senhor bispo de Beja sobre a religião revelada. Lisboa: Na Oficina Tipográfica, 1785.

CENÁCULO, Manuel do. Cuidados literários do prelado de Beja em graça do seu bispado. Lisboa: Na Oficina de Simão Tadeu Ferreira, 1791.

CENÁCULO, Manuel do. Instrução pastoral sobre os estudos físicos do clero. In: Idem. D. Manuel do Cenáculo: Instruções pastorais, projectos de bibliotecas e diário. Introdução e coordenação editorial de Francisco António Lourenço Vaz. Porto: Porto Editora, 2009.

CENÁCULO, Manuel do. Instrução pastoral do excelentíssimo e reverendíssimo senhor bispo de Beja sobre a confiança na Divina Providência. In: Idem. D. Manuel do Cenáculo: Instruções pastorais, projectos de bibliotecas e diário. Introdução e coordenação editorial de Francisco António Lourenço Vaz. Porto: Porto Editora, 2009.

Disposições do superior provincial para observância regular e literária da Congregação da Ordem Terceira de S. Francisco destes reinos feitos em os anos de mil setecentos e sessenta e nove, e setenta, tomo 1º. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1790.

Estatutos da Universidade de Coimbra do ano de 1772. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1773.

MAYNE, José. Dissertação sobre a alma racional, onde se mostram os sólidos fundamentos da sua imortalidade e se refutam os erros dos materialistas antigos e modernos. Lisboa: Na Régia Oficina Tipográfica, 1778.

MAYNE, José. Instituição de uma escola pública de história natural teológica por frei José Mayne. In: CARVALHO, Rómulo de. A atividade pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos séculos XVIII e XIX. Lisboa: Publicações do II Centenário da Academia das Ciências de Lisboa, 1981.

VANDELLI, Domenico. Memória sobre a Faculdade Filosófica da Universidade de Coimbra. In: Idem. Aritmética política, economia e finanças, edição de José Vicente Serrão. Lisboa: Banco de Portugal, 1994.

Fontes secundárias

ANDRADE, António Alberto Banha de. A orientação do estudo da filosofia nos franciscanos (séc. XVIII). Broteria, vol. XLIII, fasc. 1. Lisboa, 1946.

AZEVEDO, Ferdinand. Teodoro de Almeida (1722-1804) and the Portuguese Enlightenment. Edição fac-similada. Washington, D.C., 1974.

BOEHNER, Philotheus & GILSON, Etienne. História da filosofia cristã: desde as origens até Nicolau de Cusa. Petrópolis: Vozes, 1985.

BROOKE, John Hedley. Ciência e religião: algumas perspectivas históricas. Porto: Porto Editora, 2003.

CAEIRO, Francisco da Gama. Frei Manuel do Cenáculo: aspectos da sua atuação filosófica. Lisboa: Instituto de Alta Cultura da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1959.

CALAFATE, Pedro. A ideia de natureza no século XVIII em Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1994.

CARVALHO, Rómulo de. A história natural em Portugal no século XVIII. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1987.

CASTAÑEDA, Luzia Aurelia. História natural e as ideias de reprodução e herança no século XVIII: Buffon e Bonnet. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. II, n. 2, jul.-out. 1995. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59701995000300003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 12 jun. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59701995000300003.

CASTRO, Zília Osório de. O regalismo em Portugal: António Pereira de Figueiredo. Cultura: História e Filosofia, vol. VI, 1987.

CERÍACO, Luís Miguel Pires & BRIGOLA, João Carlos Pires. Colecionismo naturalista na Évora do século XIX: as coleções como fundamento da teologia natural no discurso de frei Manuel do Cenáculo. In: GESTEIRA, Heloísa Meireles; CAROLINO, Luís Miguel; MARINHO, Pedro (org.). Formas do Império: ciência, tecnologia e política em Portugal e no Brasil, séculos XVI ao XIX. Rio de Janeiro-São Paulo: Paz & Terra, 2014

DOMINGUES, Francisco Contente. Ilustração e catolicismo: Teodoro de Almeida. Lisboa: Edições Colibri, 1994.

FERREIRA, Breno Ferraz Leal. Economia da natureza: a história natural, entre a teologia natural e a economia política (Portugal e Brasil, 1750-1822). Tese de doutorado, FFLCH-USP, 2016.

GOVASKI, Patrícia. Ilustração e filosofia natural em Portugal: a Recreação filosófica (1751-1800) do padre Teodoro de Almeida. Dissertação de mestrado, UFPR, 2017.

ISRAEL, Jonathan Irvine. Radical Enlightenment: Philosophy and the making of modernity (1650-1750). Nova York: Oxford University Press, 2001.

ISRAEL, Jonathan Irvine. Enlightenment contested: Philosophy, modernity and the emancipation of man (1670-1752). Nova York: Oxford University Press, 2006.

ISRAEL, Jonathan Irvine. A revolução das Luzes: o Iluminismo radical e as origens intelectuais da democracia moderna. São Paulo: Edipro, 2013.

LEHNER, Ulrich & PRINTY, Michael (ed.). A Companion to the Catholic Enlightenment in Europe. Leiden; Boston: Brill, 2010.

LEHNER, Ulrich. Introduction: The many faces of the Catholic Enlightenment. In: LEHNER, Ulrich & PRINTY, Michael (ed.). A Companion to the Catholic Enlightenment in Europe. Leiden; Boston: Brill, 2010.

MAGALHÃES, Ana Paula Tavares. Aspectos relacionados ao estabelecimento da Ordem Franciscana em Portugal: séculos XIII e XIV. In: MEGIANI, Ana Paula Torres & SAMPAIO, Jorge Pereira de (org.). Inês de Castro: a época e a memória. São Paulo: Alameda, 2008.

MARCADÉ, Jacques. Frei Manuel do Cenáculo Vilas Boas, éveque de Beja. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian; Centro Cultural Português, 1978.

MARTINS, Maria Teresa Esteves Payan. A censura literária em Portugal nos séculos XVII e XVIII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2005.

MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. Aristóteles e a geração espontânea. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, série 2, vol. 2, n. 2, Campinas, jul.-dez.1990.

MONCADA, Luís Cabral de. Um “iluminista” português no século XVIII: Luiz António Verney. São Paulo: Saraiva, 1941.

MORATO, Francisco Manoel Trigozo d’Aragão. Elogio histórico do excelentíssimo e reverendíssimo d. fr. Manoel do Cenáculo, arcebispo de Évora. In: História e memórias da Academia Real das Ciências, tomo IV, parte I. Lisboa: Na tipografia da mesma Academia, 1815.

PLONGERON, Bernard. Recherches sur l’Aufklärung catholique en Europe Occidentale (1777-1830). Revue de histoire moderne et contemporaine, vol. 16, Paris, 1969.

RAMOS, Maurício de Carvalho. A geração dos corpos organizados em Maupertuis. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia-Editora 34, 2009.

ROGER, Jacques. The life sciences in eighteenth-century French thought. Stanford University Press, 1997.

ROSSI, Paolo. Os sinais do tempo: história da Terra e história das nações de Hooke a Vico. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SANTOS, Cândido dos. Padre António Pereira de Figueiredo: erudição e polêmica na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Roma Editora.

SANTOS, Zulmira. Literatura e espiritualidade na obra de Teodoro de Almeida (1722-1804). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

SILVA, José Alberto. A apropriação da filosofia natural em Teodoro de Almeida (1722-1804). Braga: CIUHCT, 2009.

SOUZA, Evergton Sales. The Catholic Enlightenment in Portugal. In: LEHNER, Ulrich L. & PRINTY, Michael (ed.). A Companion to the Catholic Enlightenment in Europe. Leiden; Boston: Brill, 2010.

VAZ, Francisco António Lourenço. Instrução e economia: as ideias econômicas no discurso da Ilustração portuguesa. Lisboa: Edições Colibri, 2002.

VAZ, Francisco António Lourenço. Jansenismo e regalismo no pensamento de d. frei Manuel do Cenáculo. Separata de Eborensia, Revista do Instituto Superior de Teologia de Évora, ano XVIII, 2005, n. 35.

VAZ, Francisco António Lourenço. Ciência, religião e instrução na obra de d. Manuel do Cenáculo. In: CENÁCULO, Manuel do. D. Manuel do Cenáculo: Instruções pastorais, projectos de bibliotecas e diário. Introdução e coordenação editorial de Francisco António Lourenço Vaz. Porto: Porto Editora, 2009.

ZATERKA, Luciana. A filosofia experimental na Inglaterra do século XVII: Francis Bacon e Robert Boyle. São Paulo: Associação Editorial Humanitas; Fapesp, 2004.

Downloads

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

República das Letras: evangelização, conhecimento e administração colonial