Questão Christie em perspectiva global: Pressão britânica, Guerra Civil norte-americana e o início da crise da escravidão brasileira (1860-1864)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.140977

Palavras-chave:

Questão Christie, Guerra Civil norte-americana, africanos livres, escravidão, Império do Brasil

Resumo

Os trabalhos que analisaram a Questão Christie valeram-se da premissa de que os eventos que resultaram no rompimento diplomático entre Brasil e Inglaterra (1863-1865) podem ser explicados exclusivamente pela relação bilateral entre os dois países. Sem negar por completo essa dimensão, o artigo tem por objetivo ampliar a unidade de análise do tema, de modo a verificar como outros processos históricos em curso na década de 1860 tiveram papel decisivo no entrevero entre os dois países. Com base em artigos de jornal, anais parlamentares e correspondências diplomáticas, o texto pretende demonstrar que a Questão Christie também esteve relacionada à conjuntura histórica aberta pela Guerra Civil norte-americana e, assim, verificar suas consequências mais imediatas para a instauração da crise da escravidão brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alain El Youssef, Universidade de São Paulo

Alain El Youssef possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (2007) e mestrado em História Social pela mesma instituição (2010). Tem experiência na área de História, com ênfase em política do Império do Brasil e escravidão. Atualmente, desenvolve doutorado no Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo sobre o processo abolicionista brasileiro em perspectiva global. É autor de Imprensa e escravidão: política e tráfico negreiro no Império do Brasil (Rio de Janeiro, 1822-1850) (Intermeios, 2016).

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. La traite négrière et l’unité nationale brésilienne. Revue française d’histoire d’outre-mer, t. LXVI, n. 244-245, 1979, p. 395-419.

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-1888). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

BARMAN, Roderick J. Imperador cidadão. Tradução em português. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos: a Grã-Bretanha, o Brasil e a questão do comércio de escravos, 1807-1869. Tradução em português. Brasília: Senado Federal, 2002.

CAMPBELL, Duncan Andrew. English public opinion and the American Civil War. Woodbridge: Boydell Press/Royal Historical Society, 2003.

CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II: ser ou não ser. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CONRAD, Robert. The destruction of Brazilian slavery, 1850-1888. Berkeley: University of California Press, 1972.

CONRAD, Robert. Neither slave nor free: the emancipados of Brazil, 1818-1868. The Hispanic American Historical Review, vol. 53, n. 1, fev. 1973, p. 50-70.

COOPER, Donald B. The new “black death”: cholera in Brazil, 1855-1856. Social Science History, vol. 10, n. 4, Winter 1986, p. 467-488.

CORWIN, Arthur. Spain and the Abolition of Slavery in Cuba, 1817-1886. Austin: University of Texas Press, 1967.

COSTA, Emilia Viotti da. Da senzala à colônia. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

DOYLE, Don H. The cause of all nations: an international history of the American Civil War. New Nova York: Basic Books, 2015.

EL-KAHREN, Almir Chaiban. Filha branca de mãe preta: a companhia da Estrada de Ferro D. Pedro II (1855-1865). Petrópolis: Vozes, 1982.

ESTEFANES, Bruno Fabris. A muralha de bronze: a formação da Liga Progressista no Império do Brasil. Representação, soberania e rearticulação partidária, 1857-1862. Tese de doutorado, FFLCH-USP, 2017.

GRAHAM, Richard. Escravidão, reforma e imperialismo. São Paulo: Perspectiva, 1979.

GRAHAM, Richard. Britain and the onset of modernization in Brazil, 1850-1914. Cambridge: Cambridge University Press, 1972.

HOBSBAWM, Eric. A era do capital, 1848-1875. Tradução em português. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

JONES, Howard. Blue & gray diplomacy: a history of Union and Confederate foreign relations. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2010.

KODAMA, Kaori. Os debates pelo fim do tráfico no periódico O Philantropo (1849-1852) e a formação do povo: doenças, raça e escravidão. Revista Brasileira de História, vol. 28, n. 56, 2008, p. 407-430.

KODAMA, Kaori et al. Mortalidade escrava durante a epidemia de cólera no Rio de Janeiro (1855-1856): uma análise preliminar. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. 19, suplemento, dez. 2012, p. 59-79.

MANCHESTER, Alan. British preeminence in Brazil: its rise and decline. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1933.

MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MAMIGONIAN, Beatriz. Building the nation, selecting memories: Vitor Meireles, the Christie Affair and Brazilian slavery in the 1860s. In: COTTIAS, Myriam & ROSSIGNOL, Marie-Jeanne (ed.). Distant ripples of British abolition in Africa, Asia and the Americas. Trenton, NJ: Africa World Press, 2017, p. 235-264.

MARQUES, João Pedro. Os sons do silêncio: o Portugal de Oitocentos e a abolição do tráfico de escravos. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 1999.

MARQUES, Leonardo. The United States and the transatlantic slave trade to the Americas, 1776-1867. New Haven: Yale University Press, 2016.

MARQUESE, Rafael de Bivar & PARRON, Tâmis. Internacional escravista: a política da segunda escravidão. Topoi, vol. 12, n. 23, jul.-dez. 2011, p. 97-117.

MILNE, A. Taylor. The Lyons Seward treaty of 1862. The American Historical Review, vol. 38, n. 3, abr. 1933, p. 511-525.

MURRAY, David. Odious commerce: Britain, Spain and the abolition of the Cuban slave trade. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

NEEDELL, Jeffrey. The Party of Order: the conservatives, the state, and slavery in the Brazilian monarchy, 1831–1871. Stanford: Stanford University Press, 2006.

OAKES, James. Freedom national: the destruction of slavery in the United States, 1861-1865. New York: W. W. Northon, 2013.

OLIVEIRA, Cecilia Helena de Salles. Da natureza e limites do Poder Moderador e a memória do conselheiro Zacarias de Góis e Vasconcelos. In: Idem. Zacarias de Góis e Vasconcelos. São Paulo: Editora 34, 2002, p. 9-54.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão na era da liberdade: Estados Unidos, Brasil e Cuba, 1787-1846. Tese de doutorado, História Social, FFLCH-USP, 2015, p. 349-451.

PEREIRA DA SILVA, J. M. Memórias do meu tempo. Brasília: Senado Federal, 2003.

PINHO, José Wanderley. Cotegipe e seu tempo: primeira phase, 1815-1867. São Paulo: Editora Nacional, 1937.

SINÉSIO, Daniel Jacuá. A Questão Christie e a atuação do secretário João Batista Calógeras (1862-1865). Tese de doutorado, UFF, 2013.

SLENES, Robert. The Brazilian internal slave trade, 1850-1888: regional economies, slave experience, and the politics of a peculiar market. In: JOHNSON, Walter (ed.). The chattel principle: internal slave trades in the Americas. New Haven: Yale University Press, p. 325-370.

SPILLER PENA, Eduardo. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a lei de 1871. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

STOLCKE, Verena & HALL, Michael. A introdução do trabalho livre nas fazendas de café de São Paulo. Revista Brasileira de História, vol. 3, n. 6, 1983, p. 80-120.

WERNECK, Luiz Peixoto de Lacerda. Breves considerações sobre a posição actual da lavoura do café. Almanack Laemmert, 1855.

YOUSSEF, Alain El. Imprensa e escravidão: política e tráfico negreiro no Império do Brasil (1822-1850). São Paulo: Intermeios, 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

Trabalho forçado e economias trans-imperiais: impactos recíprocos