A prisão de Pedro Ivo e o debate político após a Praieira, 1849-1854

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.141258

Palavras-chave:

Liberais, saquaremas, Praieira, Assembleia Constituinte, imprensa política

Resumo

Nesse artigo reconstituímos a ampla e quase desconhecida polêmica em torno da prisão de Pedro Ivo em maio de 1850 no Rio de Janeiro. Depois procuramos esclarecer o teor do debate político do tempo, ressaltando a força da bandeira por uma Assembleia Constituinte, encampada por mais de uma dezena de periódicos liberais. Seguimos acompanhando o impacto da fuga de Pedro Ivo, o grandioso banquete da “regeneração nacional” e a repentina morte, eventos que marcaram o imaginário da época. Os eventos repercutiram inclusive entre os povos das matas de Alagoas, por isso abordamos a reação do diretor da Colônia Militar e o esforço de “desinfestação” do território. Estava em pauta uma disputa de narrativas, tanto da atuação de Pedro Ivo, bandido ou herói, como da própria memória da Rebelião Praieira. Ao mesmo tempo, havia naqueles anos diferentes projetos de futuro para o país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Ferreira Oliveira, UNIFESP

Professora de História do Brasil, Departamento de História, EFLCH - UNIFESP, campus Guarulhos.

Cadastrada no programa de pós-graduação da mesma instituição.

Referências

ALMEIDA, Luis Sávio de. Memorial biográfico de Vicente Ferreira de Paula, o capitão de todas as matas. Maceió: Edufal, 2008.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem, a elite política imperial, teatro de sombras, a política imperial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Relume Dumará, [1980] 1996.

CARVALHO, Marcus. Os nomes da Revolução: lideranças populares na Insurreição Praieira, Recife, 1848-1849. Revista Brasileira de História, vol. 23, n. 45, São Paulo, 2003, ANPUH. p. 209-238. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v23n45/16526.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882003000100009.

CARVALHO, Marcus & CÂMARA, Bruno D. A Insurreição Praieira. Revista Almanack braziliense, n. 8, fórum, São Paulo, USP, novembro 2008.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial, origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Editora Globo, 2005.

DOLHNIKOFF, Miriam. Governo representativo e eleições no século XIX. Revista do IHGB, a. 178, vol. 474, Rio de Janeiro: IHGB, maio/ago. 2017, p. 15-46. Disponível em: https://ihgb.org.br/revista-eletronica/artigos-474/item/108562-governo-representativo-e-eleicoes-no-seculo-xix.html. DOI+: http:// 10.23927/issn.2526-1347.RIHGB.2017(474):15-46.

ESTEFANES, Bruno. Conciliar o Imperio, o marquês de Paraná e a política imperial, 1842-1856. São Paulo: AnnaBlume, 2013.

FERRAZ, Sérgio. O Império revisitado: instabilidade ministerial, Câmara dos Deputados e Poder Moderador (1840-1889). Tese de doutorado, Ciência Política, FFLCH, USP, 2012.

FERRAZ, Paula. O gabinete da conciliação: atores, ideias e discursos (1848-1857). Dissertação de mestrado, História, UFJF, 2013.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. São Paulo. O Brasil monárquico, dispersão e unidade. In: Idem. História geral da civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1964.

IGLESIAS, Francisco. Vida política, 1848/1868. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira. São Paulo, Rio de Janeiro: Difel, 1976, p. 9-112.

MARSON, Izabel Andrade. O Império do progresso, a Revolução Praieira em Pernambuco, 1842-1855. São Paulo: Brasiliense, 1987.

MATTOS, Ilmar. O tempo saquarema, a formação do Estado imperial. Rio de Janeiro: Acces, 1994.

MOMESSO, Beatriz Piva. Letras, ideias e culturas políticas: os escritos de Nabuco de Araújo (1843-1876). Tese de doutorado, História, UERJ, 2015.

MOSHER, Jeffrey. Political struggle ideology & state building, Pernambuco and the construction of Brazil, 1817-1850. Lincoln: University of Nebraska Press, 2008.

NASCIMENTO, Luiz do. História da imprensa de Pernambuco, vol. II, Diários do Recife, 1829-1900. Recife: UFPE, Imprensa Universitária, 1966.

NEEDELL, Jeffrey. The Party of Order: the conservatives, the state and slavery in the Brazilian monarchy, 1831-1871. Stanford: Stanford Univ. Press, 2006.

OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. As guerras nas matas de Jacuípe. Revista Clio, n. 33.2, Recife: UFPE, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaclio/article/view/24710/19985.

OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. Circulação de saberes e de práticas governativas: caminhos de articulação da política no Brasil, 1845-1860. Revista Almanack, n. 18, Guarulhos, abr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-46332018000100248&lng=en&nrm=iso DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320181806.

ROSAS, Suzana Cavani. Da constituinte soberana a conciliação política sobre as bases das reformas: o Partido Liberal em Pernambuco e o gabinete Paraná de 1853. Revista de História, n. 170, São Paulo, jan.-jun. 2014, p. 291-316. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/170/10%20-%20Suzana%20Cavani%20Rosas.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i170p291-316.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Edição

Seção

Constitucionalismo, instituições e opinião pública