Uma "fake news" setecentista? Investigação a respeito da "conversão dos índios Orizes" nos sertões da Bahia (c. 1710 - c. 1730)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.166460

Palavras-chave:

índios Orizes, Sertões da Bahia, conversão, notícia falsa, regime de verdade

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma recente investigação sobre uma narrativa de conversão ocorrida nos sertões da Bahia. De acordo com ela, um padre de nome Eusébio Dias Lassos de Lima, no ano de 1713, converteu os índios Orizes-Procazes, grupo tido como um “dos mais bárbaros e perigosos dos sertões”. Ao cotejarmos documentação de diversos arquivos, inclusive da Torre do Tombo, e analisarmos tal narrativa, foi possível concluirmos que esta notícia publicada em Lisboa no ano de 1716, citada inclusive em várias teses, foi colocada em dúvida, sendo afirmado por coetâneos que tudo não passou de invenção do padre em colaboração com um “editor” lusitano. Apresentamos aqui as intencionalidades, as condições de produção da notícia, e os regimes de verdade que estavam subsumidos nos enunciados dos envolvidos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Victor de Araújo Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (2011); Professor Adjunto de História da América Colonial na Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Referências

Fontes manuscritas

Arquivo Histórico Ultramarino_ACL_005, cx. 11, D.921.

Arquivo Histórico Ultramarino _CU_BA, caixa. 47, doc. 73. 12 de junho de 1734. Lisboa. Consulta do Conselho Ultramarino ao Rei D. João V, sobre as cartas do Vice-Rei do Brasil, conde de Sabugosa, [Vasco Fernandes de Menezes], acerca de um homem que se intitulava príncipe do Brasil em alagoas.

Arquivo Nacional Torre do Tombo. Tribunal do Santo Ofício, Conselho Geral, Habilitações Incompletas, doc. 1493. Diligência de Habilitação de Eusebio Dias Laços de Lima (Padre). 1723-1724.

Baía. 18 de novembro de 1724. Arquivo Histórico Ultramarino_ACL_CU_005, cx. 20, D. 1794.

Baía. 4 de junho de 1725. Arquivo Histórico Ultramarino_ACL_CU_005, cx. 22, D. 1956.

Baía. 9 de junho de 1726. Arquivo Histórico Ultramarino_ACL_CU_005, cx.26, D.2410.

Fontes publicadas

ASSIS, Machado de. Americanas. B. L. Garnier, 1875.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário Portuguez e Latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712. (Vol. 1).

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário Portuguez e Latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1720 (Vol. 6).

BRANDÃO, Ambrósio Fernandes. Diálogos das Grandezas do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2010.

CUNHA, Euclides da. Os sertões. Rio de Janeiro: Centro Eldenstein de Pesquisas Sociais, 2010.

Documentos Históricos. Rio de Janeiro: Provedoria da Fazenda Real de Santos, 1952. Vol. 96.

Gazeta de Lisboa, Número 8, 22 de fevereiro de 1716.

MACHADO, Diogo Barbosa. Bibliotheca Lusitana. Historica, Critica, e Cronologica; Na qual se comprehnde a noticia dos autores portuguezes, e das Obras, que compuzeram desde o tempo da promulgação da ley da Graça até o tempo prezente. Lisboa: Oficina de Ignacio Rodrigues, 1747.

MASCARENHAS, José Freire de Monterroio. Os Orizes conquistados, ou noticia da conversam dos indomitos Orizes Procazes, povos barbaros, & guerreyros do Certaõ do Brasil, novamente reduzidos á Santa Fé Catholica, & á obediencia da Coroa Portugueza: com a qual se descreve tambem a aspereza do sitio da sua habitaçaõ, a cegueyra da sua idolatria, & barbaridade dos seus ritos. Lisboa: Na Officina de Antonio Pedrozo Galram, 1716.

SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil (1500-1627). São Paulo: Melhoramentos, 1965.

Estudos e teses

ALMEIDA. Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas. Identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

BELO, André. As gazetas e os livros. A Gazeta de Lisboa e a vulgarização do impresso (1715-1760). Imprensa de Ciências Sociais, 2001.

CHICANGANA-BAYONA, Yobenj Aucardo. Imagens de canibais e selvagens no Novo Mundo. Do maravilhoso medieval ao exótico colonial (séculos XV-XVII). Campinas: Editora UNICAMP, 2017.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos. Colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyla, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GARCIA, Elisa Frühaulf. As diversas formas de ser índio. Políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América portuguesa. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

HANSEN, João Adolfo. Agudezas seiscentistas e outros ensaios. São Paulo: EDUSP, 2019.

KANTOR, Iris. Esquecidos e renascidos. Historiografia Acadêmica Luso-Americana (1724-1759). São Paulo/Salvador: Editora Hucitec, Centro de Estudos Baianos/UFBA, 2004.

KIENING, Christian. O sujeito selvagem. Pequena poética do Novo Mundo. São Paulo: EDUSP, 2014.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004.

LESTRIGANT, Frank. A oficina do cosmógrafo ou A imagem do mundo no Renascimento. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2009.

MONTEIRO, John. Negros da terra. Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Posseiros, rendeiros e proprietários: Estrutura fundiária e dinâmica agromercantil no Alto-sertão da Bahia (1750-1850). Tese, História do Brasil, Programa de Pós-graduação em História UFPE, Recife, 2003, p. 152.

PAGDEN, Anthony. The fall of natural man. The American Indian and the origins of comparative ethnology. University of Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

PARAÍSO, Maria Hilda Bagueiro. De como se obter mão de obra indígena na Bahia entre os séculos XVI e XVIII. Revista de História, São Paulo: n°129-131. Ago-dez, 1993/Ago-dez. 1994. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i129-131p179-208

PÉCORA, Alcir. Máquina de Gêneros. São Paulo: EDUSP, 2001.

POMPA, Cristina. Religião como tradução. Missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial. Bauru, SP: EDUSC, ANPOCS, 2003.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros. Povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec/EDUSP/FAPESP, 2002.

RAMINELLI, Ronald. Imagens da colonização. A representação do índio de Caminha a Vieira. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1996.

RAMINELLI, Ronald. Serviços e mercês de vassalos na América portuguesa. Revista Historia y Sociedad, Medellín: N° 12, Noviembre, 2006.

Recuperado a partir de https://revistas.unal.edu.co/index.php/hisysoc/article/view/20431.

RODRIGUES, José Honório. História da história do Brasil. 1° parte. Historiografia Colonial. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

SOUSA, Avanete Pereira. A Bahia no século XVIII. Poder político e atividades econômicas. São Paulo: Alameda, 2012.

SOUZA, Evergton Sales. Missionários, índios e sociedade colonial no nordeste da Bahia: Natuba, séculos XVII e XVIII. Revista de Indias, 2019, vol. LXXIX, n. 276, p. 339-367. doi: https://doi.org/10.3989/revindias.2019.010

VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios. Catolicismo e rebeldia no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Downloads

Publicado

2021-04-09

Edição

Seção

Artigos