Raízes da América Latina: origens e fundamentos de uma identidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.171183

Palavras-chave:

América Latina, Latino-americanismo, identidade, CEPAL, História da América Latina

Resumo

O artigo “Raízes da América Latina” analisa a trajetória de debates em torno das origens e dos fundamentos da identidade latino-americana. Para tanto, optou-se por um recorte cronológico centrado em três períodos. O primeiro contempla o debate sobre a origem autóctone ou francesa da identidade. O segundo ciclo perpassa o processo de consolidação do conceito no meio intelectual, na transição do século XIX para o século XX. Finalmente, o terceiro estágio – aqui analisado de maneira breve – compreende o processo de maturação da latino-americanidade como identidade supranacional, a partir do surgimento da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), em 1948, que impactou a forma como os países da região passaram a enxergar seus homólogos. Desse modo, o artigo apresenta as principais interpretações existentes sobre esse conceito-identidade ainda tão utilizado e disputado na semântica política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Gavião, Universidade Católica de Petrópolis

Doutor em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Professor Assistente do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Católica de Petrópolis (UCP). Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. 2a edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 330p.

AYERBE, Luis Fernando. Estados Unidos e América Latina: a construção da hegemonia. São Paulo: Editora Unesp, 2002.

BIELCHOWSKY, Ricardo. Introdução. In: Raúl Prebisch. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. 1a edição. Rio de Janeiro: Contraponto / Centro Internacional Celso Furtado, 2011.

BUSHNELL, David. A independência da América do Sul Espanhola. In: Leslie Bethell (org.). História da América Latina, volume III: da independência a 1870. 1a edição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. pp. 119-186.

CERVO, Amado Luiz. Relações Internacionais da América Latina: velhos e novos paradigmas. Brasília: IBRI, 2001.

COMPAGNON, Olivier. O adeus à Europa: a América Latina e a Grande Guerra. 1a edição. Rio de Janeiro: Rocco, 2014. 399p.

FRANK, Robert. Mentalités, opinion, représentations, imaginaires et relations internationales. In: Robert Frank (org.). Pour l’histoire des relations internationales. 1a edição. Paris: Presses Universitaires de France, 2012. pp. 345-370.

FURTADO, Celso. Formação Econômica da América Latina. 2a edição. Rio de Janeiro: Lia, Editor S.A., 1970. 375p.

GAVIÃO, Leandro. Do Pan-Americanismo ao Sul-Americanismo: As Identidades Supranacionais no Continente Americano em Três Tempos (1826, 1960 e 2008). Tese de Doutorado PPGH/UERJ, 2018.

GURRIERI, Adolfo. A economia política de Raúl Prebisch. In: Raúl Prebisch. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. 1a edição. Rio de Janeiro: Contraponto / Centro Internacional Celso Furtado, 2011. pp. 15-92.

HUNTINGTON, Samuel. O Choque das Civilizações. 1ª edição. Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.

LAGOS, Gustavo. Prólogo: la evolución del pensamento y la acción integracionistas em América Latina. In: Felipe Herrera. America Latina Integrada. 2a edição. Buenos Aires, Editorial Losada S.A., 1967. p. 9-32.

MACHADO, Luiz Toledo. Apresentação. In: Eduardo Prado. A Ilusão Americana. 5a edição. São Paulo: IBRASA, 1980. pp. 9-13.

MARTINIÈRE, Guy. Michel Chevalier et la latinité de l’Amérique. Revista Neiba, Cadernos Argentina-Brasil, v. 3, n. 1, 2014. pp. 1-10.

MEDINA, Javier Torres. El império mexicano y el império brasileño: uma historia no compartida. Revista de História, Juiz de Fora, vol. 10, n. 2, pp.3-12, jul./dez. 2004.

MENDES, Ricardo. América Latina: interpretações da origem do imperialismo norte-americano. Revista Projeto História, São Paulo, p. 167-188, dez. 2005.

PECEQUILO, Cristina Soreanu. Introdução às Relações Internacionais. 1a edição. Petrópolis, Editora Vozes, 2010. 246p.

QUIJADA, Mónica. Sobre el origen y difusión del nombre “América Latina” (o uma variación heterodoxa em torno al tema de la construcción social de la verdade). Madrid: Revista de Indias, 1998, v.58, n. 214. pp. 595-616.

RAJO SERVENTICH, Alfredo. Las dimensiones del hispanimo y del hispanoamericanismo. Latinoamérica, n. 47, México, 2008. pp. 97-116.

RIBEIRO, Darcy. Manoel Bomfim, antropólogo. In: Manoel Bomfim. A América Latina: males de origem. 2a edição. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 1905/2005. pp. 11-22.

RIVAS, Pierre. Diálogos interculturais. 1a edição. São Paulo: Hucitec, 2005. 302p.

SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão – uma história da política norte-americana em relação à América Latina. 1a edição. Bauru: EDUSC, 2000. 502p.

STRAUSS, Claude-Lévi. Race et Histoire. Paris: Unesco, 1952/1961.

WENDT, Alexander. Teoria Social da Política Internacional. 1a edição. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2014. 536p.

WIONCZEK, Miguel. História do Tratado de Montevidéu. In: Miguel Wionczek (org.). A Integração Econômica da América Latina: Experiências e Perspectivas. 1a edição. Rio de Janeiro: Gráfica O Cruzeiro, 1966. pp. 85-124.

Fontes Primárias

BOMFIM, Manoel. A América Latina: males de origem. 2a edição. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 1905/2005. 390p.

CAICEDO, José Maria Torres. Las dos Américas. El Correo de Ultramar, Paris: año 16, 15/02/1857.

CHEVALIER, Michel. Lettres sur l’Amérique du Nord, Vol. I. 4a edição. Bruxelas: Wouters et C., Imprimeurs-Libraires, 1837. 275p.

CHEVALIER, Michel. Le Mexique Ancien et Moderne, 2ª edição. Paris: Librairie de L. Hachette et Cie, 1864. 628p.

HUGELMANN, Gabriel. Courrier de l’Amérique du Sud. Revue des Races Latines. Paris: le 5 mai 1858a. pp. 531-567.

HUGELMANN, Gabriel. Nos intentions. Revue des Races Latines. Paris: le 5 mai 1858b. pp. 5-18.

MARTÍ, José. Vindicação de Cuba. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1889a/2006. pp. 147-152.

MARTÍ, José. Mãe América. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1889b/2006. pp. 186-193.

MARTÍ, José. Nossa América. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1891a/2006. pp. 194-201.

MARTÍ, José. A Conferência Monetária das Repúblicas da América. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1891b/2006. pp. 202-211.

MARTÍ, José. A verdade sobre os Estados Unidos. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1894/2006. pp. 245-248.

MARTÍ, José. Carta a Manuel Mercado. In: José Martí. Nossa América. 3a edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1895/2006. pp. 252-254.

PRADO, Eduardo. A Ilusão Americana. 5a edição. São Paulo: Ibrasa, 1893/1980. 190p.

PRADO, Eduardo. A Ilusão Americana. 1a edição. Brasília: Edições do Senado Federal, 1893/2010. 120p.

PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. In: Raúl Prebisch. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. 1a edição. Rio de Janeiro: Contraponto / Centro Internacional Celso Furtado, 1949/2011. pp. 95-152.

PREBISCH, Raúl. Crescimento, desequilíbrio e disparidades: interpretação do processo de desenvolvimento econômico. In: Raúl Prebisch. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. 1a edição. Rio de Janeiro: Contraponto / Centro Internacional Celso Furtado, 1950/2011. pp. 153-246.

PREBISCH, Raúl. Problemas teóricos e práticos do crescimento econômico. In: Raúl Prebisch. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. 1a edição. Rio de Janeiro: Contraponto / Centro Internacional Celso Furtado, 1951/2011. pp. 247-298.

RODÓ, José. Ariel. 1a edição. São Paulo: Editora da Unicamp, 1900/1991. 115p.

Constituições

ARGENTINA. Constitución de la Nación Argentina. Buenos Aires: 1994.

BOLIVIA. Constitución Politica del estado de 1826. La Paz: 1826.

BOLIVIA. Constitución Política del Estado Plurinacional de Bolivia. La Paz: 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1967.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1988.

COLOMBIA. Constitución Politica de Colombia. Bogotá: 1991.

ECUADOR. Constitución de 1967. Quito: 1967.

ECUADOR. Constitución Politica Del Año 1978. Quito: 1978.

ECUADOR. Constitución de 1998. Quito: 1998.

ECUADOR. Constitución de la República del Ecuador. Quito: 2008.

GUYANA. Constitution of the Co-Operative Republic of Guyana. Georgetown: 1980.

PARAGUAY. Constitución de la República de Paraguay. Asunción: 1967.

PARAGUAY. Constitución de la República de Paraguay. Asunción: 1992.

PERÚ. Constitución para la República del Perú. Lima: 1979.

PERÚ. Constitución Política del Perú. Lima: 1993.

SURINAME. The Constitution of the Republic Of Suriname. Paramaribo: 1987.

URUGUAY. Constitución de la República Oriental del Uruguay. Montevideo: 1967.

VENEZUELA. Constitución de la República de Venezuela. Caracas: 1961.

VENEZUELA. Constitución de la República Bolivariana de Venezuela. Caracas: 1999.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Edição

Seção

Artigos