Anatomia política de uma crise bancária, praça do Rio de Janeiro, Brasil, primeiro semestre de 1875

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.171540

Palavras-chave:

crise bancária, bancos, império brasileiro, século XIX, política

Resumo

A proposta deste artigo é analisar o debate parlamentar brasileiro sobre a intervenção do Estado na crise bancária de 1875. De modo geral, enquadra-se no conjunto de contribuições que tratam da reação do mundo político às crises econômicas. Seu objetivo é compreender as diferentes visões da crise que se estabeleceram no parlamento, a fim de identificar, na prática, como argumentos econômicos se misturavam a interesses políticos na definição da atuação do Estado num momento de dificuldade para os bancos do império. Em outras palavras, o artigo procurará mostrar como o governo e o parlamento lidaram com essa crise no Brasil. A documentação fundamental utilizada na análise foram os anais da câmara e do senado, por meio dos quais percorremos as extensas e intensas discussões sobre o projeto de “auxílio aos bancos”. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Fontelas Rosado Gambi, Universidade Federal de Alfenas

Doutor pelo Programa de Pós-graduação em História Econômica do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Professor associado do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas, Minas Gerais, Brasil. 

Referências

Fontes impressas

Anais do Parlamento Brasileiro. Câmara dos Srs. Deputados. Rio de Janeiro: Typ. Imperial e Constitucional de J. Villeneuve & C., 1875.

Anais do Senado do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typ. do Diário do Rio de Janeiro, 1875.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa na terceira sessão da décima quarta legislatura pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1871.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Relatório do ministério da fazenda apresentado à Assembléa Geral Legislativa Legislativa em additamento ao de 8 de maio de 1872 pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1872a.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa na quarta sessão da décima quarta legislatura pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1872b.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa na segunda sessão da décima quinta legislatura pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1873.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa na terceira sessão da décima quinta legislatura pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1874.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa na quarta sessão da décima quinta legislatura pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Visconde do Rio Branco. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1875.

BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Proposta e relatório apresentados à Assembléa Geral Legislativa pelo ministro e secretário de Estado dos negócios da fazenda Barão de Cotegipe. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1877.

Bibliografia

ARNON, Arie. Monetary Theory and Policy from Hume and Smith to Wicksell. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

BAGEHOT, Walter [1873]. Lombard Street. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., 1896.

BOYLAN, Thomas; FOLEY, Timothy. The Teaching of Economics at the Queen’s Colleges in Ireland (Belfast, Cork, Galway), 1845-1900. In: KADISH, Alon; TRIBE, Keith. The Market for Political Economy. London: Routledge, 1993.

CALÓGERAS, João Pandiá. A política monetária do Brasil. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1960.

CARREIRA, Liberato de Castro. História financeira e orçamentária do Império do Brazil desde a sua fundação. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1889.

CARRUTHERS, Bruce. City of Capital. Princeton: Princeton University Press, 1996.

CARVALHO, José Murilo. A construção da ordem. Teatro de sombras. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2008.

CHEVALIER, Michel. On the Probable Fall in the Value of Gold. New York: D’Appleton and Co., 1859.

COBDEN, Richard [1867]. The Political Writings of Richard Cobden. Cambridge: Cambridge University Press, 2011, v.2.

DOBB, Maurice. Studies in the Development of Capitalism. London: Routledge & Kegan Paul, 1950.

FETTER, Frank Whitson. The Politics of Bullion Report. Economica, New Series, v.26, n.102, 1959. ISSN 0013-0427. doi: https://doi.org/10.2307/2550389

FONSECA, Pedro Cezar Dutra; MOLLO, Maria de Lourdes Rollemberg. Metalistas x papelistas: origens teóricas e antecedentes do debate entre monetaristas e desenvolvimentistas. Nova Economia, v.22, n.2, 2012. ISSN 0103-6351. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-63512012000200001

GAMBI, Thiago Fontelas Rosado. O banco da Ordem. São Paulo: Alameda, 2015.

GAMBI, Thiago Fontelas Rosado. O debate sobre moeda, crédito e bancos no Império. In: COSENTINO, Daniel do Val; GAMBI, Thiago Fontelas Rosado (Org.). História do Pensamento Econômico. Pensamento Econômico Brasileiro. São Paulo: Hucitec, 2019.

GREMAUD, Amaury Patrick. Das controvérsias teóricas à política econômica: pensamento econômico e economia brasileira no segundo império e na primeira república (1840-1930). Tese (Doutorado em Economia) – Universidade de São Paulo, 1997.

HAMMOND, Bray. Banks and Politics in America. Princeton: Princeton University Press, 1957.

HORNER MILLS, Richard. The Principles of Currency and Banking. London: Groombridge and Sons, 1857.

HUMPHREY, Thomas. Lender of Last Resort: The Concept in History. Economic Review, march/april, 1989.

LEVY, Maria Bárbara. História da bolsa de valores do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ibmec, 1977.

MARICHAL, Carlos; BARRAGÁN, Guillermo. Los primeros panicos y crisis bancarias en América Latina, 1857-1864. V Congresso Latino-americano de História Econômica (CLADHE), Santiago de Chile, 2019.

MARTINS, Maria Fernanda. O círculo dos grandes: um estudo sobre política, elites e redes no segundo reinado a partir da trajetória do visconde do Cruzeiro (1854-1889). Locus Revista de História, v.13, n.1, 2007. ISSN 2594-8296.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec, 1987.

MAUÁ, Visconde de. Autobiografia. Brasília: Senado Federal, 2011.

PACHECO, Cláudio. História do Banco do Brasil. Brasília: Banco do Brasil, 1979, v.3.

PELÁEZ, Carlos Manuel; SUZIGAN, Wilson. História monetária do Brasil. Análise da política, do comportamento e das instituições monetárias. Brasília: UNB, 1981.

RODRIGUES, José Carlos. Alguns artigos sobre finanças publicados no Jornal do Commercio. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1899.

SÁEZ, Hernán Enrique Lara. Nas asas de Dédalo: um estudo sobre o meio circulante no Brasil entre os anos de 1840 a 1853. Dissertação de mestrado em História Econômica – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SÁEZ, Hernán Enrique Lara. O tonel das Danaides: um estudo sobre o debate do meio circulante no Brasil entre os anos de 1850 a 1866 nas principais instâncias decisórias. Tese de doutorado em História Econômica – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

SCHULZ, John. A crise financeira da abolição. São Paulo: Edusp/Instituto Fernand Braudel, 1996.

VILLELA, André Arruda. The political economy of money and banking in Imperial Brazil 1850-1870. Tese (Doutorado em História econômica) – London School of Economics and Political Science, 1999.

WALKER, Francis. Money. New York: Henry Holt and Co., 1878.

WOLOWSKI, Louis. La Banque d’Anglaterre et les banques d’Escosse. Paris: Guillaumin et Cie., 1867.

WOLOWSKI, Louis. L’or et l’argent. Paris: Guillaumin et Cie., 1870.

Downloads

Publicado

2021-04-27

Edição

Seção

Artigos