Eça de Queiroz, a "geração de 1870" e a Universidade de Coimbra: entre vivências e representações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.173276

Palavras-chave:

História intelectual, Eça de Queiroz, Geração de 1870, Universidade de Coimbra, Portugal no século XIX

Resumo

Por meio deste artigo, objetiva-se analisar as experiências da “geração de 1870” na (e sobre a) Universidade de Coimbra. Para tanto, discute-se a historiografia pertinente, bem como as cartas e os textos de cunho memorialístico de Eça de Queiroz (1845-1900), um dos mais importantes membros do referido grupo. Almeja-se demonstrar a importância dessas trajetórias e experiências, vividas e recriadas por Eça e sua geração, para a constituição da intelligentsia portuguesa e o debate intelectual do século XIX. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgílio Coelho de Oliveira Júnior, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Doutor em História e Culturas Políticas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Professor efetivo do Departamento de Formação Geral do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) - Leopoldina- Minas Gerais - Brasil 

Referências

Referências bibliográficas e documentais

Fontes manuscritas

ARQUIVO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA (AU) – Livro de Actos e Graus: IV-1°D-2-5-24.

ARQUIVO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA (AU) – Livro de Exames: IV-1°D-3-4-38.

Fontes impressas

Correspondências

CASTILHO, António Feliciano de. Carta ao Editor António Maria Pereira. In: CHAGAS, Pinheiro. Poema da Mocidade: Anjo do Lar. Lisboa: A. M. Pereira, 1865.

QUEIROZ, Eça de. Uma carta a Carlos Mayer. In: MATOS, Alfredo Campos (org.). Eça de Queirós correspondência. Lisboa: Caminho, 2008, vol.1.

Livros e outros impressos

BRAGA, Teófilo. Theocracias litterarias: relance sobre o estado actual da litteratura portugueza. Lisboa: Typografia Universal, 1865.

BRANCO, Camilo Castelo. Vaidades irritadas e irritantes: opusculo acerca d’uns que se dizem ofendidos em sua liberdade de consciencia litteraria. Porto: Em Casa de Viuva Moré, imp, 1866.

ORTIGÃO, Ramalho. Figuras e questões literárias. Lisboa: Clássica,1945.

QUEIROZ, Eça de. O Francesismo. In: FIALHO, Irene (ed.). Almanaques e outros dispersos. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2009a (Edição crítica das obras de Eça de Queirós. Vária).

QUEIROZ, Eça de. Um gênio que era um santo. In: FIALHO, Irene (ed.). Almanaques e outros dispersos. Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 2009b (Edição crítica das obras de Eça de Queirós. Vária).

QUENTAL, Antero de. Bom-Senso e Bom-Gosto: carta ao excelentíssimo senhor Antonio Feliciano de Castilho. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1865.

QUENTAL, Antero de. A Dignidade das letras e as litteraturas officiaes. Lisboa: Typografia Universal, 1865.

Referências bibliográficas

ALMEIDA, Pedro Tavares de. A construção do estado liberal. Elite política e burocracia na “Regeneração” (1851-1890). Dissertação (Doutoramento) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, 1995.

BOURDIEU, Pierre. A Produção da Crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 3ª ed. Porto Alegre: Zouk, 2008.

CATROGA, Fernando. Os caminhos polémicos da geração nova. In: MATTOSO, José (org.). História de Portugal. Lisboa: Estampa, 1993a, p.569-582.

CATROGA, Fernando. Romantismo, literatura e história. In: MATTOSO, José (org.). História de Portugal: Volume 5: O Liberalismo (1807-1890). Lisboa: Estampa, 1993b, p.545-562.

COIMBRA, Margarida R. Custódio Mota. Subsídios para o estudo da delinquência estudantil em Coimbra, 1871-1886. In: CONGRESSO HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE. Universidade(s): história, memoria, perspectivas. Coimbra: Comissão Organizadora do Congresso, 1991, vol.3, p.321-330.

CORREIA, Antônio Ferrer. Introdução (solenidade de abertura). In: CONGRESSO HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE. Universidade(s): história, memoria, perspectivas. Coimbra: Comissão Organizadora do Congresso, 1991, vol. 1, p.15-29.

FIALHO, Irene. Introdução. In: FIALHO, Irene. (ed.). Almanaques e outros dispersos. Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 2009 (Edição crítica das obras de Eça de Queirós. Vária), p.35-58.

HENRIQUES, Manuel Louzã. Considerações sobre a boêmia estudantil no séc. XIX. In: CONGRESSO HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE. Universidade(s): história, memoria, perspectivas. Coimbra: Comissão Organizadora do Congresso, 1991, vol.3, p.345-354.

MACHADO, Álvaro Manuel. A Geração de 70: uma revolução cultural e literária. 2a ed. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1981.

MARCOS, Rui de Figueiredo. Eça de Queirós, a Europa e a Faculdade de Direito de Coimbra no século XIX. Lisboa: Almedina, 2005.

MERÊA, Paulo. Como nasceu a Faculdade de Direito. In: Boletim da Faculdade de Direito, suplemento XV – Homenagem ao Doutor José Alberto dos Reis. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1961, vol. 1, p.132-155.

MÔNICA, Maria Filomena de. Eça de Queirós. 5 a ed. Lisboa: QUETZAL, 2009.

MOOG, Vianna. Eça de Queiroz e o século XIX. Porto Alegre: Globo, 1938.

NOVA, Antônio. A Sociedade do Raio na Coimbra Acadêmica de 1861-1863. In: CONGRESSO HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE. Universidade(s): história, memoria, perspectivas. Coimbra: Comissão Organizadora do Congresso, 1991, vol.3.

RAMOS, Rui. A formação da intelligentsia portuguesa (1860-1880). In: Análise Social, v. 27, n.116-117, p.483-528, 1992.

VALADARES, Virgínia Maria Trindade. Elites mineiras setecentistas: conjugação de dois mundos. Lisboa: Colibri; Portimão: Instituto de Cultura Ibero-Americana, 2004.

VILLALTA, Luiz Carlos. Usos do Livro no Mundo Luso-Brasileiro sob as Luzes: Reformas, Censura e Contestações. 2a ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

Downloads

Publicado

2021-10-27

Como Citar

OLIVEIRA JÚNIOR, V. C. de. Eça de Queiroz, a "geração de 1870" e a Universidade de Coimbra: entre vivências e representações. Revista de História, [S. l.], n. 180, p. 1-30, 2021. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.173276. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/173276. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

História e Cultura