“Os filhos da viúva” sob a ótica da suspeição: congregados marianos, intelectuais católicos, repressão e estratégias de reorganização maçônica nos meandros da burocracia do Estado (1937-1945)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.174222

Palavras-chave:

Maçonaria, antimaçonismo, Estado Novo, Congregados Marianos, intelectuais católicos

Resumo

O presente artigo tem como preocupação, discutir os caminhos que a maçonaria pernambucana trilhou no período após a instalação do Estado Novo, quando permaneceu com suas atividades e patrimônios interditados pelo Estado. Ao longo do texto, discutiremos como o ideário antimaçônico foi difundido em vários espaços da burocracia do Estado Novo pernambucano, muitos deles, formados dentro de uma sociabilidade, política e intelectual de matriz conservadora-católica. Procurando realizar uma leitura de fontes relacionadas a este processo de construção de uma lógica da suspeição, observaremos como ela foi importante no processo interdição de reorganização das ações maçônicas pernambucanas no período de 1937-1945. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto César Acioly Paz Silva, Centro de Ensino Superior de Arcoverde. Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde

Doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Professor do Departamento de História do Centro de Ensino Superior de Arcoverde, instituição ligada à Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde, cidade de Arcoverde, Pernambuco. 

Referências

Fontes

AÇÃO Contra a Maçonaria na Romênia. Folha da Manhã, Recife, 01/02/1941, s/p.

ATA da Sessão Extraordinária. Rio Branco/PE, 15/12/1938. Prontuário funcional 1527 B – DOPS - APEJE.

BAPTISTA Teixeira Capitão Delegado Segurança Política Social Resposta rádio 102. Rio de Janeiro, 28/09/1940. Prontuário 7212. DOPS – APEJE.

BOLETIM de 1938, página 51; de 1939, páginas 24, 26, 51; de 1940, páginas 5 e 180; Resumo das Atividades do GOB encaminhadas à Delegacia de Segurança Política e Social. Rio de Janeiro, 11/07/1941- Dossiê 01 Fundo Polícia Política - APERJ, p. 2.

BOLETIM do Grande Oriente do Brasil-GOB, out. 1938, p. 22.

CORRÊA, Fábio. Consulta por rádio nº 102. Recife, 19/09/1940. Prontuário 7212. DOPS – APEJE.

FARIAS, Djalma M. de. et al. Carta endereçada a Agamenon Magalhães. Recife, 02/09/1940. Prontuário Funcional - DOPS - APEJE.

JORNAL do Comercio, Recife 06/10/1939, p. 2.

OFÍCIO da Grande Loja da Paraíba a Osvaldo Aranha. João Pessoa, 1938. OAcp. 38.04.26/2, FGV, p.2.

OFÍCIO ao Secretário de Segurança Pública sobre a reabertura das Lojas Maçônicas. Recife, 04/10/1940. Prontuário 7212 – DOPS -. APEJE.

SECRETARIA da Segurança Pública. Bota sobre situação das lojas maçônicas em Pernambuco. Recife, 05/10/1940. Prontuário 7212 – DOPS – APEJE.

Referências Bibliográficas

AGULHON, Maurice. Pénitents et Francs-maçons de l’ancienne Provence: essair sur la sociabilité meridionale. 3ª ed. Paris: Fayard,1984.

AGULHON, Maurice. As Sociedades de Pensamento. In: VOLVELLE, Michel. França Revolucionária (1789-1799). São Paulo: Brasiliense, 1989.

ALMEIDA, Maria das Graças Andrade Ataíde de. A Construção da verdade autoritária. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

BENIMELLI, José Antônio Ferrer. El contubérnio Judeo-Masónico-Comunista. del Satanismo al escândalo de la P-2. Madri: Edições ISTMO, 1982.

BENIMELI, José Antônio Ferrer; CAPRILE, Giovanni; ALBERTON, Valério. Maçonaria e Igreja Católica: ontem, hoje e amanhã. Trad. Valério Alberton. 2ª. ed. São Paulo: Paulinas,1983.

BENIMELI, José Antônio Ferrer. La Masoneria. 2ª. ed. Madri: Alianza Editorial, 2005.

BLOCH, Marc. Apologia a História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BURKE, Peter (org.). A escrita da História. 4ª. ed. São Paulo: Unesp, 1992.

CABRAL, Newton Darwin; LIMA, Claudia de Araújo. As múltiplas atividades do Padre Antônio Paulo Cyriaco Fernandes, SJ, no Recife, entre 1923 e 1946. In: http://www.unicap.br/coloquiodehistoria/wp-content/uploads/2013/11/5Col-p.23-2.pdf. Acesso: 23 abr.2020.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

CARNEIRO, Leandro Piquet; KUSCHNIR, Karina. As Dimensões Subjetivas da Política: Cultura Política e Antropologia Política. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n. 24, p.227-250, 1999.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O antissemitismo na Era Vargas: fantasmas de uma geração. 3ª edição ampliada. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CASALI, Alípio. Elite intelectual e restauração da Igreja Católica. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

CASTELLANI, José. História do Grande Oriente do Brasil. A Maçonaria na História do Brasil. Publicado do Grande Oriente do Brasil, nº 001, Poder Central, Brasília, 1993.

CAVALCANTI, Paulo. A luta Clandestina: o caso eu conto como o caso foi. Recife: Editora Guararapes, 1985. V.4.

COLUSSI, Eliane Lucia. A maçonaria gaúcha no Século XIX. Passo Fundo: Ediupf, 1998.

DIAS, Romualdo. Imagens de ordem: a doutrina católica sobre autoridade no Brasil, 1922-1935. São Paulo: UNESP, 1996.

FILHO, Andrade Lima. China Gordo: Agamenon Magalhães e sua época. Recife: Editora Universitária, 1976.

FRANCISCO, Renata Ribeiro. A maçonaria e o processo de abolição em São Paulo. Tese (História) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. 286p.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

KOFES, Suely. Dilemas da Maçonaria Contemporânea: um experimento antropológico. Campinas, São Paulo: Editora Unicamp, 2015.

MOURA, Carlos André da Silva. Fé, Saber e Poder: os intelectuais entre a Restauração Católica e a política no Recife (1930-1937). Recife: Prefeitura da cidade do Recife, 2012.

MOREL, Marco; SOUZA, Françoise Jean de Oliveira. O Poder da maçonaria: a história de uma sociedade secreta no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

PROBER, Kurt. Foi a Maçonaria realmente fechada por Getúlio Vargas. A Trolha: revista maçônica do Centro de Estudos Maçônicos Alécio José Gomes. Jandaia do Sul/Paraná, dezembro de 1980. pp. 38-39.

SILVA, Augusto César Acioly. Maçonaria E República: confrontos, conflitos, tensões e atuação sociopolítica de maçons em Pernambuco nas Décadas de 1930 e 1940. Tese (História) Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013. 225p.

SILVA, Giselda Brito. A lógica da Suspeição contra a força do Sigma: discursos e polícia na repressão aos integralistas em Pernambuco. Tese (História) Universidade Federal de Pernambuco, 2002, 277p.

SILVA, Michel. (Org.). Maçonaria no Brasil: história, política e sociabilidade. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

SILVA, Silvia Cortez. Tempos de Casa-Grande: 1930-1940. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, 2010.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Edição

Seção

Artigos