O assassinato de Annibal Theophilo: honra literária e conflitos entre escritores no Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.174840

Palavras-chave:

Honra literária, Homens de letras, Rio de Janeiro, Assassinato, Conferência literária

Resumo

No dia 19 de junho de 1915, o poeta Annibal Theophilo foi morto, a tiros, pelo também escritor e deputado federal Gilberto Amado. O crime despertou imediato interesse no público carioca. Além do gosto por acontecimentos espetaculares, sobretudo para crimes, aquele evento estava recheado de elementos misteriosos. Ocorreu em um ambiente elegante, em plena luz do dia, envolveu dois escritores e aconteceu no final de um ilustrado evento social. Analisando alguns aspectos desse crime espetacular, este artigo argumenta ser este um crime de honra, mais precisamente, de honra literária. O trágico episódio envolvendo Annibal Theophilo e Gilberto Amado abre uma preciosa janela, pela qual se pode flagrar tanto os sentidos da distinção social construído pela via da elegância e civilidade, como expôs as diferenças entre os literatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Balaban, Universidade de Brasília

Doutor em história social pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, com pós-doutorado na mesma instituição e no CESTA, centro de pesquisa ligado ao Department of History da Stanford University. Professor do Departamento de História do Instituto de Ciências Humanas da Universidade de Brasília.

Referências

– Fontes

1 – Periódicos

Careta, Rio de Janeiro, 1913-1916, Hemeroteca Digital Brasileira.

Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 1915-1916, Hemeroteca Digital Brasileira.

Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 1912-1916, Hemeroteca Digital Brasileira.

O Paiz, Rio de Janeiro, 1915-1916, Hemeroteca Digital Brasileira.

Pirralho...no Rio, São Paulo, 1915, Hemeroteca Digital Brasileira.

2 – Códigos

Código penal dos Estados Unidos do Brasil, 1890, consultado em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=66049

3 – Dicionários

PINTO, Luís Maria da Silva. Diccionario da lingua brasileira. Ouro Preto: Typographia de Silva, 1832, Coleção Brasiliana USP.

SILVA, Antonio de Morais. Bluteau, Rafael. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. 1ª ed. Lisboa: Simão Tadeu Ferreira, MDCCLXXXIX [1789]. 2v.: v. 1: xxii, 752 p.; v. 2: 541 p., Coleção Brasiliana USP.

– Bibliografia citada

AMADO, Gilberto. A dança sobre o abismo. Rio de Janeiro: Ariel, s/d.

AMADO, Gilberto. A mocidade no Rio e primeira viagem à Europa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

AMADO, Gilberto. Presença na Política. 2ª ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1960.

BALABAN, Marcelo. Estilo Moderno: humor, literatura e publicidade em Bastos Tigre. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

BROCA, Brito. A vida literária no Brasil – 1900. 3ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

BROWN, Gregory Stephen. A Field of Honor: writers, Court Culture, and Public Theater in French Literary Life from Racine to the Revolution. New York: Columbia University Press, 2002.

CASTRO GOMES, Angela Maria de. Essa gente do Rio...: modernismo e nacionalismo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

DAVIS, Natalie Zemon. O retorno de Martin Guerre. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

DUTRA, Eliana de Freitas. Rebeldes Literatos: história e identidade nacional no Almanaque Brasileiro Garnier (1903-1914). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

EL FAR, Alessandra. A Encenação da Imortalidade: uma análise da Academia Brasileira de Letras nos primeiros anos da República. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2000.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No calor da hora: a guerra de Canudos nos jornais. Recife: Cepe Editora, 2019.

LILTI, Antoine. The invention of celebrity – 1750-1850. Cambridge: Polity Press, 2017.

LUSTOSA, Isabel. Brasil pelo método confuso: humor e boemia em Mendes Fradique. Rio de Janeiro: Bertrand, 1993.

MARTINS, Ana Luiza e DE LUCA, Tania Regina (orgs.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

MENCARELLI, Fernando. Cena Aberta: A absolvição de um bilontra e o teatro de revista de Arthur Azevedo. Campinas: Editora da Unicamp, 1999

NEEDELL, Jeffrey D.. Belle Époque Tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Coelho Netto: um antigo modernista. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. O carnaval das letras: literatura e folia no Rio de Janeiro do século XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

RODRIGUES, João Paulo Coelho de Souza. A dança das cadeiras: literatura e política na Academia Brasileira de Letras (1896-1913). Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão: tensões sociais e criação cultura na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SODRÉ, Nelson Werneck. A história da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

SUSSEKIND, Flora. Cinematografo de Letras: literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SUSSEKIND, Flora. As revistas de ano e a invenção do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

VENTURA, Roberto. Estilo Tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Downloads

Publicado

2022-01-04

Como Citar

BALABAN, M. O assassinato de Annibal Theophilo: honra literária e conflitos entre escritores no Rio de Janeiro. Revista de História, [S. l.], n. 181, p. 1-35, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.174840. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/174840. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Autoria e Autoridade entre Antigos e Modernos