Caminhos e fronteiras: o movimento na obra de Sérgio Buarque de Holanda

Autores

  • llana Blaj Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de História
  • Marina Maluf PUC; Departamento de História

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i122p17-46

Resumo

O artigo pretende realçar a idéia de movimento no espaço e no tempo presente em Sérgio Buarque de Holanda, tomando como referência básica a obra Caminhos e Fronteiras. Através de uma pesquisa minuciosa que tem como base o fazer e o refazer cotidiano, o autor vai construindo dialeticamente a interação meio/sociedade/cultura, isto é, a relação tensional entre patamares diferentes de civilização consubstanciados no colono europeu e no início do planalto paulista. Sua obra é elaborada em torno da idéia de movimento, das tensões do devir, onde realidade, método, estilo são uma só e mesma coisa. Assim, Caminhos e Fronteiras não é apenas o título de um de seus livros mas é toda sua obra, onde a realidade está sintetizada no movimento dos caminhos e nas tensões das fronteiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1990-07-30

Edição

Seção

Artigos