Povos Timbira, territorialização e a construção de práticas políticas nos cenários coloniais

Autores

  • Juciene Ricarte Apolinário Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i168p244-270

Palavras-chave:

Timbira, requerimento, territorialização

Resumo

Este artigo objetiva revisitar as diferentes agências e solicitações de cinco povos indígenas Timbira localizados nas capitanias do Piauí, Maranhão, Pará e nordeste de Goiás entre os séculos XVIII e XIX, diante de um contínuo processo forçoso de territorialização e reinvenção das suas práticas culturais, religiosas e políticas pressionadas pelos contatos com as alteridades, especialmente os criadores de gado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes manuscritas

Carta do cabo comandante Jacinto de Sampaio. Arraial de São José do Mearim, 9 de agosto de 1752. Biblioteca Nacional de Lisboa (BNL), PBA, caixa 631.

Carta do procurador das cinco nações unidas dos índios e gentios das margens do rio Tocantins, 1821. Arquivos Nacionais da Torre do Tombo – ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Despacho (anexo) a vista da informação do reverendo pároco sobre o suplicado não poder ser admitido ao sacramento do batismo. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Nota (anexo) sobre a demarcação a que se refere a portaria requerida ao soberano Congresso em nome dos principais dos índios e gentios das cinco nações unidas, naturais e residentes nas margens do rio Tocantins, e fontes do rio Grajaú, Turi e Gurupi. Secretaria do Estado dos Negócios Estrangeiros, 23 de março de 1822. ANTT, códice 10, caixa 1.

Ofício de João Baptista Sequeiras, ao conselheiro Filipe Ferreira de Araújo e Castro. Lisboa, Paço das Cortes, 18 de dezembro de 1821. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Parecer do conselheiro Francisco José Vieira a sua majestade d. João VI. Lisboa, 9 de setembro de 1822. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Representação dos índios e gentios das cinco nações unidas das margens do rio Tocantins, 1821. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Requerimento do índio Manoel Nunes Rosallo, cristão e principal das cinco nações unidas e pacificadas, 1816. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Termo de junta de missões que se convocou na cidade de São Luís, Maranhão. Biblioteca Nacional de Lisboa, PBA, caixa 621.

Traslado (cópia) de um acento que o cabo da tropa fez quando arranjou os soldos na terra do gentio. Maranhão, 20 de agosto de 1752. Biblioteca Nacional de Lisboa, PBA, caixa 621.

Traslado da procuração geral e bastante das cinco nações unidas dos índios e gentios [Timbira], 1816. ANTT, Ministério do Reino, Negócios do Brasil, maço 500, caixa 624 (1800-1823).

Publicações

AGNOLIN, Adone. Jesuítas e Tupi: o encontro sacramental e ritual dos séculos XVI-XVII. Revista de História, 154 (1º - 2006), 71-118.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Índios, missionários e políticos: discursos e atuações político-culturais no Rio de Janeiro oitocentista. In: SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda B.; GOUVÊA, Maria de Fátima S. Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história. Rio de Janeiro: Mauad, 2005.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Os Akroá e outros povos indígenas nas fronteiras do sertão: políticas indigenistas e indígenas na capitania de Goiás. Goiânia: Kelps, 2005.

AZANHA, Gilberto. A forma Timbira: estrutura e resistência. Dissertação de mestrado, FFLCH, USP, 1984.

BARROS, Paulo Sérgio. Confrontos invisíveis: colonialismo e resistência indígena no Ceará. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pernambuco, 1997.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

CRUZ, Carlos Henrique. O “cristianismo selvagem”: pajelança e tentativas de reprodução autônoma do catolicismo pelos indígenas no universo colonial (XVI-XVIII). In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA COLONIAL, IV, 2012. Anais. Belém, 2012.

FREITAS, Edinaldo Bezerra. Ser ou não ser Mehin: a etnohistória Krahó. São Paulo, nov. 2001 (Projeto História, 23).

LIMA, Antônio Carlos de Souza. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: UnB, 2002 (Série Antropologia n° 322).

LOPES, Fátima Martins. As mazelas do Diretório dos Índios: exploração e violência no início do século XIX. In: PACHECO DE OLIVEIRA, João (org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

MAURO, Victor Ferri. Territorialidade e processos de territorialização indígena no Brasil, 2007. Mimeografada.

MELATTI, Julio Cezar. Índios e criadores. A situação dos Krahô na área pastoril do Tocantins.Brasília: UNB, 2009.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Autogoverno e economia moral dos índios. Revista de História. São Paulo, n. 166, p. 223-243.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. “O nosso governo”: os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo: Marco Zero; Brasília: MCT/CNPq, 1988.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, vol. 4, n. 1, abr. 1998, p. 47-77.

POMPA. Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial. São Paulo: Edusc, 2003.

RIBEIRO, Francisco de Paula. Memória sobre as nações gentias que presentemente habitam o continente do Maranhão: análise de algumas tribos mais conhecidas, processo de suas hostilidades sobre os habitantes, causas que lhes tem dificultando a redução, e único método que seriamente poderá reduzi-las. Revista Trimensal de Historia e Geographia. Rio de Janeiro, tomo 3, 1841, n. 10, p. 184-197; n. 11, p. 297-322; n. 12.

SAMPAIO, Patrícia Maria Melo. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Sertões do Grão-Pará, c. 1755 – c. 1823. Tese de doutorado, História, Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, 2001.

SOUSA E MELO, Marcia Eliane. O regimento do procurador dos índios do Estado do Maranhão. Outros Tempos. São Luis: Eduema, vol. 9, n. 14, 2012.

VELDEN, Felipe Ferreira Vander. De volta para o passado: territorialização e “contraterritorialização” na história Karitiana. Soc. e Cult., Goiânia, v. 13, n. 1, p. 55-65.

VESENTINI, Willian. Brasil: Sociedade e espaço. São Paulo: Ática, 1991.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Etnologia brasileira. In: MICELI, Sérgio (org.). O que ler na ciência social brasileira: 1970-1995, v. 1. Antropologia. São Paulo: Editora Sumaré/Anpocs/Capes, 1999.

Downloads

Publicado

2013-06-30