"Um só não escapa de pegar em armas": as populações indígenas na Guerra dos Farrapos (1835-1845)

Autores

  • Eduardo Santos Neumann Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89008

Palavras-chave:

Populações indígenas, Guerra dos Farrapos, Império do Brasil

Resumo

Este artigo tem como objetivo repensar a história da Guerra dos Farrapos contemplando a presença e a participação indígena nessa rebelião. As populações ameríndias, ao contrário do que se pensava, participaram dos conflitos imperiais, mas seguem como os esquecidos dessa guerra deflagrada em plena fronteira do Império do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Santos Neumann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor associado do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História.

Referências

Fontes impressas

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção de documentos de Bento Gonçalves da Silva. Porto Alegre: Comissão Executiva do Sesquicentenário da Revolução Farroupilha, Subcomissão de Publicações e Concursos, 1985.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 2. Porto Alegre, 1978.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 3. Porto Alegre, 1978.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 6. Porto Alegre, 1983

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 9. Porto Alegre, 1985.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 10. Porto Alegre, 1991.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Coleção Varela, volume 15. Porto Alegre, 2006.

Anais do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul: Guerra Civil no Brasil meridional. Coleção Varela, volume 17. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2008.

Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul. Os índios d’aldeia dos Anjos: Gravataí século XVIII. Porto Alegre: EST, 1990.

DREYS, Nicolau. Noticia descritiva da província do Rio Grande de São Pedro do Sul. Introdução e notas de Augusto Meyer. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 1961 [1839], 185 p.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul (1820-1821). Tradução de Leonam de Azevedo Penna. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1974.

Bibliografia

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

ASSIS BRASIL, Joaquim Francisco. História da República Rio-Grandense. Porto Alegre: Erus, 1981. Texto fac-similado da edição preparatória. Rio de Janeiro: Typ. de G. Leuzinger & Filhos, 1882.

BOEIRA, Luciana Fernandes. Entre história e literatura: a formação do panteão rio-grandense e os primórdios da escrita da história do Rio Grande do Sul no século XIX. Dissertação de mestrado, UFRGS/ PPGHIST. Porto Alegre, 2009.

COMISSOLI, Adiano & MUGGE, Miquéias H (org.). Homens e armas: recrutamento militar no Brasil – século XIX. São Leopoldo: Oikos, 2011.

FLORES, Moacyr. O modelo político dos Farrapos. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1978.

FLORES, Moacyr. Republica Rio-Grandense: realidade e utopia. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

FREITAS, Amadeu Fagundes de Oliveira. Informações elementares sobre a influência indígena na formação do Rio Grande do Sul. In: O índio no Rio Grande do Sul. Perspectivas. Porto Alegre: Comissão Executiva de Homenagem ao Índio, 1975.

GARCIA, Elisa F. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América portuguesa. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

GUAZZELLI, Cesar Augusto Barcelos. O horizonte da província: a República Rio-Grandense e os caudilhos do Rio da Prata (1835-1845). Tese de doutorado, UFRJ/IFCS. Rio de Janeiro, 1997.

GUTFRIEND, Ieda. A historiografia rio-grandense. 1ª edição. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1992.

KLAFKE, Álvaro A. Antecipar essa idade de paz, esse império do bem: imprensa periódica e discurso de construção do Estado unificado. São Pedro do Rio Grande do Sul, 1831-1845. Tese de doutorado, UFRGS/PPGHIST. Porto Alegre, 2011.

KODAMA, Kaori. Os índios no Império do Brasil: a etnografia do IHGB entre as décadas de 1840 e 1860. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; São Paulo: Edusp, 2009.

LANGER, Protasio Paulo. A aldeia Nossa Senhora dos Anjos: a resistência do Guarani missioneiro ao processo de dominação do sistema colonial luso (1762-1798). Porto Alegre: EST, 1997.

LÓPEZ MAZZ, José M & BRACCO, Diego. Minuanos: apuntes y notas para la historia y la arqueologia del território Guenoa-Minuan. Montevidéu: Linardi y Risso, 2010.

MANDRINI, Raul J & PAZ, Carlos D. (comp.). Las fronteras hispanocriollas del mundo indígena latinoamericano en los siglos XVIII-XIX. Un estudio comparativo. Tandil/IEHS, 2003.

Massacre de Porongos. Guia de referências históricas. Porto Alegre: Iphan/ Inventário Nacional de Referências Culturais, 2007.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, Tapuias e historiadores. Estudos de história indígena e do indigenismo. Tese de livre docência, Unicamp. Campinas, 2001.

MELO, Karina Moreira. A aldeia de São Nicolau do Rio Pardo nos Oitocentos: mais de um século de histórias vividas por índios Guaranis. Dissertação, PPGHIS/ UFRGS, 2011.

NEUMANN, Eduardo. O trabalho Guarani missioneiro no rio da Prata colonial, 1640/1750. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1996.

PICCOLO, Helga, I. L. A Guerra dos Farrapos e a construção do Estado nacional. In: DACANAL, Jose Hildebrando. A Revolução Farroupilha: história & interpretação. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

RIBEIRO, José Iran. Quando o serviço os chama: os milicianos e os guardas nacionais gaúchos (1825-1845). Santa Maria: Ed. da UFSM, 2005.

RIBEIRO, Jose Iran. O Império e as revoltas. Estado e nação nas trajetórias dos militares do Exército imperial no contexto da Guerra dos Farrapos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2013.

RIBEIRO, Max Roberto Pereira. Guaranis missioneiros e estratégias familiares em um contexto de dispersão (Capela de Santa Maria, 1814-1845). In: XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. SÃO PAULO: ANPUH, 2011. Anais. Texto disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/ihb/SNH2011/ST111.htm.

RIBEIRO, Max Roberto Pereira. Estratégia indígenas na fronteira meridional: os Guaranis missioneiros após a conquista lusitana (Rio Grande de São Pedro, 1801-1834). Dissertação, PPGHIST/UFRGS, 2013.

SALA DE TOURON, Lucia, DE LA TORRE, Nelson, RODRIGUEZ, Julio. Artigas y su revolución agrária (1811-1820). México: Siglo Veintiuno, 1987.

SCHEIDT, Eduardo. O processo de construção da memória da Revolução Farroupilha. Revista de História da USP. São Paulo, nº 147, 2002.

SPENCER, Leitman. Raízes socioeconômicas da Guerra dos Farrapos. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

SPENCER, Leitman. Negros farrapos: hipocrisia racial no sul do Brasil no século XIX. In: DACANAL, Jose Hildebrando. A Revolução Farroupilha: história & interpretação. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

SPOSITO, Fernanda. Nem cidadãos, nem brasileiros. Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012.

RATTO, Silvia. Los índios y la revolución en el Rio de la Plata. El proceso independentista entre los indígenas soberanos de Pampa y Chaco. In: BRAGONI, Beatriz & MATA, Sara (comp.). Entre la colonia y la república. Insurgencias, rebeliones y cultura política en América del Sur. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2008.

VARELA, Alfredo. Revoluções Cisplatinas. A República Rio-Grandense, vol. 2. Porto: Livraria Chardron, 1915.

VARELA, Alfredo. História da Grande Revolução, vol. 6. Porto Alegre: IHGRS/Gov. do Estado, 1933.

WILDE, Guillermo. Religión y poder en las misiones de Guaraníes. Buenos Aires: S. B., 2009.

Downloads

Publicado

2014-12-18

Edição

Seção

Artigos