Impedidos de "tratar da vida": os desafios enfrentados pelos libertos na sociedade colonial

Autores

  • Fernanda Domingos Pinheiro Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.89559

Palavras-chave:

Alforria, liberdade, condição social

Resumo

As possibilidades de acesso à alforria e sua frequência proporcionaram a formação de um importante contingente de libertos na América portuguesa. Porém, a essa camada da sociedade colonial foram impostos muitos e diferentes desafios. Perceber os riscos e as limitações que embaraçaram ou impediram o gozo de uma liberdade plena é o propósito deste artigo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHALHOUB, Sidney. Escravização ilegal e precarização da liberdade no Brasil Império. In: AZEVEDO, Elciene et al. (orgs.). Trabalhadores na cidade. Cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas: Editora da Unicamp, 2009, p. 23-62.

AZEVEDO, Elciene. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Sobre a servidão voluntária: outro discurso. Escravidão e contrato no Brasil colonial. Dédalo. Porto, nº 23, 1984, p. 57-66.

GRINBERG, Keila. Liberata: a lei da ambiguidade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

GRINBERG, Keila. Reescravização, direitos e justiças no Brasil do século XIX. In: LARA, Silva Hunold & MENDONÇA, Joseli Maria N. (org.). Direitos e justiças no Brasil: Ensaios de história social. Campinas: Editora da Unicamp, 2006, p. 101-128.

GRINBERG, Keila. Senhores sem escravos: a propósito das ações de escravidão no Brasil imperial. Almanack Braziliense. São Paulo, nº 6, 2007, p. 4-13.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas. Escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LARA, Silvia Hunold. Para além do cativeiro: legislação e tradições jurídicas sobre a liberdade no Brasil escravista. In: FONSECA, Ricardo Marcelo & SEELAENDER, Airton Cerqueira Leite (org.). História do direito em perspectiva. Do Antigo Regime à modernidade jurídica. Curitiba: Juruá Editora, 2008, p. 315-329.

LIMA, Henrique Espada. Trabalho e lei para os libertos na ilha de Santa Catarina no século XIX: arranjos e contratos entre a autonomia e a domesticidade. Cadernos AEL. Campinas, v. 14, nº 26, 2009, p. 133-177.

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista, Brasil, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MONTEIRO, John Manuel. A administração particular. In: Idem. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994, p. 129-153.

PAIVA, Eduardo França. Revendications de droits coutumiers et actions en justice des esclaves dans les Minas Gerais du XVIIIe siècle. Cahiers du Brésil Contemporain v. 53-54. Paris, 2004, p. 11-29.

PINHEIRO, Fernanda Domingos. Em defesa da liberdade: libertos e livres de cor nos tribunais do Antigo Regime português (Mariana e Lisboa, 1720-1819). Tese de doutorado, Departamento de História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2013.

RUSSELL-WOOD, Anthony John R. Escravos e libertos no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SCOTT, Rebecca. Paper thin: Freedom and re-enslavement in the diaspora of the Haitian Revolution. Law & History Review, v. 29, nº 4, nov. 2011, p. 1061-1087.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

PINHEIRO, F. D. Impedidos de "tratar da vida": os desafios enfrentados pelos libertos na sociedade colonial. Revista de História, [S. l.], n. 172, p. 221-242, 2015. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.89559. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/89559. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos